Archive for ‘Comentário cultural’

27/04/2012

Era uma vez um ar de recomeço…

Festival Literário Internacional dos Campos Gerais resgata a extinta cultura literária pontagrossense

   A promessa que se ouve é de que o 1º Festival Literário Internacional dos Campos Gerais (FLICAMPOS), que acontece em Ponta Grossa de 1º a 6 de maio, será o maior evento que a cidade terá esse ano na área literária. Promovido pela Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, o festival terá como um de seus objetivos suprir a demana existente por aqui. O evento também integra as atividades da 26ª Semana da Cultura – Bruno e Maria Enei e resgata a Feira do Livro de Ponta Grossa, em sua 4ª edição.

Foto: Divulgação

      O que mais atrai na programção do evento é a diversidade de atividades. A FLICAMPOS contará com diversas oficinas, como a de Histórias em Quadrinhos e Mangás, lançamentos de livros, Mostra de HQ (histórias em quadrinhos) importados, filmes de super-heróis, evetno “cosplay” e palestras de autores de renome, como o escritor e jornalistas Domingos Meirelles.

   É indiscutível a necessidade de um calendário voltado à literatura em uma cidade com mais de 310 mil habitantes, como é o caso de Ponta Grossa. É muito importante também o incentivo à cultura literária que um festival internacional proporciona. Segundo a Secretaria de Cultura e Turismo, Elizabeth Schimidt, o evento pretende estimular cada vez mais a produção literária local, além de propiciar à comunidade a oportunidade de vivenciar os vários aspectos do setor.

   A abertura oficial do festival acontece no dia 1º de maio, às 19h, na Praça das Falas, estrutura que estará montada no Parque Ambiental. Todas as atividades referentes ao Festival são gratuitas.

Cássia Miranda

Serviço:

 Horários do evento: Dias 01 e 06/05 – das 14h às 21h30.

De 02 a 05/05 – das 08h30 às 21h30.

Site: http://www.pontagrossa.pr.gov.br/node/12269

06/04/2012

A permanência dos gêneros de filmes clássicos

Mesmo com um roteiro manjado, “Protegendo o inimigo” consegue prender o espectador com cenas fortes

 Protegendo o inimigo é um filme de ação pura. A trama se passa na Cidade do Cabo, África do Sul, onde Matt Weston (Ryan Reynolds) é zelador de um dos abrigos da CIA. Ele vive na monotonia, até que Tobin Frost (Denzel Washington), um ex-agente da CIA procurado por repassar informações confidencias a outros países, vai para o abrigo. Com a rotina quebrada, Weston tem a missão de proteger Frost de qualquer maneira.

O longa faz uma introdução dos personagens e mostra como Weston é ingênuo, tentando esconder da sua namorada seu real emprego e a história de sua família. O filme conta com cenas de grande violência, envolvendo tiroteios, batidas de carro e agressões. Apesar de o telespectador conseguir antecipar as cenas, Protegendo o inimigo é interessante para quem busca uma trama forte.

A história envolve o telespectador, pois não se sabe quem é ruim ou bom, até o final do filme. Mesmo sendo um clássico do cinema norte-americano, em que o bom moço consegue uma grande façanha e acaba ficando sem sua amada, o longa tem um desenrolar emocionante. No decorrer, Weston descobre a corrupção que ocorre dentro da CIA. O fato demonstra uma crítica à Agência, relatando a falta de comprometimento, por parte dos agentes, com a política da organização, como ocorre com tantas outras entidades.

Para os amantes de filmes de ação, Protegendo o inimigo é uma boa recomendação. Com diversos efeitos especiais, envolve cenas de espionagem, onde tudo que faz parte do gênero permanece constante na trama inteira.

 

Andressa Elesbão

 

Serviço:

Local: Cine Araújo (Shopping Palladium, Rua Ermelino Leão, 703 – Olarias)

Horário: Diariamente, às 15h30, 16h00, 17h45 e às 20h00

Classificação: 12 anos

115 minutos

30/03/2012

Fim de um espaço de formação teatral em PG?

