Posts tagged ‘João Henrique’

22/11/2013

Entre a jovem guarda e as últimas notícias

antena

Programa da Rádio Clube, apresentado por Chocolate, alterna informações e canções que marcaram uma época

         O programa ‘Música e Informação’, da Rádio Clube de Ponta Grossa (AM 1080), leva ao ouvinte o saudosismo das canções da jovem guarda entre as últimas notícias. Apresentado por uma das vozes mais conhecidas e respeitadas do rádio ponta-grossense, Nelson Ribeiro, conhecido pelo apelido de ‘Chocolate’, o programa segue praticamente o mesmo ritmo nas duas horas de duração.

         No início de cada bloco, o apresentador fala das canções tocadas anteriormente, lê as notícias, e, em seguida, fala o nome da próxima canção executada no programa, e então duas músicas são apresentadas, uma nacional e outra internacional. O locutor destaca as informações regionais de diversos temas, desde tragédias até notícias esportivas, mas a maior parte do programa é dedicada às músicas, o que torna o jornalismo complemento, e não parte principal de ‘Música e Informação’.

chocolate1

         Foto: Divulgação

         A maioria das canções transmitidas é de clássicos da jovem guarda, e canções românticas internacionais dos anos 1960 e 70, o que revela o público-alvo do programa. Um dos aspectos da produção é que não há uma quantidade elevada de propagandas e há um espaço para campanhas, como é o caso da atual campanha em defesa do direito das crianças.

        Um dos principais pontos que dão audiência ao programa é o horário reservado para a utilidade pública. Como no momento em que o locutor lê os empregos disponíveis da agência do trabalhador, e separa entre os que requerem ou não de experiência, além dos falecimentos do dia, momento qual é informado o horário do sepultamento e o local onde viviam os falecidos.

João Henrique Santos Souza

Serviço:

O programa é apresentado na Rádio Clube AM 1080 KHz, das 16 às 18h.

O site da rádio é www.prj2.com.br

21/06/2013

Bucolismo abrasileirado em uma ‘casa de histórias’

cabec3a7alho-fuc1

Dentinho Arueira traz tom nostálgico e folclore em canção tradicional regionalista e recheada de rimas

            O paranaense Domiciano Lopes de Souza, ou Dentinho Arueira, como é conhecido, se apresentou pela primeira vez em Ponta Grossa, no 26° Festival Universitário da Canção, com a música de autoria própria, intitulada Casa de Histórias. A canção descreve um pouco da cultura brasileira, de maneira poética, com linguagem regionalista e ritmo envolvente, que conquista o ouvinte, “levando a um ambiente calmo”, com os acordes e o arranjo que entra em total sintonia com a letra da música.

          Casa de Histórias é o exemplo típico de música presente no FUC, mas não decepciona o público, que após a canção ovaciona Dentinho. A letra é repleta de personagens do folclore nacional e linguagem específica de determinadas regiões do Brasil. A combinação entre os versos da música, o timbre da voz do cantor e o arranjo utilizado, foi um dos pontos fortes da apresentação.

Casa da história-JoãoCréditoGasparini

Foto: Lente Quente/ Camila Gasparini

             A canção possui uma divisão simples, de fácil entendimento mesmo para leigos. São quatro estrofes, iniciadas com “a nossa casa tem”, que também é a frase final da música, trecho que se transforma em uma espécie de bordão na apresentação. No final de cada verso há rimas que auxiliam na musicalidade e ritmo da canção.

            Na apresentação, Dentinho teve apoio da banda do FUC, que para o festival fez o arranjo composto por um teclado que simulava o som do acordeão, guitarra, bateria e chocalho. Diferente de outras apresentações, cada instrumento estava com o volume na medida certa, o que deixou nítida cada passagem da música para o público do festival.

João Henrique Santos Souza

Serviço:

Canção: Casa de Histórias

Composição: Domiciano Lopes de Souza – Dentinho Arueira

Músicos – Domiciano Lopes de Souza e banda do FUC

10/05/2013

Bola Treze (re)abre portas ao público

outros-giros21

Mesmo com visual diferenciado, o bar continua recebendo bandas da cena underground da cidade

     De cara nova, o Bola 13 Snooker Bar reabriu as portas há pouco mais de um mês para o público que, por sinal, se mostrou surpreso com o resultado das reformas. O bar, frequentado principalmente pelo público rock’n roll, possuía um visual ‘underground’. A reforma deu ao lugar uma aparência mais leve, mas que ainda preserva características típicas da “pré-reforma”, como os pôsteres de bandas e de figuras marcantes da história do rock. As guitarras e baixos estampados nas paredes de madeira, além de fotos de cidades e um espaço reservado ao Operário Ferroviário (OFEC), mostram o caráter regionalista do local.

