Archive for Agosto, 2011

29/08/2011

Mais do mesmo

Fazer o Crítica de Ponta não é fácil. Buscar conteúdo para nove editorias, sem repetir os produtos, semanalmente, é um desafio. Principalmente para editorias como Em Cena ou Na Tela, em que a oferta não é grande (no caso do primeiro) e a diversidade também, para a segunda. Mas tem que ser feito e uma solução simples é: mudar o olhar.

Nesta edição do blog fica claro como sua produção, em algumas semanas, fica limitada: tanto aos produtos quanto à crítica. Ela persiste de forma geral com os programas nas diferentes plataformas (rádio, televisão, web). Nada de aprofundado. Isto fica claro na editoria Livro Aberto, no qual são raras críticas sobre personagens, estilo da narrativa, a forma como o autor conduz o texto de alguma obra. Bem, Dom Casmurro é mais conhecido pela intensidade de seus personagens do que pela narrativa. Mario Vargas Llosa se destaca pelos seus narradores oniscientes opinando ao longo da narrativa.

Em ombudsman anterior, destaquei que seria a hora para os produtores do Crítica avançarem sobre uma crítica mais técnica. Exemplos disto podem ser observados no site, como na produção da semana passada. Porém, há possibilidade de se fazer críticas diferenciadas sem um conhecimento técnico aprimorado. Seria interessante uma crítica só sobre os jingles que habitam a programação das rádios ponta-grossenses. Ou das próprias trilhas sonoras das emissoras.

A variedade de objetos analisáveis em algumas editorias é muito limitada, os produtos estão se esgotando e não há rotatividade. Repetir a crítica é incoerente com o leitor do blog. A solução é o mais simples possível: mudar o foco de análise, sair da crítica geral do programa. Se conseguir levantar questões técnicas de interesse do internauta, ponto positivo. Mas trata-se de algo mais simplório: desabituar o olhar padronizado sobre os produtos, e explorá-los de outras formas. É evitar o mais do mesmo.

Leonardo Barretta

Anúncios
26/08/2011

26 de Agosto- Sexta-Feira

Atividade: Exibição do Filme “Diário dos Mortos” (diretor George A. Romero) seguido de Debate

Promoção: Coletivo ZWPG

Local: Cine-Teatro Ópera – Auditório B

Horário: 19h

Ingressos: R$ 2,00 (preço único)

Atividade: Apresentação de grupos artísticos da APAE: Show “Affinitas Banda Show”, espetáculo teatral “A Cigarra e a Formiga” e grupo de dança “Amigos da Tradição”

Local: Cine-Teatro Ópera- Auditório A

Horário:19h30

Ingressos: Entrada Franca

Mais Informações: 3238-2455/ Rose

Atividade: Concerto da Orquestra Sinfônica Cidade de Ponta Grossa “ Música Francesa” – Ravel, Stravinsky, Sibelius, Philip Glass, Samuel Barber e Satie”.

Local: Cine-Teatro PAX

Horário: 20h

Ingressos: R$ 6,00 (inteira) e R$ 3,00 (meia-entrada)

 

26 e 30 de Agosto

Atividade: Releitura de Obras de Arte

Sinopse: Com o objetivo de preparar os orientadores dos alunos que participarão do 2º Salão Infanto-Juvenil de Artes Plásticas de Ponta Grossa, que será realizado entre as datas 11 de outubro a 4 de novembro de 2011, na “Galeria João Pilarski”, no Centro de Cultura Cidade de Ponta Grossa, como parte da programação do 2º Festival Estudantil de Artes. O tema será uma releitura de uma das obras dos seguintes autores: Sidney Mariano (Ponta Grossa – Brasil), Tarsila do Amaral (Brasil), Michelangelo di Lodovico Buonarroti Simoni (Itália).

Local: Centro de Cultura Cidade de Ponta Grossa

Horário: 19h e 22h

Atividade Direcionada

 

27 de Agosto- Sábado

Atividade: “Projeto Folclore em Cores” – Apresentação de Danças com Grupos e Academias de Dança de Ponta Grossa: C.T.G. Vila Velha, Grupo de Dança Ucraniana Zoriá, Academia de Capoeira Praia de Salvador e Yumê Matsuri Odori

Local: Praça Barão do Rio Branco- Ponto Azul

Horário: 12h

Atividade Livre

Atividade: Núcleo de Dramaturgia- Sob a orientação de Cynthia Becker.