Curso de Teatro pode fechar definitivamente por pouca procura e falta de incentivo dos próprios artistas envolvidos

O Curso de Teatro do Colégio Estadual Senador Correia está com problemas. Caso não se complete a turma, com 25 alunos, em breve o curso será fechado. É difícil imaginar que um curso esteja acabando por falta de procura, numa cidade com mais de 300 mil habitantes. Ainda mais pela região mobilizar, todo ano, o Festival Nacional de Teatro (FENATA), que deveria ser forte estímulo a produção de teatro local.

Image

A falta de divulgação é fator essencial para explicar a pouca popularidade do curso. Não se vê nenhuma propaganda ou anúncio que estimule a procura pelo teatro no Colégio Senador Correia. A última turma formada no curso, em 2011, começou com 30 alunos e somente cinco concluíram.

Os poucos que apresentam uma formação teatral na cidade migram para outros centros, como Curitiba, Londrina, São Paulo e Rio de Janeiro, que são referência no teatro nacional. A migração acaba deixando uma carência de artistas que estimulem o crescimento do teatro em Ponta Grossa.

Outro fator que colabora para o fim do curso é a falta de produção. Só se ouve grande divulgação de teatro à época do FENATA. Claro, o Festival é de extrema importância para a cultural local, mas, e além dele? E, quando acontecem, tais peças não ficam muito tempo em cartaz e é raro ver uma produção de qualidade.

Dentro do próprio curso do Senador Correia se admite a falta de qualidade das criações, pois o processo de criação de uma peça leva anos e necessita de experiência para ser construído – e não alguns meses de curso. Divulgação e qualidade são essenciais para que espaços estimulantes de teatro não desapareçam, como corre risco o Senador Correia.

Ana Paula Schreider

Serviço:

Curso de Teatro do Colégio Estadual Senador Correia

Rua Engenheiro Schamber, Centro – Ponta Grossa/PR

Telefone: 3224-1458

 

23/03/2012

Caravana de Sucesso toma conta de PG

Espetáculo de Circo-teatro conquista os ponta-grossenses pela quarta vez com humor, malabarismo e interpretação

 

Após ceder palco a Stapafurdyo, Oceano e DNA, Ponta Grossa dá espaço à quarta apresentação do Circo Roda, o teatro “Caravana: Memórias de um Picadeiro”. A peça gira em torno das lembranças de um velho palhaço, Caturrão, que percorreu todo o Brasil com seu circo e sente-se nostálgico, com saudade do tempo que vivera outrora. No espetáculo os cenários mudam com o decorrer da peça. Curitiba, São Paulo, Recife e Rio de Janeiro estão entre as cidades presentes. Solitário, o palhaço compartilha suas lembranças com uma misteriosa garotinha e com um atrapalhado companheiro de circo.

Como em um circo tradicional, o Circo Roda procura atender público de todas as faixas etárias, de modo a apresentar-se de forma suave e descontraída. Com o diferencial de ser circo-teatro e não apresentar somente os números exigidos na composição de um circo propriamente dito, dessa vez, o espetáculo não deixa de somar à essência, números de trapézios, danças, acrobacias e malabares, frequentemente apreciados em picadeiros.

Esse ano a produção desenvolve-se de maneira dramática. Cenas alegres, que remontam as culturas regionais vividas pelo personagem, são contrastadas com a triste personalidade de um palhaço aposentado, que se alimenta apenas de sonhos e lembranças. Sem deixar de conquistar o público com a dramaturgia, o Circo Roda consegue arrancar aplausos e gargalhadas, causando satisfação na plateia que pode vivenciar o circo com “quê” de teatro. A peça está em cartaz no Cine Teatro Ópera até o dia 25 de março.

Luiza Stemmler

Serviço:

Local : Cine Teatro Opera , Rua XV de novembro 468, Centro – Ponta Grossa/PR

Ingressos disponíveis no quiosqui do Shopping Palladium

O espetáculo permanece em cartaz até 24/03/2012