Archive for Dezembro, 2010

03/12/2010

Um espaço de lazer em Oficinas

 

            A praça Simão Bolívar fica localizada na região de oficinas, bem próxima ao terminal do bairro. O espaço conta com um “parquinho” para as crianças e uma quadra de esportes. A praça é bem cuidada, têm muitas árvores e lota em fins de semana, desde que tenha tempo bom. Para usar a quadra é necessário autorização do funcionário (servidor municipal) que presta serviços na praça.

            O local não é muito seguro, os brinquedos ficam distantes da rua, mas nas proximidades o tráfego de carros é intenso, pois a praça fica entre a Avenida Visconde de Mauá e a rua Dom Pedro I, que tem grande circulação de ônibus. Não existem placas indicando ou alertando motoristas que ali existem crianças brincando. A iluminação da praça é boa, mas a quadra apresenta problemas. Não existe mais a rede atrás das traves. Porém, isso não impede o futebol de final de tarde.

            O que era para ser um módulo policial, no local, se tornou uma banca de distribuição de sanduíche, do projeto da prefeitura “Uma moeda por um sanduíche”, que funciona de segunda a sexta. E quando não é o sanduíche, taxistas usam a área como ‘ponto’. Existe ainda uma pequena banca de revistas/jornais na praça. Durante a noite um trailer de lanche fica estacionado ao lado da quadra. O ambiente é bom, tem mesas e cadeiras para quem quer comer e ver o movimento da avenida, mas não tem proteção contra a chuva. O trailer funciona quase todos as noites, exceto aos domingos.

            Apesar de apresentar alguns problemas, os brinquedos estão bem conservados, o local é limpo e na região é o parque com mais espaço e árvores. E, em dias quentes, como a cidade registra a partir de outubro, sempre tem um senhor vendendo sorvete no local. Para passar o tempo, quem se interessar, pode comprar uma revista e até comer um sanduíche por uma moeda. O problema da praça é que a segurança fica em segundo plano.

 

Rafaela Serrato

 

Serviço:

Praça Simão Bolívar.

Rua: Visconde de Mauá/ Oficinas – Próximo ao Terminal Oficinas.

Fotos: Larissa Silvestre

03/12/2010

Muito sangue em busca do filho perfeito

            Continuação de “À meia-noite levarei tua alma” (1963), o filme “Esta noite encarnarei no teu cadáver” (1968) não foge às obras de José Mojica Morins, mais conhecido como Zé do Caixão. O protagonista, Zé do Caixão, é  também diretor do filme. O enredo é bem construído e prende a atenção dos espectadores: espera-se o final para saber se ele vai conseguir o “filho perfeito”, nascido do “homem perfeito”, ele, e da “mulher perfeita”, que Zé busca durante boa parte do filme.

            A obra é bastante ousada para a época, ao ponto de sofrer censura da última (do filme) cena que precisou ser regravada com mudanças no roteiro. Durante a apresentação do sábado, 27/11/10, no Cine Teatro Ópera, Centro de Ponta Grossa/PR, arrancou risos da platéia. O filme também funciona como crítica social, e discute temas que ainda são cercados de certo tabu, como a morte, cemitério e as crenças humanas. Pela mudança da última cena, onde Zé morre, dizendo acreditar em Deus, a impressão é de impacto e lição de moral, sugerindo que a intenção do filme era mostrar que Deus é a verdade e quem não acredita e zomba de seu poder, como Zé faz durante as cenas, não terá salvação.

            O filme é quase todo em preto e branco, exceto a parte em que Zé do Caixão vai para o inferno. As cenas passadas no inferno são coloridas, com cores quentes e fortes. Passa-se ao público a idéia de um inferno vivo, não descolorido como o mundo terreno. As crenças (ideológicas) do diretor ficam claras na obra. E o próprio José Mojica parece estar atrás da personagem Zé do Caixão.

            Produzido cinco anos depois do primeiro filme da trilogia, “Esta noite encarnarei no teu cadáver” foi filmado com três vezes mais recursos. Mesmo assim, o filme provoca um choque no público que está acostumado com as tecnologias do novo cinema tridimensional. O último filme da trilogia, “Encarnação do Demônio”, foi gravado 20 anos depois, em 2008.

