Archive for Outubro 12th, 2013

12/10/2013

Pra quem pede Bizz pro Rock’n’Roll!

Rádio web atende a um público específico, mas decepciona em falhas técnicas e falta de atualizações

antena

Bizz Rock é uma rádio web de Ponta Grossa, destinada ao público que gosta do gênero rock’n’roll e suas vertentes. O site é bem organizado, apesar de ter alguns elementos que atrapalham a visão de quem o acessa, como alguns giffs que piscam incessantemente na lateral do site. A rádio promete programações diferenciadas, dependendo do horário, como os programas Trip 80’s, Bizz Underground e Acústico Bizz. Fica o destaque para o programa Garimpo da Bizz, dedicado às novas bandas brasileiras.

Mesmo estando há meses no ar, o site da Bizz Rock ainda está em construção. E, portanto, a ordem das músicas ainda é aleatória. Um ponto positivo da rádio é que existe o botão “pedidos”, ao lado do player, que abre uma caixa para que o ouvinte peça sua música favorita. Por outro lado, em alguns horários a rádio fica desconectada. No site você pode encontrar várias formas de ouvir os conteúdos, em vários tipos de players, com opções para os sistemas Android e iOS. O site também oferece notícias relacionadas ao rock, mas que não são atualizadas há meses.

Nova Imagem

A Bizz Rock tem parceria com o bar Bola 13, frequentado na cidade pelos amantes do rock’n’roll. Isso proporciona que o público da rádio fique sabendo, através da divulgação do site, quais bandas irão tocar no bar. A rádio divulga também outros espaços que possuem eventos relacionados a este gênero musical. A grande sacada da rádio é atender a um público que não possui mais uma rádio destinada ao rock’n’roll, além de ter a possibilidade de cobrir eventos que já possuem um grupo fiel de frequentadores.

Marcela Ferreira

Serviço:

O endereço da Bizz Rock é bizzrock.com

12/10/2013

Pavão Misterioso, pássaro formoso em Ponta Grossa

Exposição proporciona aos noveleiros da cidade a sensação de conhecer e até pertencer a Saramandaia/Bole-Bole

outros-giros21

Uma maquete e para cada personagem, uma lembrança. A novela Saramandaia regravada pela Rede Globo este ano (junho – setembro) já terminou, mas aqueles que acompanharam a história de cada personagem podem revisitá-los na exposição Saramandaia, no Shopping Palladium, aberta dia 4 de outubro. A exposição tem uma maquete da cidade de Bole-Bole onde a trama central da novela desenrola. Na maquete é possível reconhecer a igreja, o centro cívico da cidade, a farmácia, a prefeitura e os dois coretos que ficavam em frente da delegacia.

IMG_6500Foto: Luana Caroline Nascimento

Há também a imagem do Santo Dias, personagem incorporado na reprise que se refere ao autor da primeira versão da telenovela. Os personagens representados são a dona Redonda, o professor Aristóbulo, Tibério, João Gibão, Zico Rosado e o Belisário. Cada personagem tem um diferencial, seja por soltar formiga pelo nariz, comer até explodir, virar lobisomem ou criar raízes.

Um conjunto pequeno de objetos torna a exposição curta e de rápida visitação. Há também um aparelho de televisão que exibe trechos da novela, além de tocar o começo da música de abertura da primeira versão que se tornou famosa, Pavão Misterioso, de Ednardo, que conta a história de um cordel. O objetivo da amostra é o público se caracterizar dos personagens e fotografar. Alguns personagens importantes para a trama ficaram de fora da seleção para dar preferência aos que esteticamente chamam mais a atenção. Uma dessas personagens seria a Vitória Vilar, que não está nos personagens expostos e a principal característica dela era se derreter de amores.

Luana Caroline Nascimento

Serviço: A exposição Saramandaia fica no Shopping Palladuim, Centro de PG, até 20 de outubro das 10h às 22h, entrada franca.

12/10/2013

Sobrou talento no teclado, faltou informação

IV Recital de Teclado mostrou o talento dos alunos, mas não trouxe informações sobre a escola de música

em-cena

Reunindo crianças, jovens e adultos no Cine-Teatro Ópera, Centro de Ponta Grossa, a quarta edição do Recital de Teclado começou com 20 minutos de atraso, na noite de 8d e outubro, devido à fila para entrar que se formou na frente do local. A primeira atividade do evento foi a leitura de uma história infantil sobre música, enquanto imagens em quadrinhos passavam no telão. Porém, o microfone de quem estava lendo fazia alguns chiados que prejudicavam o entendimento.

As apresentações de teclado elétrico foram realizadas por alunos e formandos da escola de música que promoveu o recital. O repertório era bastante variado, trazendo não só clássicos da música nacional e internacional, mas também sucessos atuais. Durante os intervalos das apresentações, dois cerimonialistas traziam citações de atores famosos sobre música e anunciavam a próxima canção. Entretanto, era visível a dificuldade de pronúncia ao apresentarem os títulos de músicas internacionais.

