Posts tagged ‘Teatro’

31/08/2013

Humor embriagado retorna a PG

em-cena

De “A Praça é Nossa” para o Cine Teatro Ópera, uma peça para quem vê tudo embaçado

    O ator e humorista ponta-grossense, Fábio Silvestre, retornou a Ponta Grossa depois de dez anos sem pisar nos palcos da cidade, exatamente o mesmo tempo em que a peça “O Bêbado” estreou.

     A peça, que já foi vista por mais de 10 mil pessoas distribuídas em 300 apresentações por várias capitais brasileiras, é um monólogo no qual Fábio passa 70 minutos em conversa com um interlocutor invisível. Fábio faz o papel do bêbado, não apenas de um, e sim de vários tipos alcoolizados que adotam novas personalidades na medida em que o assunto envereda por outros meios. O cenário é simples, composto apenas de mesa, cadeira e garrafa.

    Como todo “bom bêbado”, que sabe discorrer sobre qualquer assunto, o personagem embriagado fala sobre temas comuns, como futebol, mulheres e bebidas, mas também demonstra interesse por temas como o Programa Nacional de Álcool.

cartaz -  o bebado

Foto: Divulgação

     O público, que ocupou todas as cadeiras do Cine Teatro Ópera, se divertiu com as tiradas engraçadas e interpretações exageradas bem do tipo “A Praça é Nossa”, que por sinal, é o programa que emprega Fábio Silvestre atualmente. Nele, Fábio é Bigode, o motorista.

   A peça promete acabar depois de dez anos de palcos. “É preciso cuidar da cirrose”, disse Fábio ao final da apresentação em Ponta Grossa. Não é preciso ser bêbado, muito menos frequentar bares para se divertir com “O Bêbado”, entretanto, se você gosta de tomar uns tragos e, principalmente, passar do limite da bebida, certamente irá se identificar com alguma passagem do bêbado da peça.

Marcelo Mara

 

Serviço:

Peça: O Bêbado

Cine Teatro Ópera – PG

Aconteceu no dia 11 de agosto, às 19 horas.

Ingressos custavam de 15 a 30 reais.

04/10/2012

Agenda Cultural

04/10/2012 (Quinta-Feira)

Apresentação do Coral Municipal

Local: Cine Teatro Ópera

Horário: 20h

Ingresso: R$ 6,00 (inteira) e R$ 3,00 (meia) – O ingresso pode ser adquirido no Cine Teatro

 

05/10/2012 (Sexta-Feira)

Show de Zé Ricardo & Thiago
Local: Play

Horário: Não Divulgado

Ingressos: Antecipados na Play e no Shopping Antarctica. Preço não divulgado

Salão de Artes Unimed

Local: Shopping Palladium

Horário: Até o fechamento do shopping

Ballet da Academia Oriental Artes

Local: Cine Teatro Ópera

Horário: 20h30

Ingressos: R$ 25,00 (inteira) e R$ 12,00 (meia) – O ingresso pode ser adquirido na Academia Oriental Artes

 

06/10/2012 (Sábado)

Engenhando 360 graus

Local: Centro de Eventos de Ponta Grossa

Horário: Das 16h às 23h59

Ingressos: Antecipados no República – Bar Universitário, no Jornal da Manhã, na Rádio MZ, no Posto MZ, na Loja Zass, na Play Conveniência, no Lottus Bar (Irati) e com os acadêmicos

Ballet da Academia Oriental Artes

Local: Cine Teatro Ópera

Horário: 20h30

Ingressos: R$ 25,00 (inteira) e R$ 12,00 (meia) – O ingresso pode ser adquirido na Academia Oriental Artes

Cinema e Sociedade – Machuca

Local: FASF – Sagrada Família (Av. Visconde de Taunay, 101)

Horário: 15h

Ingressos: Gratuito

 

10/10/2012 (Quarta-Feira)

Apresentação de teclado com a professora Karen

Local: Cine Teatro Ópera

Horário: 19h30

Ingressos: Gratuito

18/05/2012

Concurso para agradar palcos e públicos

Grupos de teatro de Ponta Grossa serão premiados para se apresentar na cidade

O Concurso de Seleção para Concessão de Prêmios para ‘Circulação de Espetáculos de Teatro’ foi um dos editais lançados em 2012 pela Prefeitura Municipal de Ponta Grossa, através da Secretaria de Cultura e Turismo. As inscrições encerraram dia 10 de maio e serão premiados cinco projetos de espetáculos. Cada grupo vencedor receberá R$ 3000,00, sendo R$ 1000,00 após confirmação dos vencedores e R$ 2000,00 depois que as apresentações forem realizadas. Serão 10 encenações em locais diferentes da cidade.

A proposta incentiva os produtores e atores de teatro locais. Os grupos teatrais ganhadores terão o compromisso de mostrar ao público ponta-grossense mais espetáculos ao longo do ano. A proposta é simples, pois o que acontece é que, fora de época de Fenata (Festival Nacional de Teatro), as equipes teatrais da cidade não têm tanta visibilidade. É um investimento que agrada aos grupos de teatro, que terão verba para produzir e também ao público que reclama por mais opções culturais.