Sinopse: Trata-se de um conjunto de oficinas quinzenais e que se estende até dezembro. Destina-se a preparar novos escritores de peças teatrais, sob a orientação de Cynthia Becker e coordenação de Roberto Alvim e Marcos Damasceno.

Local: Centro de Cultura Cidade de Ponta Grossa

Horário: 14h

Ingressos: Atividade Dirigida

Informações: Alfredo Mourão- Fone 3901 1588

Atividade: Projeto Cine-Arte – Exibição do Filme “O que Sou Nunca Escondi”- Um filme sobre Geraldo Vandré

Direção: Alexandre Napoli e Helena Wolfenson- Brasil- 2009 – 54 minutos

Local: Cine-Teatro Ópera – Auditório B

Horário: 17h

Ingressos: Entrada Franca

Classificação: 14 Anos

Atividade: Concerto da Orquestra Sinfônica Cidade de Ponta Grossa “Música Francesa” – Ravel, Stravinsky, Sibelius, Philip Glass, Samuel Barber e Satie”.

Promoção: Secretaria Municipal de Cultura e Turismo e Conservatório Artístico Musical Maestro Paulino Martins Alves

Local: Cine-Teatro Ópera

Horário:20h

Ingressos: R$ 6,00 (inteira) e R$ 3,00 (meia-entrada)

 

28 de Agosto –Domingo

Atividade: “Projeto Folclore em Cores”- Apresentação de Danças com Grupos e Academias de Dança de Ponta Grossa: Centro Cultural Ilê de Bamba, Grupo de Dança Estampa Campeira, Grupo Parafolclórico Aracê Poranga, Grupo de Danças Gaúchas Estância Serrana, Grupo de Dança de do Ventre Bagdá – Fadwa Neme, Grupo Querência Amiga, Grupo de Capoeira Muzenza, C.T.G Porteira dos Municípios, Grupo Querência Amiga, Mate Amargo & Cia, C.T.G Rancho Alegrete e Yumê Matsuri Odori

Promoção: PMPG/SMCT

Local: Shopping Antártica

Horário: 16h

Atividade Livre

 

30 de Agosto –Terça-feira

Atividade: Projeto Tela Alternativa – Exibição do Filme: “Os pássaros” (The birds)

Direção: Alfred Hitchcock- Suspense- EUA- 1963-114min.

Local: Cine-Teatro Ópera – Auditório B

Horário: 19h30

Ingressos: Entrada Franca

Classificação: 16 anos

 

31 de Agosto – Quarta-feira

Atividade: Primeiro Encontro da Oficina “Conservando o Choro”

A oficina acontece no Conservatório Musical Maestro Paulino Martins Alves a partir das 18 horas. Aberta à toda comunidade. Direcionada a todos os instrumentos.

Programação: Prática em Conjunto, preparação de Repertório, Prática Interpretativa e História da Música Popular Brasileira, De Heitor Villa Lobos à Pixinguinha.

Coordenação: Professor Rodrigo Milek.

Local: Conservatório Artístico Musical Maestro Paulino Martins Alves

Mais Informações: digomilek@hotmail.com ou pelo fone: 3901 30 38 Com Josiane ou Helen.

 

2 de agosto – Sexta-feira

Show com a Banda Mandau

Local: Empório

 

Programação – Multiplex Palladium

 

Assalto ao Banco Central

Elenco: Milhem Cortaz, Eriberto Leão, Giulia Gam, Lima Duarte.

