Posts tagged ‘Edgar Ribas’

07/11/2012

“Do primeiríssimo caco até a última deixa”

Imagem

40ª edição do Festival Nacional de Teatro (Fenata) tem abertura com cordel, homenagens e espetáculo inovador

Edmilson Santini, às 20h e 10 minutos, deu início à quadragésima edição do Fenata. O auditório principal do Cine Teatro Ópera ainda não se silenciava quando o ator, vestido em trajes nordestinos, declamou o cordel que conta a história do Festival. Com as luzes acesas, Edmilson que, em alguns momentos derrapou no texto, interagia com o público, que ocupava boa parte dos lugares. Apesar de o evento ter caráter nacional, o questionamento fica por conta da não utilização de aspectos da cultura local, além, dos breves versos que tratam o cenário princesino, como em “Paraná pra UEPEGÊ… UEPEGÊ-Paraná!”.

Após o cordel, que durou cerca de 10 minutos, deu-se início aos discursos da organização, agradecimentos aos patrocinadores e homenagens às pessoas que foram importantes na efetivação do evento. Com certos exageros e delongas, o público fora deixado de lado e permanecia inquieto à espera do espetáculo.

A peça, de Cleide Piasecki, intitulada Blow Elliot Benjamin, começou com 30 minutos de atraso, algo costumeiro na cidade e que não deveria se repetir.  Em uma narrativa não-linear, 10 atores/dançarinos retratam seis histórias baseadas em acontecimentos do cotidiano e, que ao longo do enredo, estabelecem uma ligação. Alternando momentos de drama com comédia, é possível perceber junção entre texto e música. Muito por conta da variedade na composição do repertório, que intercalava canções famosas, versões instrumentais e de diversos ritmos, com a narração da obra.

Imagem

Foto: Maria Luisa Cerri / Lente Quente

Mesmo com pequenos erros de sincronia, os atores demonstravam maturidade e segurança. O palco era bem aproveitado, pois enquanto desenrolava-se a cena principal, outros atores criavam um ambiente secundário ao espetáculo.

O cenário, que remontava Londres, variara durante toda a apresentação e era substituído pelos próprios atores, principalmente, em cenas com música. A troca de figurino também era feita no tablado e em alguns momentos podiam-se observar peças de outras cenas. Além disso, o jogo de luzes colaborou com a essência da trama.

Após pouco mais de 70 minutos de peça, a plateia aplaudiu em pé e revelou não estar ‘fechada’ no que diz respeito a uma nova maneira de fazer teatro. Vale destacar a adesão de poltronas numeradas ao Festival. A novidade proporciona maior comodidade e, ao que tudo indica, contribuirá para a diminuição das filas e dinamizará o acesso ao Cine Teatro Ópera.

Edgar Ribas

Serviço:

Peça: Espetáculo Blow Elliot Benjamin

Direção: Cleide Piasecki

Grupo: G2 Cia de Dança – Centro Cultural Teatro Guaíra

Cidade: Curitiba – PR

Duração: 70 minutos

Classificação: Livre

Anúncios
Etiquetas: ,
04/10/2012

Sábado de sol e música em Ponta Grossa

Variedade de estilos e falta de entrosamento entre os músicos marcaram a apresentação musical da 1ª Feira Cultura Plural

            Na comemoração do primeiro ano do site Cultura Plural, Karina Chichanoski e Anna Flávia Maluf foram as responsáveis por entoar diversos sucessos da Música Popular Brasileira durante o evento realizado na manhã do sábado, 29/09, em frente à Concha Acústica, na Praça Barão do Rio Branco, centro de Ponta Grossa. No repertório, composições de Dominguinhos, Paralamas do Sucesso, Tim Maia, Gilberto Gil e Jorge Ben Jor.

            Sem acompanhamento de banda e com arranjos simples de voz e violão, a dupla intercalava as canções entre exibições e outras participações da Feira. Merece destaque a escolha de duas vozes femininas, pouco comum em apresentações acústicas, pois leva um ar leve e sutil às interpretações e, raramente, são utilizadas em eventos.

            No entanto, os erros de execução e afinação foram constantes durante todo o ‘show’. Ficava evidente a falta de entrosamento, ensaio e experiência das garotas. Além disso, era possível notar o nervosismo durante as primeiras canções. A estrutura oferecida aos músicos também deixou a desejar, apenas dois microfones foram cedidos, o que prejudicou tanto na captação do som do violão, que falhou em alguns momentos, como da segunda voz.

