Posts tagged ‘Filme’

27/06/2014

Alguns infinitos são maiores que outros

 projetor

Com personalidades completamente diferentes uma amizade surge e seguem uma jornada juntos

O filme: A Culpa é das Estrelas estreou no dia 4 de junho deste mês. Inspirado no best-seller de John Green, o filme tem emocionado pessoas no mundo inteiro. Hazel Grace (interpretada por ShaileneWoodley), a personagem principal, é diagnosticada com câncer terminal, os médicos podem aumentar o seu tempo de vida controlando o crescimento dos tumores, e o que a mantêm viva é um aparelho respiratório que carrega para todo lugar como se fosse uma mala. Numa rotina de remédios, livros e quimioterapia, obrigada pela mãe Hazel ia a um grupo de apoio cristão para fazer amizades e conhecer pessoas que também tinham a doença, mas ela não imaginava como isso mudaria a sua vida.

jaq

 Foto: divulgação

Em um dos encontros normais do grupo, Hazel conhece Augustus Waters (interpretado por AnselElgot), que também tivera câncer, e perdeu uma das pernas devido a isso. Cada um possui uma visão da doença, Hazel tem medo de fazer amizades ou de se apaixonar, porque não quer causar dor em ninguém, enquanto Augustus deseja deixar sua marca no mundo, ser reconhecido por algo que tenha feito.

     Do dia para a noite Gus muda a rotina e a vida monótona de Hazel, mesmo com personalidades completamente diferentes, eles ficam amigos rapidamente, e entram numa jornada juntos de apoio um ao outro. Vivem as emoções do primeiro amor, e a cumplicidade que só alguém que já teve a doença poderiam viver.

 

     O filme é extremamente parecido com o livro, e diferente da maioria dos romances adolescentes, encantou e emocionou a todos que assistiram. Em alguns momentos do filme o cinema inteiro se encontrava em silêncio e só a respiração das pessoas podia ser ouvida, todas completamente envolvidas com a história.

     Impossível não se emocionar com a história e seu enredo, a lição que os adolescentes ensinam durante o filme. Esqueça os romances adolescentes água com açúcar porque A Culpa é das Estrelas, vai te encantar de um jeito que você não imagina.

Serviço: Em exibição nos cinemas da cidade

Jaqueline Guerreiro

06/07/2012

E ai…Vale a pena assistir?

Imagem

 

 “E ai… comeu?”, de Felipe Joffily, transforma conversa de bar em besteirol brasileiro no cinema

O filme “E ai… comeu?” é baseado em uma conversa de bar que envolve três amigos, Fernando (Bruno Mazzeo), Honório (Marcos Palmeira) e Fonsinho (Emilio Orciollo Netto). O modelo clássico de comédia apelativa no estilo americano serviu de base para o filme brasileiro, no qual a graça é sustentada por diálogos apelativos e cenas que insinuam sexo. A trama é articulada a partir da disputa de poder no relacionamento entre homens e mulheres, onde a versão masculina, por vezes machista, é mostrada.

Imagem

Foto: Divulgação

O que chama atenção no diálogo entre os personagens principais é a naturalidade com que se dá a conversa. A participação do cantor Seu Jorge, que interpreta o garçom, e o diálogo junto aos atores principais faz com que as piadas sejam direcionadas aos telespectadores. O cenário utilizado também contribui para que o filme pareça um happy hour, pelo clima descontraído do ambiente. As cenas de comédia demoram para aparecer, o que torna o início do filme um pouco cansativo.

O filme não surpreende e, no final, os personagens têm um desfecho romântico bem sucedido. A trilha sonora acerta ao trazer a musica “Sou uma criança, não entendo nada”, de Erasmo Carlos, pois o ritmo leve da canção casa com o clima de descontração do filme. A proposta do diretor, Felipe Joffily, em alcançar todos os públicos e trazer uma “verdadeira comédia romântica” não se concretiza, pois a obra acaba sendo uma cópia brasileira e adaptada de filmes como American Pie. Faltou originalidade e um melhor “desenrolar” da história.

Gustavo Dornelles

Serviço:

Filme: E ai… comeu?

Local: Cine Araújo (Shopping Palladium, Rua Ermelino Leão, 703 – Olarias)

Horário: Diariamente às 21 horas.

