Archive for Novembro, 2010

29/11/2010

‘Relendo’ o T de Prosa… Perspectiva jornalística

 

            O programa ‘T de Prosa’ da Rádio T (FM 99,9, na região dos Campos Gerais do Paraná) já passou por esse espaço de crítica no começo de 2010. Todavia, como o assunto não se esgotou naquele primeiro momento, faz-se necessário abordar por um viés jornalístico, o conteúdo do referido programa. O T de Prosa vai ao ar de segunda à sexta-feira, a partir do meio-dia até as 13 horas. Ele se passa num ambiente intitulado de ‘Fazenda do Riachão’ e é apresentado por Marcílio Luiz e pelas figuras do coronel Juvêncio e da dona Quitéria.

            O programa apresenta o formato jornalístico da entrevista. Os temas tratados nunca se restringem à pauta, sempre se lançando a outras abordagens. Nas respostas dos entrevistados, observa-se uma quebra de estereótipos, do conservadorismo presente nos assuntos abordados. Os convidados são provocados pelo apresentador a ir além de respostas básicas, sempre.

            O decorrer da entrevista é pautado pela participação dos ouvintes, que interferem incisivamente na programação. A eles abre-se a possibilidade de perguntar via mensagem de texto de celular (sms), ou por meio do msn (maisconteudoradiot@hotmail.com). As perguntas feitas pelo público direcionam o debate dos temas. Estes são apresentados em linguagem coloquial (o entrevistado de especificidades sai do pedestal de sua profissão), são de elevado interesse público e chamam a atenção de todas as classes sociais.

            A interferência dos anfitriões, coronel Juvêncio e dona Quitéria, mostra-se proveitosa, sempre complementando a fala do entrevistado. O programa possui um humor saudável, fugindo da jocosidade de alguns programas do mesmo horário e voltado para o mesmo público. Um fator negativo é o longo tempo da entrevista (estende-se, algumas vezes, por até uma hora e 15 minutos), pois faz com que o ouvinte, que precisa trabalhar logo após o almoço, perca o último bloco da transmissão.

 

Kevin Willian

 

Serviço

Rádio T

Programa: T de Prosa, diariamente às 12h00

Contato via msn: maisconteudoradiot@hotmail.com
Abrangência

Ponta Grossa: FM 99,9 Mhz

Curitiba: FM 106, 9 Mhz

Palmeira: FM 93,1 Mhz

Guarapuava: FM 100,9 Mhz

Telêmaco Borba: FM 97, 3 Mhz

Andirá: FM 97,5 Mhz

Paranacity: FM 88,1 Mhz

Mamborê: FM 107, 5 Mhz

Brasilância: 88,7 Mhz

Foto: Divulgação

 

Anúncios
28/11/2010

Foca livre regride na penúltima edição (2010)

 

Depois de passar o ano inteiro de 2010 tentando melhorar o ‘Foca Livre’, Jornal laboratório do curso de Jornalismo da UEPG, fugindo inclusive do projeto gráfico proposto no início do ano letivo, o penúltimo exemplar de 2010 passou por vários problemas de edição e diagramação.

A começar pela capa, onde deveria estar escrito edição número 142, estava 136. O box logo abaixo do título, com imagens de cores fortes, dificulta a leitura. O excesso de informação do mesmo espaço, com a chamada em duas colunas, faz com que o leitor precise prestar muita atenção para entender o texto. A ideia de colocar uma bandeira do Estado do Paraná no fundo é interessante, já que o tema da reportagem é eleições 2010, porém ela poderia estar com uma cor mais suave. As fotos dos candidatos, divididas por faixas vazadas no fundo verde, deram a sensação de que eles estão aprisionados, sugerindo que a chamada seria para uma reportagem policial.

A matéria sobre as eleições do Diretório Central dos Estudantes DCE) UEPG não merecia tal destaque. Tendo em vista que, primeiro, a proposta em 2010, embora seja uma jornal universitário, era abrir as pautas para a comunidade. Ou seja, tratar de assuntos que digam respeito a toda a sociedade pontagrossense, não apenas à universitária. Existiriam outros assuntos que interessariam mais à comunidade local! Por outro lado, mesmo que fosse um jornal apenas voltado à universidade, uma eleição onde apenas 1116 alunos tenham votado pode não ser tão interessante ao meio acadêmico, como pensou o grupo da edição do jornal, ao ponto de ser a notícia principal.

