Posts tagged ‘Flicampos’

13/09/2013

O festival como pauta ‘perdida’

selo flicampos

Mesmo importante para cidade, Flicampos não fica nas prioridades da mídia televisiva local

       O II Festival Literário Internacional dos Campos Gerais (Flicampos), tem uma programação completa naquilo que se propõe. Lançamento de livros, revistas, oficinas e contação de histórias fazem parte da agenda do evento que acontece até domingo (15/9). Porém, não era esperado que o evento não contemplasse em nenhum momento a televisão.

       O festival – que pela primeira vez acontece no Complexo Cultural Jovani Pedro Masini – foi divulgado pela imprensa local, inclusive no canal filiado a Rede Globo, RPCTV. Em reportagem da terça-feira (10/9), a emissora abordou as percepções de quem frequentou o espaço do evento.

      A emissora fez apenas uma reportagem sobre a Flicampos, o que dificulta a divulgação de um evento com ampla agenda de atividades. O espaço mostrado na reportagem focou no incentivo da literatura para crianças e não no ambiente como espaço para todas as idades. Passando a impressão de que o Festival seria voltado para um determinado público, o que não acontece.

Foto: João Henrique de Santos Souza/ Lente Quente

Foto: João Henrique de Santos Souza/ Lente Quente

     Outro foco dado pelo repórter Flávio Bernardes, na referida matéria da RPCTV, foi o lado comercial da feira, um “impulso para o mercado editorial da região”. Mas ao visitar alguns estandes de livrarias no festival, constata-se que os preços são os mesmos encontrados na prateleira de um shopping, ou loja convencional, o que não parece ser um grande incentivo a comparecer a feira.

      Até o término da feira aproximadamente 60 mil pessoas devem passar pelo evento e, até o fim, espera-se que haja coberturas locais mais completas relacionadas ao Flicampos.

Aline Czezacki

 Serviço:

RPC TV – Canal 7

Paraná TV 1º edição

Paraná TV 2º edição

Vídeos das edições anteriores no site: http://redeglobo.globo.com/rpctv/

Anúncios
13/09/2013

Maria Fumaça e as memórias em preto e branco

selo flicampos

Livro infantil lançado na II Flicampos resgata história do Operário Ferroviário de Ponta Grossa

        O livro Operário e Operarianos, do Dr. Ângelo Luiz De Col Delfino, foi lançado no II Festival Literário Internacional dos Campos Gerais (Flicampos). A obra é destinada ao público infantil e possui 24 páginas. Apenas 17 páginas com textos curtos, o que facilita a leitura para o público alvo. O livro contra, através da personagem da Maria Fumaça, um pouco da história do time Operário Ferroviário de Ponta Grossa (OFEC).

       O livro é rico em ilustrações, feitas por Élio Chaves. Comparado aos outros livros infantis, com mais recursos visuais (pop ups, sons, dobraduras), esse pode não ser tão atrativo pelo formato simples, porém se diferencia pelo tema. A obra possui valor para a cultura local, pois incentiva as crianças a se interessar pela história da cidade.

Foto: Marcela Ferreira

Foto: Marcela Ferreira

       A maneira como Defino, através da Maria Fumaça, descreve a história do Operário Ferroviário é bastante simples e didática, própria para o público almejado. Porém usa termos incomuns no gênero infantil. Estes são explicados em uma página no final do livro, intitulada “Saiba mais”.

       Outro aspecto que chama atenção é o final do livro, quando a personagem faz o convite para que as crianças conheçam a Maria Fumaça, que fica no Parque Ambiental, centro da cidade. Isso faz as crianças entenderem melhor o valor histórico do patrimônio e as aproxima daquilo que está sendo dito. Além disso, Defino explica o que significam alguns símbolos do time, como o brasão, as cores e o fantasma. Desse modo, o preço do livro pode ser considerado acessível, pela qualidade e valor cultural.

Marcela Ferreira

 Serviço:

O livro pode ser adquirido na II Flicampos, pelo valor de R$ 15,00.

