Archive for ‘Téspis’

14/11/2015

A bizarra normalidade

fenata_logo_reduz_1

Peça “Esse Corpo Meu?” desconstrói o papel do homem e da mulher no palco do 43º Fenata.

Dois grandes biombos cobertos por um pano preto e um jogo de luzes fracas tendo ao fundo uma trilha sonora simples. Esse é o cenário que o grupo Téspis, de Santa Catarina, prepara para os dois personagens principais do espetáculo. Seres que, a princípio são um homem e uma mulher, se constroem e se desconstroem durante toda a peça.

 IMG_7203-2-1

Foto: Divulgação

Os atores provocam a reflexão do público através de uma história não linear. As cenas acontecem a partir da troca e junção dos papéis, abordando influências midiáticas impostas aos seres. Todo o espetáculo é feito com textos em off, seguidos por trilha sonora composta de música pop.

Os próprios personagens não possuem algo de fato construído. Quando não estão nos papéis de homem e mulher, comportam-se de forma inconsciente, rindo de forma exagerada e abusando de movimentos extremos do corpo. Durante toda a peça, eles se transformam e transportam o público para cenas retiradas do nosso cotidiano, mas transmitidas com um toque bizarro e perturbador.

Esse Corpo Meu - Foto Emanuele Mattiello 19

Foto: Divulgação

Ao abordar esses papéis, a peça esbarra nitidamente em um tema atual que tem gerado debate na sociedade, a ideologia de gênero. Focando não apenas o lado sexual, a montagem trata também da formação da personalidade, da possibilidade das novas experiências e da massificação do pensamento das pessoas.

No final da peça, o público pareceu tímido nas palmas. Todos aplaudiram, mas pareciam não entender de fato o que haviam assistido. Quando aqueles, que pegaram a essência reflexiva da peça, levantaram e gritaram “Bravo!”, o restante da plateia, ainda pensativa, se deixou levar.

_MG_6697-1-1

Foto: Divulgação

O debate surpreendeu. Grande parte do público esperou para ouvir a visão dos atores sobre a peça, que construíram e compartilharam grandes ideias durante o bate-papo.

Adolescentes, que atualmente são privados da discussão sobre gênero nas escolas, sentiram-se contemplados ao ter a oportunidade de ver o assunto por meio da arte, expressando alguns de seus pensamentos e ideias.

Serviço

Autor: Processo colaborativo entre a Téspis Cia. de Teatro
Direção: Diego Cazabat
Grupo: Téspis Cia. de Teatro
Cidade: Itajaí – SC
Local: Cine Teatro Ópera – A
Duração: 53 minutos
Classificação: 16 anos

Leonardo Camargo

Anúncios