Classificação: 14 anos

Sala: MULTIPLEX

Programação: SALA 3 19/08 A 25/08

NACIONAL

DIARIAMENTE 19:30 21:30

 

Lanterna Verde

Elenco: Ryan Reynolds, Blake Lively, Peter Sarsgaard

Classificação: 10 anos

Sala: MULTIPLEX

Programação: SALA 2 19/08 A 25/08

DUBLADO

SEX,SAB,DOM,SEG E QUA 15:00 17:15 19:30 21:45

TER E QUI 16:30 19:00 21:15

 

Os Smurfs

Elenco: Neil Patrick Harris, Jayma Mays, Sofia Vergara, Hank Azaria

Classificação: LIVRE

Sala: MULTIPLEX

Programação: SALA 3 19/08 A 25/08

DUBLADO

SEX, SAB ,DOM, SEG E QUA 15:15 17:15

TER E QUI 16:00

SALA 4 19/08 A 25/08

DUBLADO 3D

SEX, SAB, DOM, SEG E QUA 15:30 17:30 19:30 21:30

TER E QUI 16:30 19:00 21:00

 

Super 8

Elenco: Elle Fanning, Kyle Chandler, Noah Emmerich, Joel Courtney

Classificação: 12 ANOS

Sala: MULTIPLEX

Programação: SALA 1 19/08 A 25/08

DUBLADO

DIARIAMENTE 15:30

 

Uma Professora Sem Classe

Elenco: Cameron Diaz, Justin Timberlake, Jason Segel

Classificação: {14}

Sala: MULTIPLEX

Programação: SALA 1 19/08 A 25/08

LEGENDADO

DIARIAMENTE 17:30 19:30 21:30

 

Shopping Total

Planeta dos Macacos

Sala: 04

Horário: 15h00 / 17h10 / 19h15 / 21h30

Legendado – Normal

Ingressos:

Segunda, terça e quinta: R$ 12,00 inteira – 6,00 meia.

Quarta: R$ 6,00 Preço Unico

Sexta, sabado, domingo e feriados: R$ 14 inteira – R$ 7,00 meia

 

Lanterna Verde

Sala: 01

Horário: 14h45 / 17h00 / 19h15 / 21h30

Dublado – Normal

Ingressos:

Segunda, terça e quinta: R$ 12,00 inteira – 6,00 meia.

Quarta: R$ 6,00

Sexta, sabado, domingo e feriados: R$ 14,00 inteira – R$ 7,00 meia

 

Os Smurfs – O Filme

Sala: 02

Horário: 14h40 / 16h45 / 18h50 / 21h00

Dublado – Normal

Ingressos:

Segunda, terça e quinta: R$ 12,00 inteira – 6,00 meia.

Quarta: R$ 6,00

Sexta, sabado, domingo e feriados: R$ 14,00 inteira – R$ 7,00 meia

 

Capitão América – O Primeiro Vingador

Sala: 03

Horário: 15h30 / 18h30 / 21h00

Dublado – Normal

Ingressos:

Segunda, terça e quinta: R$ 12,00 inteira – 6,00 meia.

Quarta: R$ 6,00

Sexta, sabado, domingo e feriados: R$ 14,00 inteira – R$ 7,00 meia

 

Dylan Dog e as criaturas da noite

Sala: 05

Horário: 16h50 / 21h30

Legendado – Normal

Ingressos:

Segunda, terça e quinta: R$ 12,00 inteira – 6,00 meia.

Quarta: R$ 6,00

Sexta, sabado, domingo e feriados: R$ 14,00 inteira – R$ 7,00 meia

 

Super 8

Sala: 05

Horário: 14h30 / 19h10

Dublado – Normal

Ingressos:

Segunda, terça e quinta: R$ 12,00 inteira – 6,00 meia.

Quarta: R$ 6,00

Sexta, sabado, domingo e feriados: R$ 14,00 inteira – R$ 7,00 meia

26/08/2011

Santo cafezinho de todo dia

Cafeteria caseira para universitários longe de casa

Na Rua Santos Dummont, uma placa chama atenção para uma pequena cafeteria. O forte, porém agradável, cheiro de café é o primeiro impacto bom que o Expedito Cafés com coisas causa nos clientes.

Uma grande variedade de cafés é a qualidade marcante da cafeteria, indo do “Irish Coffe”, com whisky, até o café com caramelo. Os salgados, porém, não diferem muito das demais casas de café da cidade.

O ambiente agradável e as cores das paredes em vermelho e verde contrastando deixam o lugar com um aspecto amistoso. A cafeteria conta com facilidades aos clientes que tornam a estada mais agradável. Paredes com tomadas e entradas de fio Wlan (para internet) facilitam a conexão e deixam os clientes mais relaxados.