Classificação: 14 anos. Duração: 100 minutos

20/04/2012

Titanic voltou, para afundar de novo

Filme, dirigido por James Cameron, volta aos cinemas para repetir a mesma história, mas desta vez, em 3D

   Exibido pela primeira vez em 1997, o filme Titanic retorna às telonas em 2012, ano em que se completa o centenário da viagem inaugural do transatlântico que deu nome à produção, e ao consequente naufrágio. O filme conta a história de amor entre Jack Dawson (Leonardo DiCaprio), um passageiro de terceira classe, e Rose Dewitt (Kate Winslet), moça prometida em casamento pelos pais, por interesse, e que viajava na primeira classe, junto ao noivo.

   O enredo é simples. Uma história de amor proibido – formula repetida à exaustão desde os tempos de Romeu e Julieta. Mas, por contar com uma produção cuidadosa e humanizar a catástrofe do navio que era ostentado como um símbolo da capacidade do homem, essa história rendeu, em bilheteria, US$ 1,9 bilhões.

  O filme, dirigido por James Cameron, ocupou o posto de maior bilheteria da história até 2009, quando o próprio Cameron lançou aquele que ficaria marcado para sempre como o principal precursor do cinema 3D, o filme Avatar, que ocupa a posição até hoje.

Foto: divulgação

  Seguindo a ideia de George Lucas, que relançou o episódio 1 de Guerra nas Estrelas em 3D, que alcançou a quarta maior bilheteria dos Estados Unidos, Cameron leva o Titanic de volta para as telonas.

   No caso de Lucas, relançar o Guerra nas Estrelas em 3D, parece ir além de uma estratégia financeira, pois o filme, com suas naves, lutas de sabres de luz e explosões, pôde explorar o recurso ao máximo. O Titanic, por sua vez, prima por cenas românticas entre os protagonistas e grandes enquadramentos no navio, nada que justifique afundá-lo em 3D. Nada além do fator financeiro, é claro.

                                                                                                                                                                                                                                   
  Rubens Anater

Serviço:

Local: Cine Araújo (Shopping Palladium, Rua Ermelino Leão, 703 – Olarias)

Horário: Diariamente, às 20 horas

Classificação: 12 anos

06/04/2012

A permanência dos gêneros de filmes clássicos

Mesmo com um roteiro manjado, “Protegendo o inimigo” consegue prender o espectador com cenas fortes

 Protegendo o inimigo é um filme de ação pura. A trama se passa na Cidade do Cabo, África do Sul, onde Matt Weston (Ryan Reynolds) é zelador de um dos abrigos da CIA. Ele vive na monotonia, até que Tobin Frost (Denzel Washington), um ex-agente da CIA procurado por repassar informações confidencias a outros países, vai para o abrigo. Com a rotina quebrada, Weston tem a missão de proteger Frost de qualquer maneira.

O longa faz uma introdução dos personagens e mostra como Weston é ingênuo, tentando esconder da sua namorada seu real emprego e a história de sua família. O filme conta com cenas de grande violência, envolvendo tiroteios, batidas de carro e agressões. Apesar de o telespectador conseguir antecipar as cenas, Protegendo o inimigo é interessante para quem busca uma trama forte.

A história envolve o telespectador, pois não se sabe quem é ruim ou bom, até o final do filme. Mesmo sendo um clássico do cinema norte-americano, em que o bom moço consegue uma grande façanha e acaba ficando sem sua amada, o longa tem um desenrolar emocionante. No decorrer, Weston descobre a corrupção que ocorre dentro da CIA. O fato demonstra uma crítica à Agência, relatando a falta de comprometimento, por parte dos agentes, com a política da organização, como ocorre com tantas outras entidades.

Para os amantes de filmes de ação, Protegendo o inimigo é uma boa recomendação. Com diversos efeitos especiais, envolve cenas de espionagem, onde tudo que faz parte do gênero permanece constante na trama inteira.

 

Andressa Elesbão

 

Serviço:

Local: Cine Araújo (Shopping Palladium, Rua Ermelino Leão, 703 – Olarias)

Horário: Diariamente, às 15h30, 16h00, 17h45 e às 20h00

Classificação: 12 anos

115 minutos