1238956_501505886600966_1431605748_nFoto: divulgação

A disposição dos elementos no palco foi a mesma do início ao fim do evento: quatro teclados intercalados no centro, uma câmera com tripé na lateral esquerda e um telão. Porém, os fios dos equipamentos estavam todos a mostra e o enquadramento da imagem da apresentação que se passava no telão estava torto. A luz amarela simples também permaneceu durante todas as apresentações, exceto na última em que as cores das luzes se alteravam no decorrer da canção.

Um ponto negativo para quem acompanhou o evento foi que em nenhum momento foi mencionado o nome da escola de música que promovia o recital. Entretanto, o salão A do Ópera, com capacidade máxima para cerca de 700 pessoas, ficou praticamente lotado.

Bianca Machado

Serviço:

O 4º Recital de Teclado aconteceu na noite do dia 8 de outubro, terça-feira, no Cine-Teatro-Ópera, Centro de PG.

12/10/2013

História local de uma crença

Livro vencedor de concurso literário de PG retrata tradição religiosa de mais de 130 anos de existência

livro-aberto

Como vencedor do concurso municipal literário de 2012, Fé, Cultura e Tradição: as celebrações em honra ao Divino Espírito Santo na cidade de Ponta Grossa – 1882/2011 é o 4° volume de um conjunto de pesquisas dedicadas à memória cultural dos Campos Gerais do Paraná.

Mais que a imersão na cultura religiosa, o livro é uma narrativa cronológica. Antes de iniciar, o escritor Vanderley Rocha faz uma breve introdução trazendo ao leitor a história da devoção ao Divino Espírito Santo e como ela se propagou pelo Brasil através dos colonizadores portugueses.

IMG_7632

O livro de 110 páginas é dividido em três capítulos. Nesse espaço são abordados os aspectos que tornaram o culto uma tradição em Ponta Grossa, tais como a origem da devoção, o espaço sagrado que é a “Casa do Divino” e o significado para os devotos, os rituais (procissão, rezas, novenas, missa e a festa) e também a religiosidade e criação da Diocese de Ponta Grossa.

O autor procura explicar diversos termos religiosos, como o “sagrado” e a “materialidade do divino”, e também, termos sociais, como “patrimônio”. Dessa forma, o texto é didático e abrange mais que os religiosos. Todos têm condição de ler e entender o livro. A linguagem da narrativa é simples e torna os fatos e dados mais fáceis de ser compreendidos, evitando uma leitura cansativa. Há equilíbrio entre a devoção e a informação.

É uma obra que não se resume ao fanatismo de uma crença, mas situa o leitor no contexto de cada acontecimento. E por contar através da ordem cronológica dos fatos, é possível ver a evolução da tradição, a multiplicação de devotos e o fortalecimento da crença ao longo de mais de 130 anos.

Giovana Kai

Serviço:                                                                                                            

Fé, Cultura e Tradição: as celebrações em honra ao Divino Espírito Santo na cidade de Ponta Grossa – 1882/2011

Autor: Vanderley de Paula Rocha

O livro tem 110 páginas e foi editado pelo concurso Municipal de Pesquisas Históricas da Fundação Municipal de Cultura de PG

12/10/2013

Um hambúrguer de ‘mentira’

Hamburgueria Gourmet oferece aos clientes o Gourmet Quinoa, um lanche artesanal vegetariano

pratos

Uma opção para quem não come carne é o hambúrguer vegetariano da Hamburgueria Gourmet. Apesar de ser caro, o ‘Gourmet Quinoa’ é macio e bem preparado, pois não desmancha e é grelhado no carvão, como um churrasco. O sanduiche é composto de pão tradicional, hambúrguer artesanal de quinoa com 150g, queijo prato, alface americana, tomate e molho adicional de alho. O hambúrguer lembra a carne tanto no gosto, quanto na aparência.

Quinoa é o grão de uma planta originária da Cordilheira dos Andes. É rico em proteínas e carboidratos. A hamburgueria acerta no adicional com molho de alho, que não é tão forte e combina com o lanche, mas peca na quantidade exagerada de sal do hambúrguer. Temperos como cebola e cheiro verde são percebidos na refeição. O pão é macio e relativamente menor que os servidos em outras lanchonetes.

522247_378092642273960_238987450_nFoto: divulgação

O pedido demora entre 10 e 15 minutos para chegar. Por ser assado em churrasqueira, é possível pedir o “ponto” do hambúrguer. Bem passado (mais crocante) ou mal passado (mais macio). Todos os lanches são preparados no dia e de modo artesanal, ou seja, a casa não trabalha com hambúrguer congelado. O atendimento imediato é um dos atrativos da casa.