A interação com o público não existiu e, em raros momentos, pode-se ouvir aplausos dos espectadores durantes as músicas, como forma de acompanhamento e incentivar a dupla.A Iª Feira Cultura Plural contou também com apresentações de futebol freestyle e grupo de Taiko, exposição de fotografias, roda de capoeira e outras manifestações artísticas. Estima-se que um público acima de 100 pessoas tenha visitado o evento.

Edgar Ribas

Serviço:

1ª Feira Cultura Plural

Realizada no dia 29/09/ entre às 10h e 12h30

Em frente à Concha Acústica, Praça Barão do Rio Branco

01/09/2012

Sabor da Itália próximo a você

Capitão Caverna’ busca, de maneira pioneira, a apreciação do prato italiano em Ponta Grossa


Há menos de dois anos na cidade, a pizzaria seduz o público com originalidade no cardápio e a procura por padrões da verdadeira pizza italiana. Localizada na Rua Conrado Ramos, no Jardim Carvalho, a ‘Capitão Caverna’ traz no menu 25 opções de escolha, que se dividem entre as tradicionais e especiais. Destaque para o nome dado a algumas pizzas, em alusão ao período das cavernas, pode-se encontrar a Homo Sapiens, Homo Ergaster e a Homem de Neanderthal.

Diferente do que é feito em outros estabelecimentos da cidade, a pizzaria segue os padrões da verdadeira pizza italiana – regulamentada pela Associazione Verace Pizza Napoletana -, onde deve ser feita apenas com farinha, fermento natural ou leveduras de cerveja, água, sal e pode somente ser trabalhada com as mãos, sem uso de rolos, por exemplo.

Foto: Divulgação

Com apenas dois tamanhos: 25cm e 35cm, o local não traz tanta variedade e opções de escolha. Os preços são pouco atrativos, variam entre R$ 16 e 35 R$ para as menores, e R$23 reais e 50 R$ para as maiores, e no pedido só é possível escolher mais de um sabor na pizza maior. Dessa maneira, a preocupação com os padrões exclui determinados públicos que buscam diversidade no tamanho, ao mesmo tempo em que atrai pessoas que visam o diferencial.

No salão, inaugurado há quase três meses, não existe a opção rodízio, apenas o serviço a La Carte. Também é possível observar como os produtos são feitos e a massa chega com certa rapidez. Ao contrário do que ocorre quando o pedido é feito através do disk-entrega, que em dias de maior movimento, como finais de semana, pode demorar 1 hora.

Edgar Ribas

Serviço:
Pizzaria Capitão Caverna
Rua Conrado Ramos, 400
Telefone (42) 3027 – 3232
Website: http://www.capitaocavernapizzeria.com.br/

03/08/2012

Batman e o último vôo do morcego

Christopher Nolan satisfaz fãs e se despede da franquia com um desfecho de trilogia magistral

Em O Cavaleiro das Trevas Ressurge, Christopher Nolan, encerra a trilogia de maneira impecável. Iniciada em 2005 com Batman Begins, seguido de O Cavaleiro das Trevas em 2008, a saga do personagem criado por Bob Kane mostra um tratamento mais maduro dado ao Batman.

O filme poderia estar fadado a um final sem impacto e brilho de seu antecessor, levando em conta a atuação imortalizada de Heath Ledger como Coringa e os desfechos infelizes de algumas trilogias atuais. No entanto, isso não ocorre e Nolan, ao escolher o vilão Bane (Tom Hardy) – não menos aterrorizante que Coringa -, consegue administrar o enredo sem se apegar aos inimigos mais óbvios.

A história se passa oito anos após a prisão do Coringa e a morte do promotor público Harvey Dent (Aaron Eckhart). A cidade vive momentos de paz, Bruce Wayne (Christian Bale) e Batman permanecem reclusos, enquanto o comissário Gordon (Gary Oldman) carrega em sua carreira solitária a mentira construída por ambos sobre quem era o verdadeiro herói de Gotham City.

Destaque para as atuações de Anne Hathaway como mulher gato (mesmo sem ser chamada assim em nenhum momento), de Joseph Gordon-Levitt como o policial Blake e Christian Bale em sua melhor atuação como Batman. Vale ressaltar que Joseph Gordon-Levitt, Tom Hardy e Marion Cotillard já trabalharam com Nolan em outras produções do diretor.