Editoria: estrategium

Cidade: Ponta Grossa

Ano: 2013

Número de páginas: 24

13/09/2013

Criançada preparada para o show da alimentação

selo flicampos

Estudantes de Nutrição cantam sucessos da atualidade para alertar sobre alimentação saudável

         Entre muitas apresentações de vários gêneros exibidas na II Feira Literária dos Campos Gerais (Flicampos) uma delas incentiva hábitos alimentares mais saudáveis entre as crianças de escolas da cidade. Os alunos do último ano do curso de Nutrição do Centro de Ensino Superior dos Campos Gerais (Cescage) apresentaram um número musical educativo para as crianças que visitavam a feira, na terça-feira (10/09).

        A música apresentada era uma paródia do “Show das Poderosas”, da cantora Anitta, que falava sobre consumo de frutas, verduras e legumes. Os próprios alunos cantavam a letra feita por eles. Alguns também vestiam fantasias de alimentos naturais. Além da apresentação musical, havia um espaço na feira destinado às crianças. Além de ouvir explicações sobre o assunto, as crianças podiam brincar com jogos educativos sobre alimentação.

Foto: Larissa Rosa

Foto: Larissa Rosa

       Por se tratar de uma programação complementar da Flicampos, o público era formado por alunos de algumas turmas escolares da cidade e curiosos que passavam pelo local. Como eram os estudantes que cantavam a música, a qualidade não era profissional, porém serviu para o objetivo: atrair a atenção dos pequenos.

           A estrutura utilizada pelos estudantes para a apresentação ficava localizada dentro da tenda na Flicampos, espaço que está sendo utilizado para manifestação de vários grupos, principalmente apresentações infantis. Além destas atividades, a feira ainda disponibiliza constação de histórias, palestras, atividades educativas e exibição de documentários durante toda a programação.

Lorraine Almeida

 Serviço:

Apresentação musical realizada pelos estudantes de nutrição do Cescage, na terça-feira, 10 de setembro, às 16h

Local: Sede da Flicampos – Centro de PG

13/09/2013

Do horror à ditadura na telona

selo flicampos

Projeto Cinemas e Temas apresenta e discute filmes de diversas épocas com temáticas atuais

              O projeto Cinemas e Temas, vinculado à UEPG, teve programação durante a II Feira Literária dos Campos Gerais (Flicampos) 2013. Além de Mostra de filmes, alguns deles seguiram com discussões após a exibição e palestras sobre gêneros cinematográficos. Na segunda-feira (09/09) foi exibida a trilogia ‘O estranho mundo de Zé do Caixão’, de José Marins, na temática ‘uma introdução ao cinema de horror’. A trilogia é composta pelos curtas O Fabricante de bonecas, Tara e Ideologia e caminha por temas como sexo, estupro, canibalismo, tortura física e psicológica. São interessantes quanto a questão dos limites e instintos do ser humano.

Foto: Gabrielle Rumor

Foto: Gabrielle Rumor

         Já As meninas, exibido na terça-feira (10/09), possui temática voltada à Ditadura Militar (1971), onde três jovens universitárias vivem em um pensionato de freiras. O filme conta a vivência e crises pessoais das moças, no contexto da censura. A exibição foi amparada pela palestra de Jeanine Javarez, que ligou o filme à obra literária de Lygia Fagundes Telles. A análise focou os gêneros e estilos de escrita em comparação com o filme, em uma vertente mais teórica da literatura.

         Apesar de pioneiros em determinados gêneros, o ponto fraco ficou na técnica da exibição. Nos filmes apresentados durante a tarde, a luz forte diminuía a nitidez da imagem, apesar da tentativa em colocar tecidos nas janelas que bloqueassem a luz. O barulho externo das apresentações também dificultou a concentração daqueles que assistiam as obras, fatores estes, logicamente, não ligados ao Projeto Cinemas e Temas.