 

Andressa Kaliberda

 

Serviço:

Jornal: Foca Livre

Ano: 18

Edição: 142

Mês: Novembro, 2010

27/11/2010

Agenda Cultural

 

 

27 de Novembro (sábado)

 Atividade: Projeto Cine-Arte

Filme: “Encarnação do Demônio”

Direção: José Mojica Marins (Zé do Caixão) – Brasil – 1963 – 84 min.

Local: Cine-Teatro Ópera – Auditório B

Horário: 17h

Entrada Franca

Classificação: 16 anos

 

Atividade: Espetáculo de Dança “Entre Retas e Curvas e Pesquisa Sonora”

Local: Cine-Teatro Ópera – Auditório A

Horário: 20h

Ingressos: Antecipados na Academia Vozes do Pé até 26/11: R$ 15,00 (preço promocional válido apenas para entrada inteira)

Nos dias do espetáculo (bilheteria do teatro) – R$ 25,00 (inteira) e R$ 12,50 (meia-entrada)

Classificação: Livre

Informações: 3027 4432

 

 21ª Münchenfest

Show: ABBA – The Show

Local: Centro de Eventos

Horário: 22h

Ingressos: R$ 15 (inteira) e R$ 7,50 (meia)

 

 28 de Novembro (domingo)

Atividade: Concerto “Grupo de Metais e Percussão” – Colégio Sant’ana

Local: Cine-Teatro Ópera – Auditório A

Horário: 19h

Ingressos: R$ 5,00

 

 21ª Münchenfest

Show: Jorge & Matheus

Local: Centro de Eventos

Horário: 22h

Ingressos: R$ 15 (inteira) e R$ 7,50 (meia)

 

 30 de Novembro (terça-feira)

 Atividade: Projeto Tela Alternativa

Filme: “Eles não usam black-tie”

Direção: Leon Hirszman – 1981 – Brasil – 120 min.

Local: Cine-Teatro Ópera – Auditório B

Horário: 19h30

Entrada Franca

Classificação: 14 anos

 

 1º de Dezembro (quarta-feira)

 21ª Münchenfest

Show: João Bosco & Vinícius

Local: Centro de Eventos

Horário: 22h

Ingressos: R$ 15 (inteira) e R$ 7,50 (meia)

 

 02 de Dezembro (quinta-feira)

 21ª Münchenfest

Show: Ultraje a Rigor

Local: Centro de Eventos

Horário: 22h

Ingressos: R$ 15 (inteira) e R$ 7,50 (meia)

 

Felipe Liedmann

 

23/11/2010

Revista D’PontaPonta lança portal na internet

No último dia três, a revista pontagrossense D’Pontaponta lançou seu portal oficial na internet. Diferente de outras revistas, como a também princesina Revista Fix, a D’Pontaponta não disponibiliza seu conteúdo de forma integral, o site não é dividido com as mesmas editorias da revista, trazendo pouco do conteúdo impresso.

            O espaço no site, denominado DP+ traz conteúdo exclusivo, não encontrado na revista. Algumas matérias são interessantes, porém não parecem terem sido feitas com o objetivo de serem publicadas no meio eletrônico, mas sim, matérias que não entraram na revista por “falta de espaço” e acabaram sendo publicadas somente na internet.

            Excetuando o DP+, a única divisão com conteúdo relacionado à versão impressa da revista é a coluna social, chamada de Social Clube. Os demais são apenas links dos blogs dos colaboradores da revista e espaço para contato de leitores e empresas interessadas em espaço para publicidade no portal. Espaço este, aliás, relativamente grande. Por ser recém lançado, o site conta apenas com uma publicidade, mas já reservou em seu layout espaço para pelo menos mais cinco. Esses espaços em branco dão ao site uma aparência de vazio, dando a impressão de falta de conteúdo.

            No geral, a revista D’Pontaponta utilizou muito pouco do que um espaço na internet pode oferecer. O conteúdo é superficial em relação à versão impressa. A disponibilização da revista na íntegra em formato digital poderia ajudar na divulgação e não atrapalharia em nada já que o material, com tiragem de 5.000 exemplares por edição, é de distribuição gratuita. O Portal D’Pontaponta é um recém-nascido e tem muito para crescer e aprender.