As poucas mesas são dispostas de forma que não ficam nem tão distantes e nem tão próximas do balcão. Isso favorece o conforto e garante a privacidade necessária. É possível conversar sem se preocupar em atrapalhar as demais mesas.

A higiene da cafeteria chama a atenção. Até mesmo o banheiro é confortavelmente limpo. As paredes são recheadas de mensagens sobre fé, amizade e vida. Imagens de santos povoam o local, explicando o nome do lugar.

A cafeteria se difere na qualidade do ambiente, criando um lugar calmo e agradável para que as pessoas sintam-se à vontade. Possui um aspecto caseiro e simples, porém, com muito cuidado na atenção das pessoas.

O local, por ser perto da UEPG, aposta em preços acessíveis ao consumo dos jovens, como por exemplo, o pão de queijo custando R$1,50. Existem outras opções mais caras de produtos para consumo, alguns cafés chegando a R$14,50. Por isso o lugar atrai os diversos públicos presentes na região, desde universitários que moram sozinhos até as famílias que moram perto da cafeteria.

Jean Marcel

Serviço:

Expedito Cafés com coisas

Rua Santos Dumont, nº 1520, esquina com a Rua Barão do Cerro Azul

Horário de Atendimento:

Segunda à Sexta: 9h as 18h 30

Sábado: 14h às 18h

25/08/2011

De Mozart a Villa-Lobos

1º Concurso de Música de Câmara de Ponta Grossa homenageia mais velho integrante da Orquestra Sinfônica local

O Conservatório Artístico Musical Maestro Paulino Martins Alves, de Ponta Grossa/PR, realizou, na quarta-feira (24/08), o 1º Concurso de Música de Câmara “Waslau Borkowski”. A competição foi dividida em três categorias: duetos, solo I e solo II. A música de câmara é uma forma de música erudita composta para um pequeno grupo de instrumentos ou vozes.

Na categoria duetos (ou duos, formação com duas pessoas), o primeiro lugar ficou com Leonardo, no clarinete, e Brando Machado, no violão. A dupla se utilizou da variação mais comum de um dueto: dois instrumentos que não sejam o piano (o dueto clássico é formado por um piano e outro instrumento qualquer). Os dois conseguiram uma boa harmonia entre os instrumentos, além de acertarem na escolha (e na sequência) das músicas: “De coração a coração”, de Jacob do Bandolim, e “Flauteando na chacrinha”, de Altamiro Carrilho.

A primeira peça era um pouco mais lenta que a segunda, o que agradou aos presentes. Leonardo também era mais comunicativo que os outros participantes, tanto que sua relação com os espectadores chamou a atenção. O único ponto negativo da apresentação ficou por conta dos instrumentos: o clarinete soou mais alto que o violão, o que dificultou a audição do segundo.

Já na categoria solo I, Lucas ficou com o primeiro lugar. O músico utilizou um violão e se destacou com a peça “Prelúdio nº 5”, de Heitor Villa-Lobos. A música, que mescla passagens lentas com outras um pouco mais aceleradas, arrancou longos aplausos da plateia, além de alguns assovios.

Na categoria solo II, Daniel Marcos, também com um violão, foi o melhor colocado. O músico apresentou duas peças, uma do cubano Leo Brouwer e outra de Heitor Villa-Lobos, e conseguiu uma regressão e progressão de acordes considerável, principalmente na segunda peça.

Rodrigo de Souza

 

Serviço:

1° Concurso de Música de Câmara “Waslau Borkowski”

Promoção: Secretaria Municipal de Cultura e Turismo e Conservatório Artístico Musical Maestro Paulino Martins Alves

Local: Cine-Teatro Ópera

Data: 24/08, 20h

Entrada Franca

Foto: Rodrigo de Souza

25/08/2011

Meio século de fé e radiodifusão no ar

Programa especial da rádio Santana relembra história da emissora

Ao longo de todo o mês de agosto 2011, a rádio Santana AM 900 kHz exibe o programa Especial 50 anos rádio Santana, que vai ao ar aos domingos às 17h. O programa, apresentado pelo jornalista Antônio Celso Moreira, recupera momentos históricos da emissora e revive a época de grandes nomes da radiodifusão princesina, como Iraci Travizani Rosa, Wilson Quintino, Osmar Dias de Oliveira, Dina Silva, Jorge Hebel, entre outros.