     Além de ser um ambiente agradável para ir com os amigos, o Bola 13 é espaço para shows de bandas da cidade e também da região. Há, por exemplo, mesa de sinuca para os que gostam de jogar. Apesar da fama de rock bar, bandas de outros gêneros musicais também tocam no local, como o reggae, que já foi representado pelo grupo Jah May Roots. Esse aspecto mostra que o bar não é para um público direcionado, mas para qualquer pessoa que procura um local para passar o tempo após um dia de estudo ou de trabalho.

bola treze

Foto: Bruno da Guarda    

     Se antes da reforma as mesas de sinuca se apropriavam de um espaço reservado ao público, agora é o balcão que toma conta do lugar e ocupa mais do que o necessário para servir os clientes. A alternativa seria a colocação de um balcão um pouco menor, o que não influenciaria de maneira tão negativa na movimentação dos balconistas e traria maior conforto aos frequentadores nas noites de festivais.

João Henrique

Serviço:

Endereço: Rua Dr. Penteado de Almeida, 608 – Centro de PG

Show da banda Burnin’ Mavericks: Tributo ao Kiss – 6ª-feira (17/05) das 22h às 6h. Fone: (42) 9824-5000


19/04/2013

Periódico pauta literatura paranaense

Imagem

O Jornal Cândido traz, uma vez por mês, novidades da cena literária paranaense

 O Cândido é o jornal da Biblioteca Pública do Paraná (BPP), que funciona como um espaço destinado à literatura, principalmente paranaense. O jornal tem uma tiragem mensal de 5 mil exemplares que são distribuídos gratuitamente na BPP e em outras regiões de Curitiba. Além da versão impressa, é possível ler a versão digital do mensal, que é de fácil acesso para pessoas de outros lugares além de Curitiba.

O Cândido surgiu em agosto de 2011 e acerta no ponto aquilo que o impresso se propõe a fazer: apresentar informações sobre a literatura de maneira dinâmica, a partir de entrevistas e outros recursos. Logo no editorial do jornal, diversas informações sobre Literatura são mostradas ao leitor. Ao lado há um espaço reservado para as tirinhas

Imagem

Divulgação

Apesar de o Cândido ser direcionado a temas literários, como perfis de escritores e lançamentos de obras, o mensal apresenta uma linguagem acessível, fácil de entender, mesmo para leigos. Uma das características do jornal é a diagramação, com recursos gráficos são utilizados, de uma maneira que chama a atenção do público, com ilustrações que ocupam páginas inteiras do jornal.

Além de atrair olhares de leitores, as ilustrações deixam o jornal com um design diferenciado do que é visto na mídia impressa convencional, pois o Cândido possui vários diferenciais de diagramação quando comparado com um impresso jornalístico tradicional, tanto nos elementos verbais quanto nos elementos não-verbais do Jornal. Em algumas matérias, o autor opta por utilizar uma linguagem literária para iniciar o texto.

João Henrique Santos Souza

Serviço:

imprensa@bpp.pr.gov.br — (41) 3221-4974

www.candido.bpp.pr.gov.br / www.bpp.pr.gov.br

Biblioteca Pública do Paraná: segunda a sexta: 8h30 às 20h / Sábado: 8h30 às 13h Contato: (41) 3221-4900

Rua Cândido Lopes, 133 | CEP: 80020-901| Curitiba – PR

27/03/2013

LET mostra um caráter socioeducacional

427352_474440072604006_221743636_n

Além da leitura de textos e livros, Laboratório revela importância para a comunidade não acadêmica

O Laboratório de Estudos de Texto (LET) é um programa do Curso de Licenciatura em Letras da UEPG, coordenado pela professora Djane Antonucci Correa. O espaço destinado aos acadêmicos visa, por meio da leitura e análise de textos, desenvolver trabalhos de extensão. O LET oferece cursos e minicursos que são de grande importância na formação de cada participante, tanto dos graduandos quanto dos pós-graduandos.

O funcionamento do projeto é a partir da escolha das  leituras, análise e escrita de textos variados que não focam em apenas uma temática. Discussões, cursos promovidos, participação em eventos e apoio a projetos socioeducacionais, além da publicação dos resultados das ações. Mesmo sendo um diferencial na Universidade, um dos problemas é que alguns acadêmicos do próprio curso de Letras não sabem ao certo o que é e para o que serve o projeto.

Além da importância do LET para a licenciatura em Letras, aumentando os investimentos direcionados à melhoria da infra-estrutura e fortalecimento do próprio Curso e do Mestrado em Linguagem. Identidade e Subjetividade, um dos objetivos é a aproximação  com escolas do ensino fundamental e médio, assim como uma interação direta com comunidades menos assistidas. Um dos trabalhos realizados recentemente pelo LET foi a exposição do Cense na galeria da Pró-Reitoria de  Extensão (no Centro da Cidade), que levou os internos do Centro de Socioeducação a fazer releituras de conhecidas obras de arte. Além de aproximar estudantes de diversos textos, o Laboratório revela uma importância socioeducacional.

            João Henrique Santos Souza

Serviço:

Bloco B – Campus Central da UEPG

Horário de funcionamento: 8h30 às 12h e 13h30 às 21h