 Raísa Jorge

 

Serviço:

Revista D’Pontaponta

Distribuição gratuita

Portal D’Pontaponta: www.revistadp.com.br

 contato: smarendabr@yahoo.com.br e (42)8403-6675

23/11/2010

A “volta” de bons enredos

Volver, filme do cineasta Almódovar, traz o drama da vida de Raimunda, interpretada pela atriz Penélope Cruz. A maioria dos personagens são mulheres. Os poucos homens que aparecem são retratados como asquerosos. A intenção do cineasta é mostrar a força e luta das mulheres para vencer os obstáculos da vida, principalmente a morte dos que as cercam.

Cada personagem carrega certos mistérios, e as atrizes transmitem isso no olhar. O suspense é presente em quase todo o filme, e quem assiste consegue esquecer-se das horas para pensar somente no que pode acontecer ao final. Diferente de muitos filmes de suspense, este é uma mescla de drama e tensão. No entanto, Almódovar suaviza com a chegada da mãe de Raimunda, em forma de espírito.

Com cores e sons, o cineasta dá forma ao filme. A sonoplastia acompanha de forma harmônica a película, tanto nos momentos mais tensos até os mais leves do filme, transparecendo através dos sons as alegrias e sofrimentos das personagens. As cores são exageradamente fortes, podem até causar certo desagrado. A atuação das atrizes é impecável. Penélope Cruz e Carmem Maura –mãe de Raimunda- conseguem se destacar tanto quanto o enredo.

O interessante do filme é que o cineasta tem um enredo original. Raimunda guarda mágoas do estupro que sofreu pelo pai, e sua filha, acaba tendo o mesmo destino. Ela utiliza todas as artimanhas possíveis para esquecer o assassinato que a filha cometera ao pai, e tenta levar adiante a vida. Ao final, podemos compreender o nome do mesmo, ‘volver’ (volta), que significa a da felicidade e união entre mãe, filhas e neta. Juntas, unem forças para esquecer tudo e dar ânimo a neta, que mesmo nova, já adquire a coragem que herdou da família.

 Rafaela Mendes

Serviço:

Direção:  Pedro Almodóvar
Elenco Principal: Penélope Cruz, Carmen Maura, Lola Dueñas

Lançado no ano de 2006

Última exibição em Ponta Grossa:

Tela Alternativa no Cine Teatro Ópera, às 19h30, do dia 16 de novembro.

23/11/2010

Um almoço no ‘Le RU’ do Campus Central da UEPG

Vida de estudante não é fácil. Quando o dinheiro recebido dos pais ou do estágio acaba, resta comer no Restaurante Universitário (RU). Afinal, provavelmente a maioria que frequenta não o faz por preferir a alimentação lá oferecida. Arroz, feijão, carne, salada, suco e alguma variedade como macarrão ou batata. Bem distante dos cardápios disponíveis nos restaurantes próximos, que têm pelo menos o dobro de opções.



Antes mesmo de entrar no RU, o estudante deve enfrentar uma fila que, em alguns dias da semana, chega a contornar o pátio do Campus Central da UEPG. A espera já foi menor. Até há alguns meses as bandejas de comida estavam dispostas de maneira que permitissem “fregueses” se servindo dos dois lados (da mesa/carrinho), reduzindo a fila. Porém, alegando que daquela forma as pessoas entravam na cozinha, elas foram viradas trancando o ambiente que corria riscos e deixou os estudantes com apenas um lado do serviço. Matemática simples: metade de estudantes por bandeja, dobro de fila.

            Mais uma mudança no modo de usufruir do restaurante houve em 2010. Com a alegação de preocupação com os problemas ambientais do mundo contemporâneo, o restaurante deixou de dar copos descartáveis aos estudantes para tomar suco durante as refeições. Agora, os acadêmicos devem levar sua própria caneca ou não tomar suco. Se a medida foi puramente pela preocupação verde, e não por corte de gastos, o valor do almoço poderia baixar, fato que não ocorreu.    

As comidas mais caras, como a carne, são colocadas nos pratos pelas funcionárias, assim ninguém ganha mais de um pedaço. Ao lado do RU, há uma cafeteria privada no Campus Central. Será que ao invés de investir no que é direito do acadêmico, a reitoria prefere terceirizar? Fica a dúvida.

 

Mozart Artmann

 

 

 

Serviço:

Restaurantes Universitários da UEPG

Local: Colégio Agrícola (Ao lado do Campus Uvaranas) e Campus Central

Valor: R$ 1,90

Almoço das 11h às 12:40h

Jantar das 17:30h  às 19h

Cardápio disponível em https://sistemas.uepg.br/producao/pro-reitorias/proad/diser/ru/cardapio/

 

 

22/11/2010

Um ponto de vista (televisivo) de quem?