 Gabrielle Rumor

 Serviço:

O Projeto Cinemas e Temas integrou diversos momentos da programação na Flicampos conforme o guia oficial do evento. Informações sobre o Cinemas e Temas no site: http://cinemasetemasuepg.blogspot.com.br/.

13/09/2013

Existe competência, falta inovação

selo flicamposFolclórico sistema de som da II Flicampos cumpre demandas, mas poderia apostar em programação exclusiva

      Há relatos engraçados sobre o sistema interno de som da II Festival Literário dos Campos Gerais (Flicampos). Frequentadores da feira apontam que, vez ou outra, uma grande salada musical marcava presença nos autofalantes: Chico Buarque, Caetano Veloso e outros ícones da MPB foram intercalados com os não menos icônicos Xuxa e Sandy & Júnior, para citar um exemplo.

      A mistura, que rendeu boas risadas aos passantes e comentários irônicos nas redes sociais, foi apenas uma engraçada amostra da ortodoxa sonorização do evento. As caixas de som espalhadas por toda a estrutura cumpriram bem a tarefa de informar sobre os horários das atividades, e as palestras e apresentações culturais não sofreram com chiados, microfonias ou nada do tipo. Entretanto, o sistema não foi além do feijão com arroz.

      Na maior parte do tempo, a feira foi embalada por quase inaudíveis playlists, com músicas que se perdiam em meio ao burburinho dos visitantes. As chamadas rádios corporativas ou rádios internas, com programação voltada para eventos e locais específicos, poderiam ser uma alternativa para escapar da mesmice e, talvez, aumentar a interação com o público. Seria divertido entrevistar compradores, veicular informações sobre palestrantes e, em suma, montar uma programação diferenciada para o evento.

Foto: Keren Bonfim

Foto: Keren Bonfim

      Vale ressaltar que estruturar uma pequena rádio interna exige pessoal especializado e mais gastos, mas talvez tal empreendimento possa ser um diferencial para a feira literária, que tem pretensões internacionais. A sonorização cumpriu com o que devia e não deixou a desejar em sua função básica. O que faltou foi apenas a cereja do bolo.

Rodrigo Menegat

 Serviço:

A playlist da II Flicampos toca durante todo o evento, a não ser quando há palestras ou apresentações musicais.

13/09/2013

Preço alto com qualidade ‘média’

selo flicampos

Praça de alimentação no II Festival Literário dos Campos Gerais deixa clientes sem mais opções

       A falta de concorrência entre as seis barracas de alimentação presentes no II Festival Literário dos Campos Gerais (Flicampos) fez com que o preço dos lanches oferecidos ficasse mais alto que a média. Os doces e salgados de rápido preparo – como cheeses, crepes suíços e batatas fritas – não ofereciam nada além do ofertado em outros locais da cidade, como os pasteis com pouco recheio e com uma qualidade inferior ao valor cobrado.

      Alimentos diferentes em quantia e qualidade possuem o mesmo valor, como é o caso das batatas fritas, hambúrguer simples e espetinho de frutas. Cada barraca é responsável por um tipo de alimentação. O acordo de ‘não concorrência’ deve beneficiar os proprietários, mas não necessariamente quem resolve comer enquanto está na feira.

Foto: André Lopes

Foto: André Lopes

        Os clientes chegam à quitanda com o dinheiro em mãos, fazem o pedido e recebem a informação de que devem primeiramente trocá-lo por fichas no caixa ao lado. A ideia é evitar que o cozinheiro tenha contato com o dinheiro enquanto prepara a comida, algo que entra em contradição quando as fixas são trocadas, e no outro dia voltam a servir de moeda.

         A praça de refeições está localizada entre a Biblioteca Pública Municipal Prof. Bruno Enei e o Conservatório Musical Maestro Paulino. As vendas estão dispostas em forma circular, a esquerda de quem vem da entrada principal da feira estão as mesas e cadeiras, que não possuem guardanapos, o que faz com que depois de comer o cliente tenha que ir até barraca pedir ao vendedor ou sair de mãos sujas.

 André Lopes

 

Serviço:

A praça de alimentação funciona diariamente durante a II Flicampos das 9h às 20h.