Tão impactante quanto o silêncio na luta entre Batman e Bane – onde se ouvia apenas barulhos de socos e ossos quebrados -, é a trilha incessante de Hans Zimmer; o compositor utilizou mistura de música orquestral com instrumentos e efeitos eletrônicos.

 Edgar Ribas

Serviço:

Gênero: Aventura, Ação

Duração: 165 min.

Distribuidora: Warner Bros

Horários: Shopping Total – (legendado): 12h20 – 15h30 – 18h35 e 21h40

Shopping Palladium: 14h00 – 17h00 – 17h30 – 18h30 – 20h – 20h 30 e 21h30

21/06/2012

Nem mais, nem menos: suficiente

Música que abriu festival de 2012 não transmitiu emoção que o público esperava e ficou fora da etapa nacional

Foto: Lente Quente/Giovana Paganini

 

Às 20h e 20 minutos, na noite da quarta-feira, 20/06, o auditório principal do Cine Teatro Ópera silenciava-se à espera da música que inauguraria o 25º Festival Universitário da Canção (FUC). No palco, o trio comandado por Gilson Rocha tinha em mãos a responsabilidade de abrir o evento e levar ao público, que saira de casa em um dia frio, chuvoso e preenchia boa parte dos lugares, a emoção que todos esperam do festival.

Sem acompanhamento da banda do evento e com um arranjo simples de vozes e violão, o trio fez o básico para garantir os aplausos da plateia ao final da apresentação. Nada de mais. A música ‘Olhares’ pouco prendeu a atenção do público, talvez pela postura dos integrantes no palco. Tímidos e nervosos, características de músicos jovens, que não fazem parte do ‘circuito de festivais’ e não tem a malícia que só o tempo traz, não conseguiram transmitir a emoção presente na letra.

Os 13 versos entoados em três minutos de música tem uma história interessante: foram compostos por Gilson Rocha, Estefane Bonin e Bárbara Mainardes, durante um trabalho para a disciplina de Teoria e Percepção, na grade do segundo ano de Licenciatura em Música pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Como o resultado em classe fora satisfatório, o gurpo trouxe a composição para o FUC.

Ainda no que diz respeito a letra, os versos “Dentre mil olhares só o seu/ Não quero que fales que sou teu/ Basta olhar pra mim”, assim como toda a música, seguiram a linha romântica do dia, também notada nas canções ‘Por onde for’ e ‘Deusa da beleza’.

Um arranjo melhor elaborado, utilizando uma base instrumental mais rica seria interessante, pois ajudaria os músicos a não ficarem tão expostos no que diz respeito à afinação. Após o show “Mistura Boa”, com a participação de Álvaro Bueno e grupo Sua Voz, no término da primeira noite, foram anunciados os vencedores, e o trio, ficou de fora da disputa na etapa nacional do evento e sequer entrou na lista do Júri Popular.

Edgar Ribas

Serviço:

Canção: Olhares

Música: Estefane Bonin e Bárbara de Sá Mainardes

Letra: Gilson Rocha

Duração: 3:00 (min)

08/06/2012

Mais que uma partida de futebol

Jogos Jurídicos Estaduais e Engenharíadas unem esporte, música, diversão e preocupação social

O feriado de Corpus Christi leva cerca de 400 acadêmicos a representar a Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) nos Jogos Jurídicos Estaduais em Guarapuava e nas Engenharíadas, em Umuarama. Os jogos, tradicionais no circuito universitário, buscam além da prática esportiva, integrar os participantes com festas e diversão. Na programação, muito semelhante em ambos, os shows de Marcelo D2, Art Popular e Bonde do Tigrão.

No entanto, o interesse por esses jogos não se reflete nas competições oficiais organizadas pela Federação Paranaense de Desportos Universitários, como as Olimpíadas Universitárias e os Jogos Universitários Paranaenses (JUP’s). O que não dá pra admitir para o porte e potencial da universidade é levar cerca de 10 atletas para representar a instituição, como aconteceu no ano passado.

Como o número de participantes deve ficar próximo aos dez mil, os segmentos mais beneficiados serão o hoteleiro, gastronômico e o de transportes. O aumento nos preços da alimentação e bebidas é evidente e comum nas praças que recebem as atividades. Os jogos contam com mais de 15 modalidades, que vão desde o futebol e handball até o xadrez. Ponto positivo para a preocupação com a responsabilidade social, que não é deixada de lado pela organização dos eventos. A doação de um quilo de alimento por noite é obrigatória, e estima-se que serão arrecadadas 20 toneladas que beneficiarão entidades de Guarapuava e Umuarama. Além da UEPG, a atlética da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) representa a cidade nos jogos.