O programa ‘Ponto de Vista’ é apresentado por Nassima Salum, no canal a cabo (14) TVM de Ponta Grossa. Em um misto de variedades e coluna social, a apresentadora mantém um agradável contato com o público. Sentada no sofá, Nassima faz agradecimentos às empresas que oferecem o cenário do programa.

  Durante todo o tempo sentada, a apresentadora e empresária da cidade também agradece os colaboradores, amigos e equipe técnica. O programa funciona ainda como um espaço para merchant, onde ela mostra as novidades de suas lojas. Com propagandas externas, diretamente em uma de suas lojas.

Em outras externas, a apresentadora aproveita para ajudar a divulgar empreendimentos de amigas e conhecidos. Isso tudo em uma conexão de propaganda e bate papo, descontraído e empolgado.

O programa, às vezes, conta com entrevistas em outro estúdio, todas elas gravadas, bem como a apresentação do programa. Os temas e convidados são variados, abrindo um pouco para diferentes assuntos que não seja ela própria ou seus espaços empresariais.

Nassima Salum realmente é uma bem sucedida empresária e sua publicidade vai de vento em popa, como apresentadora provavelmente a prática pode ajudar mais.

O programa não conta ainda com a participação efetiva de público por nenhum meio (telefone, mensagem ou e-mail), assim a aceitação não pode ser avaliada, mas se tratando de uma rede de TV privada no sistema a cabo local, o horário também é de quem pode pagar pelo espaço.

 

Natalia Nery

 

Serviço: Programa Ponto de Vista

Apresentadora: Nassima Salum

Emissora: Rede TVM – canal 14 (sistema a cabo)

Horário: 20h às 21h

http://www.redetvm.com.br/index.php

22/11/2010

Fenata aumenta visibilidade, apenas no período do evento

O 38º Festival Nacional de Teatro (FENATA) revelou dia 12/11/10 os melhores grupos e performances participantes que concorreram pelas amostras adulto e para crianças, nas categorias de melhor espetáculo. Prêmios como melhores ator e atriz, ator e atriz coadjuvante, melhor direção, melhor iluminação, cenografia e outros.

A comissão julgadora do evento teatral, composta pelo curador Antonio do Valle, Gonzaga Pedrosa e Reinaldo Santiago, criou dois prêmios a mais na categoria adulto este ano, o que não havia acontecido em edições passadas. Os prêmios são “melhor texto original” e “melhor figurinista”.

Os 26 prêmios foram distribuídos para companhias teatrais de todo o Brasil. Em sua maioria (18 prêmios) para o estado de São Paulo. Entre as premiações estavam melhores ator, melhor atriz e melhor texto original. O festival, que teve um público em torno de 22 mil, superou a edição do ano anterior, dando também mais visibilidade ao evento, que cresce cada vez mais no Paraná.

Apesar do crescimento do festival, hoje considerado um dos maiores eventos culturais do setor no país, o teatro que permaneceu vivo durante o fenata se apaga na cidade. Os locais de apresentações ficam vazios e poucas iniciativas são realizadas para a estruturação de novas companhias de teatro, o que torna a cidade apenas mais uma passagem para um pequeno tempo do ano.

Luan Azevedo

 

Serviço:

 O Fenata ocorreu  dos dias 04 à 11 de novembro

Locais que tiveram peças: cine teatro Ópera A e B, teatro Marista, Cine Pax, Calçadão e Coronel Cláudio. Cidades de Reserva e Palmeira também tiveram apresentações.

Os ingressos variavam desde grátis até 6,00 R$.

22/11/2010

Aprendizado semanal no RS Notícias

O programa ‘RS Notícias Especial de Sábado’ é o resultado da parceria da Rádio Sant’ana com alunos do curso de Jornalismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). O programa começa com curiosidades sobre a data em que vai ao ar, porém alguns assuntos parecem distantes da realidade da cidade, como por exemplo no programa do segundo sábado de novembro/10: “13 de novembro de 1994, o piloto Michael Schumacher alcança seu primeiro título mundial de fórmula um”.

Como o programa é feito por alunos, seria aceitável que apresente falhas. Às vezes, falta descontração dos locutores Eduardo Godoy e Letícia Cabral. O rádio é marcado pela linguagem oral, com texto mais leve e próximo do coloquial, o locutor deve conversar com o ouvinte como se fosse um conhecido e não um estranho. Em alguns momentos, os locutores parecem tímidos. Em outras situações, devido ao vício dos alunos de elevar a voz e diminuir a velocidade quando o texto é difícil, transparece o forte tom de leitura, o que pode facilitar a dispersão do ouvinte.