Durante uma hora é oferecida ao ouvinte uma viagem no tempo através dos arquivos da emissora. Essa turnê no tempo (histórico) é contemplada pelo clima nostálgico criado pela sonoplastia do programa e a linguagem coloquial utilizada pelo apresentador. A recuperação histórica é o ponto forte dos conteúdos transmitidos, trazendo aos ouvintes momentos preciosos como a crônica do prestigiado jornalista esportivo Fiori Juliot e relatos de Iraja Vargas sobre o programa Super Sequência Santana.

O programa também conta com um momento de entrevista com personalidades que marcaram a História da emissora, como o próprio Iraci Travizani Rosa, um dos pioneiros da Rádio Santana. Contudo, a riqueza desses relatos merece um tempo maior dentro da programação e não apenas 13 minutos em meio a um bate papo.

Parte do tempo é utilizada para depoimento de autoridades como o Governador Beto Richa e o Prefeito Pedro Wosgrau Filho, os quais atrapalham o andamento do programa e poderiam ser utilizadas como breves vinhetas, ou pequenas intervenções ao longo de toda programação e não ocupando parte de um programa dedicado à lembrança de saudosos momentos da história da rádio nos Campos Gerais do Paraná.

Maykon Lammerhirt

Foto: www.plantaodacidade.com.br/Santana/Santanadois.htm

25/08/2011

Hip Hop bem representado na TV

Programa Hip Hop PG expressa força do movimento nos Campos Gerais

O programa Hip Hop PG, exibido na TV Educativa de Ponta Grossa, canal 58 da televisão aberta na Região, fornece ao espectador informações sobre a cultura do movimento Hip Hop. A programação conta com coberturas de eventos, apresentação de trabalhos de dj’s, rappers e b-boys (praticantes de um estilo de dança de rua), mas não se limita ao entretenimento. Notícias relevantes para a comunidade integrante do movimento Hip Hop no Paraná e nos Campos Gerais também são abordadas.

O movimento é parte de uma cultura artística, que surgiu no início da década de 1970 em comunidades afro-americanas de Nova York. Sua base reside em quatro pilares, definidos pelo criador, Afrika Bambaataa: o rap, o djing, a dança de rua (especificamente a breakdance) e o grafite. Aos principais elementos, podem ser agregadas a moda hip hop (que se assemelha em todo o mundo) e as gírias formadas dentro dos próprios grupos.

Com duração aproximada de uma hora, o HHPG é o espaço midiático de representação do Hip Hop de Ponta Grossa, que tem se fortalecido com o ingresso na mídia e sua maior organização por meio da Associação de Hip Hop dos Campos Gerais. O programa é apresentado por Mc’s e rappers, que utilizam recursos linguísticos próprios, sem, no entanto, atrapalhar o entendimento de alguém que não tenha conhecimento das gírias.

O programa ainda possui alguns recursos técnicos amadores. No entanto, em uma análise dos programas anteriores, que se encontram disponíveis no site, é observada uma melhoria constante na produção, na filmagem e no áudio. O site do HHPG ainda conta com mais notícias e uma agenda de eventos, além de um mural de recados que permite interação do público com os apresentadores.

Patrick Inada

 

Serviço:

Programa HIP HOP PG

Canal 58 – TV Educativa (TVE PG)

Todo sábado às 18h

http://www.hiphoppg.com.br

Imagem: Divulgação

25/08/2011

Experiências do dia a dia

 Jornal experimental O Dia traz a cobertura dos acontecimentos de Ponta Grossa

Os alunos do 3º ano do curso de Jornalismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) estão produzindo, neste mês de agosto de 2011, o jornal experimental O Dia. O jornal é semanal, publicado nas quintas-feiras e já teve três edições. A previsão é de apenas mais uma.

A 1ª edição definiu o nome do jornal, as editorias e como ele seria diagramado. Por serem os primeiros, os alunos enfrentaram alguns problemas, principalmente na diagramação. O Dia é todo em preto e branco e impresso em tamanho 22x31cm (tablete, equivalente a uma folha A3 dobrada, frente e verso). As fotos ficaram um pouco escuras e a fonte usada para indicar a editoria e página da matéria ficou ilegível. As matérias publicadas trazem assuntos do cotidiano, educação e esportes. O destaque foi para a cobertura dos acontecimentos factuais, seguindo assim a proposta de experimentar fazer um jornal diário. A edição experimental teve tiragem de 500 exemplares e foi distribuída entre os acadêmicos e nos arredores da UEPG.