 

Jessica Bahls

 

SERVIÇO:

Filme: “Esta Noite Encarnarei no teu Cadáver”

Ano: 1968

Exibição: Projeto Cine-Arte, 27 de novembro, às 17:00 horas

Local: Cine-teatro Ópera – Auditório B

Entrada Franca

01/12/2010

Um pouco de pop rock nacional na festa alemã

A banda Hori fez a abertura da XXI München Fest de Ponta Grossa. O show aconteceu no Centro de Eventos da cidade na noite de sexta-feira, 26 de novembro de 2010. O grupo é formado por cinco integrantes, porém o vocalista é o destaque. Filho do cantor Fábio Júnior, Fiuk já fez uma novela Global e, portanto, é mais conhecido como “Fiuk” do que apenas um integrante da banda Hori.

É notável a preferência do público pelo vocalista, pois ao anunciarem a apresentação chamavam mais vezes por “Fiuk” do que por banda Hori. O estilo do grupo é pop rock e seu público é composto, predominantemente, por adolescentes. As músicas mais famosas, temas da novela Malhação (TV Globo), foram tocadas no show. O vocalista tentou tocar bateria em um momento, porém indicou não dominar o instrumento, levando em consideração que não acompanhou o ritmo dos outros integrantes.

Embora seja um sucesso entre o público mais jovem, Fiuk não demonstra uma afinação que seja digna de seu sucesso. Talvez o fato de ser filho de um cantor famoso tenha ajudado neste rápida projeção no cenário musical. O que poderia explicar o seu sucesso individual dentro de uma banda, onde os outros integrantes aparecem como meros coadjuvantes. Ao longo do show o vocalista se torna pedante, ou até inconveniente, por dizer inúmeras vezes o quanto ama sua platéia. Como se seu sucesso dependesse da sua declaração de amor, exagerada, pelo público e não por seu talento.

 

Janaina lellis

 

Serviço

Banda: Hori (Fiuk – voz, Max Klein – Guitarra e voz, Renan Augusto – Guitarra e voz, Fê Campos – Baixo, Xande Bispo – Bateria)

Evento: XXI München Fest de Ponta Grossa – PR

Data: 26 de novembro de 2010

Entrada: Inteira R$ 15 e R$ 7,50 meia

01/12/2010

Estilo de Vida evoluindo na TVM



            O programa ‘Estilo de Vida’, transmitido pela TVM no sinal a cabo de Ponta Grossa, é um programa de variedades que, timidamente, demonstra um cunho religioso. Apresentado por Solange Leminski e o reverendo Netto, o programa vai ao ar todas as sextas-feiras, às 20h, sendo reprisado durante a semana.

            Apesar de possuir um pastor presbiteriano como um dos apresentadores, ‘Estilo de Vida’ não é um programa cristão comum. Ao contrário de outros da mesma vertente, a maioria de suas matérias não abordam temas cristãos explícitos. Comentários entre as reportagens dão ritmo ao programa e evidenciam as opiniões dos apresentadores. Muitas vezes, convidados também participam desses bate-papos. O telespectador também interage através de mensagens de texto enviadas à produção do programa.

            É na hora dos comentários, citando versículos e passagens bíblicas, que a vertente religiosa do programa aparece. As músicas de fundo, geralmente de cantores cristãos como André Valadão, ajudam a reforçar o que aparentemente é o propósito do programa.

            No início, era transmitido ao vivo. Durante este período podiam ser notados alguns pequenos erros dos apresentadores. Após algum tempo o programa passou a ser gravado. Hoje, Solange e Netto aparentam ter mais firmeza e confiança para guiar o programa, melhorando a qualidade das apresentações.

            O cenário simples proporciona um maior destaque para a postura dos apresentadores e os temas abordados. Pelo foco nos apresentadores ser grande, é difícil o telespectador não ser atrapalhado pela quantidade de publicidade ao longo do programa, quebrando o seu andamento.

            Mas, desde as primeiras gravações é possível verificar uma evolução na qualidade do programa como um todo. É claro que sempre há o que melhorar e, se o ‘Estilo de Vida’ continuar assim, estará seguindo pelo caminho certo.

 

Lucas Waricoda

Serviço:

Programa: Estilo de Vida

Canal 14

Transmissora: TVM

Data e horário: Toda sexta-feira, 20h

 http://www.redetvm.com.br/