            Algumas vezes, quando o repórter na rua “assina” a matéria e manda voltar para o estúdio, os locutores não retomam o assunto. Mas, vale lembrar que rádio é redundância, para que o ouvinte recém sintonizado na estação já possa inteirar-se dos assuntos tratados no programa.

Um quadro interessante é o “Fala Comunidade”, que tem a proposta de tirar as dúvidas que surgem no cotidiano e afligem grande parte da população. Porém, o espaço dedicado ao assunto é muito pequeno. No último programa, transmitido dia 13/11, foram apenas 20 segundos para a pergunta e a resposta. O tempo, espera-se, tratará de lapidar os alunos de forma que o programa registre uma qualidade profissional.

Marco Antonio Favero

 

Serviço:

Emissora: Rádio Sant’ana AM 900 kHz

Programa: RS Notícias Edição Especial de Sábado

Horário: a partir das 7h50

Duração: 10 minutos

Locução: Eduardo Godoy e Letícia Cabral

Professora responsável: Carlos Alberto de Souza e Elaine Javorski

22/11/2010

Arte para provocar e pintura para ferir na América Latina de Guyasamín

“Minha obra somente revela o mundo que me coube viver”. O conceito de arte variou muito ao longo de toda sua evolução. A definição mais funcional (se é que pode falar em funcionalidade na arte) é a de que arte é tudo aquilo que provoca o homem, racional ou emocionalmente. Partindo desta simples definição, o pintor equatoriano Oswaldo Guayasamín (1919 – 1999), que tem suas obras em exposição no Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba, prova que a acepção é válida, como ele mesmo definiu na frase acima.

Museus, talvez, sejam alguns dos poucos lugares que consigam reunir as sete artes. A pintura está representada pela exposição ‘Guayasamín – Uma América Pintada’. Mas outras artes ajudam a entender o que o pintor queria dizer com “América Latina tem sua própria raiz que é preciso remover e encontrar para dizer nossas coisas”. Antes de visitar a exposição, uma leitura da obra de Eduardo Galeano, As Veias Abertas da América Latina, ajudará a entender porque Guayasamín retrata os povos latino-americanos destacando suas tristezas, as sangrentas ditaduras, a violência e o homem do século XX. Exemplo disto é a série de quadros ‘El Grito’.

Na sétima arte, o filme israelense de Ari Folman, Valsa com Bashir, se aproxima das pinturas de Guayasamín. O filme trata dos conflitos entre palestinos e israelenses, mas o enfoque no sofrimento é o mesmo, e a pintura do equatoriano lembra a fotografia do filme. O filme retrata a influência norte-americana na guerra, enquanto a exposição sobre o equatoriano traz a série de quadros ‘Reunion en el Pentagono’, com as imagens dos personagens destas reuniões. Na música, não faltam exemplos. Chico Buarque, no Brasil; Mercedes Sosa, na Argentina retrataram o povo durante os regimes ditatoriais que assolaram seus países.

A exposição de Guyasamín pode ser resumida na retratação do povo latino-americano em alguns dos seus piores momentos, aqueles nos quais sua cultura e liberdade foram cerceadas por regimes ditatoriais. Assim como Brasil, Uruguai, Argentina e Chile, o Equador passou por uma ditadura militar, em meados do século XX. O artista equatoriano pintou seu povo, no qual qualquer nacionalidade que tenha passado por regimes como esse, pode se identificar. Pintou as vítimas: desde os afegãos de Galeano, “do país mais minado do mundo (…), com milhões de minas prontas para matar ou mutilar quem nelas pise”, até os próprios equatorianos, “eu chorei porque não tinha sapatos, até ver uma criança que não tinha pés” (Oswaldo Guayasamín). Isso é arte: a provocação, o que Guayasamín resume em “minha pintura é para ferir”.

 

Leonardo Barretta

Serviço:

‘Guayasamín – Uma América Pintada’ esteve em exposição de 19 de março até 26 de setembro.

Artista: Oswaldo Guayasamín (1919 – 1999).

Local: Museu Oscar Niemeyer – Curitiba. Rua Marechal Hermes, 999. Centro Cívico.

Horário de funcionamento: de terça a domingo, das 10h às 18h. Compra de ingresso até 17h30.

Ingressos: R$4,00 (inteira) e R$2,00 (meia).