Já a 2ª edição do jornal O dia teve tiragem de um mil exemplares e, pela capa, nota-se uma grande diferença em relação à edição anterior. A primeira alteração drástica foi a fonte utilizada. Os textos ficaram legíveis e melhor distribuídos, além de chamar mais a atenção do leitor. A utilização de fotos mais claras também foi outra diferença. Na editoria ‘Opinião’, a distribuição dos textos em colunas confunde a leitura, já que não há um espaçamento para ‘alertar’ onde o texto termina. A editoria ‘Cidades’ foi substituída por ‘Política e Economia’, e usou de um recurso pouco utilizado nos jornais, que é a tabela para complementar a matéria.

A proposta de fazer um jornal diário foi bem cumprida pelos acadêmicos de Jornalismo da UEPG. Mesmo com alguns erros de digitação e diagramação, a 2ª edição fez algumas mudanças e conseguiu deixar O Dia mais interessante para os leitores. A terceira edição do impresso circulou na última quinta-feira, 25 de agosto/11.

Melissa Eichelbaun

Serviço:

Jornal O Dia

Edição: Agosto, ano 2011, nº 1 e 2

Produção: alunos do 3º ano de Jornalismo da UEPG

Professora responsável: Paula Melani Rocha

Impressão: Gráfica da UEPG

Distribuição gratuita

Foto: Melissa Eichelbaun

25/08/2011

O rio de águas vermelhas está desbotado

Obra sobre o Rio Pitangui, que significa rio vermelho em Guarani, mantém atualidade

Dia 14 de setembro faz um ano do lançamento do livro ‘Pitangui, rio de contrastes: seus lugares, seus peixes, sua gente’. Organizada por Ana Maria Gealh, Mário Sérgio de Melo e Rosemeri Segecin Moro, a obra conta com a participação de vários profissionais divididos em oito diferentes áreas da biologia, geografia e história.

Em 199 páginas, os autores buscaram mostrar a situação atual da bacia do Rio Pitangui, que nasce em Castro e deságua no Rio Tibagi, em Ponta Grossa. ‘Pitangui’ ganha nesse aspecto, já que, junto com cada explicação existem tabelas, infográficos, imagens e ilustrações que ajudam o leitor a compreender melhor o assunto. Em contrapartida a obra está cheia de termos científicos pouco conhecidos.

Para os estudantes, o livro é a condensação de aulas de biologia, geografia, história e química. Isso porque antes de os autores falar de fórmulas complicadas que compõem as águas e poluentes, as substâncias são explicadas uma por uma, com os índices toleráveis e sua importância naquele meio. Os fatores de poluição também são mostrados e comprovados através de inúmeras pesquisas trazidas pela obra. Como complemento, fotos dos peixes dissecados estampadas em algumas páginas demonstram o quanto a poluição faz mal aos animais e à população que os ingere.

O livro traz um resgate histórico do rio Pitangui, mostrando o que ele representou na vida de determinadas pessoas, e finaliza com imagens para conscientização. Primeiro com gravuras bonitas para demonstrar que ainda há esperança para o rio. Depois, fotos da poluição com frases provocativas como: “nem tudo que é verde faz bem ao rio”, em referência às árvores que não são nativas e provocam a erosão do solo. A obra é a representação do rio, aliada à sustentabilidade e educação ambiental.

Adrian Delponte

Serviço:

Livro – Pitangui, rio de contrastes: seus lugares, seus peixes, sua gente

Editora UEPG

Preço – R$ 31,85

Foto: Adrian Delponte

25/08/2011

O riso na morte

O diretor que conseguiu criar um lugar onde passar por alguém estendido no chão não faz diferença

Os filmes de Alfred Hitchcock sofrem influências aparentes do surrealismo. Em “O terceiro tiro” (The Trouble With Harry) não é diferente. Porém, ao contrário dos outros filmes do ciclo, em vez dos absurdos do sinistro, abusa-se do humor fantasioso para incrementar o suspense.