13/09/2013

‘A beleza que tem um samba’ na manhã da Flicampos

selo flicampos

Homenagem à Vinicius chama atenção do público no Espaço Musical da Feira do Livro no domingo

       O segundo dia do II Festival Literário dos Campos Gerais (Flicampos) contou com a presença do grupo Quarteto de Efeitos, de Curitiba, que realizou uma apresentação musical, em homenagem aos 100 anos do poeta Vinicius de Morais.

     Os curitibanos cantaram 13 sucessos de Vinicius, entre elas destacando ‘Água de Beber’ e ‘Samba da Benção’. As primeiras músicas foram ‘Pato’, ‘Casa’, ‘O Relógio’ e ‘A Galinha D’Angola’. As canções chamaram a atenção do público que, formado por muitas crianças, cantou com o grupo, enquanto algumas crianças dançavam próximas ao palco. O público aumentava pela curiosidade de saber o que estava acontecendo.

Foto: Camila Gasparini/ Lente Quente

Foto: Camila Gasparini/ Lente Quente

     A apresentação marcada para as 10 horas da manhã teve um atraso de 40 minutos por causa da instalação do som. A demora no início foi benéfica ao grupo, pois o número de pessoas circulando na feira no horário indicado era pequeno.

     A interação com o público era distante nos primeiros minutos de apresentação. A vocalista estava presa nas letras dispostas a sua frente, enquanto os outros três integrantes olhavam para o chão. Com as crianças cantando junto, música após música, a vocalista deixou de ver a letra e passou a cantar olhando para o público.

     O Quarteto de Efeito é formado pela vocalista Lilyan de Souza, Pedro Sasamoto no violão, Bruno Leão no baixo e Daniel D’Alessandro na bateria e percussão. A apresentação realizada no Espaço Musical da Biblioteca Pública do Paraná teve duração de 40 minutos e foi reapresentada ao público no mesmo dia no período da tarde.

André Bida

 Serviço:

O Quarteto de Efeito se apresentou no Espaço Musical da II Flicampos, no último domingo dia (08) às 10h40 e às 15h

27/04/2012

Acima de tudo, pelo bem da cultura

Festival Literário oferece perspectiva de novos olhares à cultura de Ponta Grossa e região

   Na programação do Festival Literário Internacional dos Campos Gerais (Flicampos), palestras e debates com escritores de renome nacional e internacional, atividades que envolvem restauro de obras bibliográficas e oficinas de história em quadrinhos prometem atrair um bom público e impulsionar a produção literária local. O evento agrega as atividades da 26ª semana da cultura Bruno e Maria Enei e resgata a 4ª feira do Livro de Ponta Grossa, que não acontecia desde 2004.

Foto: Divulgação

   É consenso que Ponta Grossa, cidade com mais de 300 mil habitantes, necessitava de uma Feira do Livro. Não apenas por fatores econômicos e fortalecimento político, e sim, para estimular um hábito, criar uma ‘cultura de leitura’, que falta em solo princesino.

   Dessa maneira, vale destacar que o evento trabalhará com temas bastante discutidos na sociedade atual, como o das novas tecnologias, ao abrir espaço para mostras de linguagens digitais para o livro e leitura. A exposição de artes plásticas para deficientes visuais é outro ponto a ser lembrado. No entanto, alguns cuidados devem ser tomados, como chão com marcadores de madeira que permitem melhor orientação ao deficiente visual e monitores sempre disponíveis.

   Como a feira contará com grupos volumosos de estudantes, é preciso realizar um trabalho educativo direcionado a tal público para evitar que o espaço de conhecimento e de promoção do ato de ler perca o propósito e vire um ‘alvoroço’. O festival acontecerá em diversos espaços da cidade e espera-se que sirva também como ambiente para socialização entre os interessados.

 Edgar Ribas

Serviço:

Dias 01 e 06/05 – das 14h às 21h30

De 02 a 05/05 – das 08h30 às 21h30

Entrada Gratuita