No dia 17 de maio, a comissão julgadora se reuniu para avaliar os DVDs das sete produções inscritas. Os jurados são formados apenas por pessoas da área teatral. Duas das características avaliadas foram qualidade e viabilidade. Assim, há uma certa garantia de que os espetáculos serão chamativos. Também o que confere credibilidade às peças é que um dos segmentos do edital confere que cada projeto tenha pelo menos um integrante que curse ou seja formado por um curso técnico, de graduação ou possua DRT (registro teatral) na área artística, informações comprovadas com documento oficial.

Nicoly França

Serviço:

Edital: http://www.pontagrossa.pr.gov.br/files/smc/2012/edital-circulacao-de-teatro-2012.pdf

Data: de 01 a 10 de maio

Escolha da comissão: 17 de maio

30/03/2012

Fim de um espaço de formação teatral em PG?

Curso de Teatro pode fechar definitivamente por pouca procura e falta de incentivo dos próprios artistas envolvidos

O Curso de Teatro do Colégio Estadual Senador Correia está com problemas. Caso não se complete a turma, com 25 alunos, em breve o curso será fechado. É difícil imaginar que um curso esteja acabando por falta de procura, numa cidade com mais de 300 mil habitantes. Ainda mais pela região mobilizar, todo ano, o Festival Nacional de Teatro (FENATA), que deveria ser forte estímulo a produção de teatro local.

Image

A falta de divulgação é fator essencial para explicar a pouca popularidade do curso. Não se vê nenhuma propaganda ou anúncio que estimule a procura pelo teatro no Colégio Senador Correia. A última turma formada no curso, em 2011, começou com 30 alunos e somente cinco concluíram.

Os poucos que apresentam uma formação teatral na cidade migram para outros centros, como Curitiba, Londrina, São Paulo e Rio de Janeiro, que são referência no teatro nacional. A migração acaba deixando uma carência de artistas que estimulem o crescimento do teatro em Ponta Grossa.

Outro fator que colabora para o fim do curso é a falta de produção. Só se ouve grande divulgação de teatro à época do FENATA. Claro, o Festival é de extrema importância para a cultural local, mas, e além dele? E, quando acontecem, tais peças não ficam muito tempo em cartaz e é raro ver uma produção de qualidade.

Dentro do próprio curso do Senador Correia se admite a falta de qualidade das criações, pois o processo de criação de uma peça leva anos e necessita de experiência para ser construído – e não alguns meses de curso. Divulgação e qualidade são essenciais para que espaços estimulantes de teatro não desapareçam, como corre risco o Senador Correia.

Ana Paula Schreider

Serviço:

Curso de Teatro do Colégio Estadual Senador Correia

Rua Engenheiro Schamber, Centro – Ponta Grossa/PR

Telefone: 3224-1458

 

30/03/2012

Pequenas histórias, pequenas piadas

Apesar de conteúdo inapropriado, Família Salgueiro apresenta espetáculo de classificação livre

O Espaço Cultural Chic Chic do Sesc Ponta Grossa recebeu na quarta-feira (28/03) a peça “Esquetes e Historietas”, interpretada pela Família Salgueiro. O espetáculo faz parte da programação da terceira Semana do Teatro e Circo. A peça estava prevista para às 19h30min. Antes de começar, músicas de Seu Jorge, Vanessa da Mata e algumas cantigas infantis seguravam o público. Com 11 minutos de atraso a interpretação feita pelos palhaços Sardinha e Bidosa começou.

Com uma boa iluminação e um som regular, as pequenas histórias eram narradas pela atuação mediana dos palhaços, seguida, em alguns momentos, por um coadjuvante de pouca experiência. Eram 53 espectadores, alguns levantavam antes mesmo de acabar, porém os que ficaram, riram em bom som.

No folder de divulgação do evento, a classificação mostrava a peça como livre, todavia, certas piadas tratavam de assuntos adultos e obscenos, onde as crianças muitas vezes sem entender, acabavam por rir. Além de não serem direcionadas ao público infantil, a maioria delas podiam ser antecipadas pelos espectadores. Piadas repetidas eram constantes durante o espetáculo.

O público que sentava ao fundo não conseguia ver o cenário por competo e visualizam apenas do tronco para a cima, devido a disposição das cadeiras. Ao menos não perdiam de ver os detalhes das roupas dos palhaços, que usaram as mesmas desde o começo da peça, para todas as histórias.

O melhor ficou para o fim do espetáculo. O palhaço Bidosa equilibrou uma criança, sua filha, de pouco mais de um ano, usando apenas a mão direita. Quem foi embora durante a peça perdeu o fechamento.

Amauri Barbosa

Serviço:

Local: Espaço Chic Chic (SESC Ponta Grossa – Rua Theodoro Rosas, 1247 – Entrada Franca)

Classificação livre

Semana do Teatro e do Circo