Edgar Ribas

Fotos: Divulgação

Serviço:

Jogos Jurídicos Estaduais – de 7 a 10 de Junho – Guarapuava

Engenharíadas – 7 a 10 de Junho – Umuarama

Outras informações: http://www.jogosjuridicos.com/ e http://www.engenhariadaspr.com.br/

18/05/2012

Viagem pela informação sem sair do sofá

Mensalmente, revista Panorama do Turismo traz ao leitor conteúdo de diferentes ambientes sulistas

 

A proposta da revista Panorama do Turismo é levar ao público um conteúdo centrado na atividade turística. Em seu sétimo ano, a edição número 84 traz uma matéria especial sobre a Itaipu e foca nos pontos e espaços turísticos dos três estados sulistas.

Com linguagem simples e direta, temas como gastronomia e hotelaria são recorrentes nas 24 páginas da revista. No entanto, algo que chama a atenção é o fato das matérias gastronômicas darem destaque à pizza e não à culinária tradicional do sul, como o barreado, churrasco ou o arroz-de-carreteiro.

Apesar da publicidade presente em quase todas as páginas, a disposição gráfica é bem feita. A edição utiliza fotos e cores que atraem o leitor. Porém, é preciso atentar para a capa, que poderia trazer mais informações sobre o conteúdo interno.

Foto: Dilvugação

A matéria ‘Hidrelétrica de Itaipu também gera emoções’ cumpre seu papel e trabalha não só explicando a área, como mostra os atrativos e contextualiza o tema, deixando a leitura dinâmica. ‘Pés no chão, olhar para o alto’ tem um enfoque interessante ao mostrar as particularidades artísticas no topo dos prédios e templos históricos de Curitiba. Contudo, poderia ter sido melhor explorada e não restrita a três pequenos parágrafos. Já ‘Ponta Grossa preserva patrimônio histórico’ foge da realidade. Tirando alguns pontos, o que se vê na cidade é o descaso, melhor ilustrado pelo Cine Império.

Além dos 10.000 exemplares distribuídos gratuitamente em hotéis, postos de informação turística e outros locais, a revista pode ser encontrada no formato digital e pdf.

Edgar Ribas

Serviço:

Revista Panorama do Turismo

Edição 84/2012

www.panoramadoturismo.com.br

Editor e Jornalista responsável: Júlio Cézar Rodrigues

27/04/2012

Acima de tudo, pelo bem da cultura

Festival Literário oferece perspectiva de novos olhares à cultura de Ponta Grossa e região

   Na programação do Festival Literário Internacional dos Campos Gerais (Flicampos), palestras e debates com escritores de renome nacional e internacional, atividades que envolvem restauro de obras bibliográficas e oficinas de história em quadrinhos prometem atrair um bom público e impulsionar a produção literária local. O evento agrega as atividades da 26ª semana da cultura Bruno e Maria Enei e resgata a 4ª feira do Livro de Ponta Grossa, que não acontecia desde 2004.

Foto: Divulgação

   É consenso que Ponta Grossa, cidade com mais de 300 mil habitantes, necessitava de uma Feira do Livro. Não apenas por fatores econômicos e fortalecimento político, e sim, para estimular um hábito, criar uma ‘cultura de leitura’, que falta em solo princesino.

   Dessa maneira, vale destacar que o evento trabalhará com temas bastante discutidos na sociedade atual, como o das novas tecnologias, ao abrir espaço para mostras de linguagens digitais para o livro e leitura. A exposição de artes plásticas para deficientes visuais é outro ponto a ser lembrado. No entanto, alguns cuidados devem ser tomados, como chão com marcadores de madeira que permitem melhor orientação ao deficiente visual e monitores sempre disponíveis.

   Como a feira contará com grupos volumosos de estudantes, é preciso realizar um trabalho educativo direcionado a tal público para evitar que o espaço de conhecimento e de promoção do ato de ler perca o propósito e vire um ‘alvoroço’. O festival acontecerá em diversos espaços da cidade e espera-se que sirva também como ambiente para socialização entre os interessados.

 Edgar Ribas

Serviço:

Dias 01 e 06/05 – das 14h às 21h30

De 02 a 05/05 – das 08h30 às 21h30

Entrada Gratuita