No decorrer do enredo não é explícita nenhuma sátira ou crítica social, apenas as felizes e infelizes coincidências do dia a dia. O humor negro é codificado nas frases sutis e impiedosas de todos os personagens. Como, por exemplo: “da próxima vez que for matar alguma coisa atenha-se ao coelho. O corpo é menor.”

A época do filme (1955) é marcada pela trilha sonora bem explorada. Parece que os agudos e compassos lentos e ligeiros estão atrelados aos movimentos do personagem em cena, algo que diverge das produções atuais. Os cenários estáticos e as cores do espaço também são valorizados. Quem assistiu ao filme, e algum dia passar por árvores de folhagem verde claro e laranja, logo recorda da paisagem de Vermont (Nova Inglaterra), local onde se passa a história.

A incógnita sobre a morte de Harry é o que costura toda a trama, e até a solução parece imaginação. As ações dos personagens são tão irreais e inconsequentes que chega a dar vontade de entrar no filme para impedi-las… Como nas cenas em que o defunto é enterrado e desenterrado incontáveis vezes ou nas ideias absurdas para justificar a morte do sujeito.

As histórias de um senhor que só queria fazer um ensopado de coelho, de um menino se divertindo com uma espingarda, da mãe se livrando do passado, de uma senhora que voltava das compras e de um artista em busca de uma nova inspiração se cruzam, comprometendo umas às outras. E, como é comum nos filmes de Hitchcock, as vidas nunca mais voltam a ser as mesmas depois das provações a que são colocados os seus personagens.

Maria Fernanda Teixeira

 

Serviço:

Filme: O Terceiro Tiro (The Trouble With Harry)

1995

Diretor: Alfred Hitchcock

Tempo: 99 min

Tela Alternativa 23/08/2011

Foto: Divulgação

22/08/2011

‘Semana Modelo’ do Crítica de Ponta

Esta semana o Crítica de Ponta serve de modelo para próximos edições. As nove editorias foram contempladas, os objetos foram interessantes e as críticas produtivas. Embora com alguns erros que ainda persistem, como uso de adjetivos e envolvimento do autor com o objeto, observados na crítica da editoria Vitrola; e uma profetização – como afirma a crítica de Projetor, no qual o filme será um “clássico contemporâneo” – a semana foi boa para o blog.

Quem mora em Ponta Grossa sabe da falta de eventos teatrais por que passa a cidade em algumas épocas do ano. Neste quesito, a semana ajudou o blog, fornecendo uma apresentação como objeto de crítica. O único deslize do texto foi o uso de termos geralmente associados ao cinema e que talvez fossem desconhecidos pelos leitores, como “trash”. Uma rápida explicação entre parênteses do que é e como se aplica à quinta arte, não prolongaria o texto. Este é um erro corriqueiro: o crítico não se lembrar de que nem tudo o que escreve é de pleno conhecimento do leitor. Ombudsman anterior já tocou nesse quesito.

Os objetos também são interessantes. Na editoria Antena, a crítica sobre o Jornal Agropecuário (da rádio Sant’Ana) é “pertinente”, como diz o próprio título da matéria. Como único radiojornal com este público na cidade, não poderia passar despercebido pelo Crítica. A crítica de outros giros também é interessante. Agora, não destacando um bom lugar, mas o oposto. Com um ar de matéria de denúncia (pela má conservação da praça), a crítica não deixa de orientar o leitor sobre mais um espaço em Ponta Grossa, Esta é exatamente a finalidade da editoria.

Quanto aos textos, houve um avanço. Tirando as pontualidades, como citadas no início deste, as críticas prezaram mais argumentação do que pela descrição. Ainda, foram bem equilibradas, na maioria das matérias. A editoria Livro Aberto contou com um objeto interessante, e o texto, mais descritivo, surte o interesse do leitor pela obra. A única editoria que ficou fora do foco dos Campos Gerais foi ‘Na Tela’, na qual não há uma clara ligação com a região que se destina o blog. Tirando os poucos erros, o Crítica já pode ter uma “Semana Modelo”. E como todo modelo, o melhor é avançar.

Leonardo Barretta