O ambiente da hamburgueria é aconchegante. Além das internas, o espaço possui mesas externas, pouco usadas quando não ocorre música ao vivo. O som interno pode incomodar o cliente, pois discos são tocados inteiros. Alguém que não goste de Paralamas do Sucesso, por exemplo, precisa ouvir várias músicas do grupo para comer na Hamburgueria Gourmet. Intercalar a playlist agradaria mais clientes e poderia até evitar má digestão.

André Jonsson

O hambúrguer custa R$ 15,00. Hamburgueria: Avenida Bonifácio Vilela,
nº433 – Centro, Ponta Grossa/PR Fone: 042 3229-2800

12/10/2013

Um pagode entre amigos sempre bem vindo

O grupo ‘Por Acaso’ vem ganhado espaço no cenário pontagrossense e conquista respeito do público princesino

vitrola21

O grupo de pagode Por Acaso se apresentou no último dia 5 de outubro fazendo um pagode de mesa entre amigos. A apresentação aconteceu no bar do Carpa, localizado próximo ao shopping Palladium, com a presença aproximada 100 pessoas. Os músicos comandaram o samba no final da tarde de sábado e, apesar do lugar ser pequeno, o publico se divertiu com o grupo.

O Por Acaso abriu o pagode de mesa com o cover de “Simples Desejo”, música da cantora Luciana Mello, que está fazendo um sucesso na voz de Thiaguinho. O Por Acaso tocou vários estilos entre samba e pagode, uns mais antigos e outros mais atuais. E no repertório não faltaram músicas da Turma do Pagode, Exaltasamba, Revelação. O grupo possui composições próprias, mas no dia não as cantou.

SONY DSCFoto: divulgação

 No dia do pagode o grupo se apresentou com violão, pandeiro, surdo, tamborim. E, apesar da acústica do local não ser das melhores, a harmonia dos instrumentos fez com que isso passasse despercebido. A voz do atual cantor do grupo também harmonizou com os instrumentos, não ficando abafada e saindo perfeitamente, cansar o público.

O Por Acaso foi aos poucos, ganhando espaço e credibilidade, conquistando o público de Ponta Grossa, que se mostra um tanto seleto e fechado para outros estilos musicais, como por exemplo, o samba e o pagode. O Por Acaso cresceu profissionalmente e já foi convidado para abrir o show do Grupo Katinguelê, responsável por músicas que fizeram sucesso na década de 1990, como “Inaraí”, dentre outras. O show acontece no Diretoria Bar no domingo dia 13 de outubro.

Kauana Mendes

Serviço: Próximo show do Por Acaso acontece no Diretoria Bar

Rua: Balduíno Taques n° 1352 – Ponta Grossa/PR

Ingressos a R$15

 

12/10/2013

Salve a mata atlântica

Pelos pubianos, ou a ausência dos mesmos, dividem opiniões e gostos, mas demonstram transformações na vaidade de mulheres e homens

moda-e-estilo1

Recentemente, um ensaio fotográfico de uma conhecida revista masculina trouxe uma atriz de telenovela da noite exibindo uma vasta quantidade de pelos na virilha. As fotos deram o que falar e lançaram uma questão sem novidade: pelos pubianos estão mesmo fora de moda?

O fato é que o Brasil exporta tecnologia e esteticistas especializadas na depilação íntima total, conhecida lá fora como “à brasileira” ou “brazilian wax” e criou-se, inclusive, um padrão de sensualidade assumido em várias partes do mundo. Entretanto, por aqui depiladoras inovam e oferecem não apenas o serviço “tira tudo”. É possível, no entanto, usar a criatividade íntima e abusar das formas. Coração, ursinho, estrelinha, raio, morango, bigodinho do Hitler e as iniciais do(a) parceiro(a) fazem parte das fantasias de homens e mulheres. Pode-se afirmar que o formato caracteriza personalidade, mas ainda não inventaram a psicologia da depilação.

Depilacao-imagem (foto - divulgacao)Foto: divulgação

A vaidade das partes íntimas é uma invenção recente, de pelo menos 15 anos. Quer atestar? Pegue uma revista Playboy da década de 1980 que Claudia Ohana ou Maitê Proença vão lhe mostrar. Ou então, procure qualquer pornochanchada e você verá que naquela época nem se pensava na moda íntima nua em pelo.

A moda também está presente nos homens, seja no estilo “zero pelo” ou nos formatos diversos, com a diferença que nem todos os salões de depilação oferecem o serviço para homens. No caso masculino há uma vantagem, pois a ilusão de ótica pode lhe dar mais dois centímetros. Ops, melhor parar por aqui, pois este assunto é muito pentelho.

Marcelo Mara

Serviço:

Depilação Janice (Especializada em depilação feminina)

R. João Cecy Filho, n. 56, Centro – Ponta Grossa/PR

12/10/2013

Uma chuva clichês em forma de filme

Sequencia da animação infantil ‘Tá Chovendo Hambúrguer’ não inova, mas segue receita de sucesso para crianças

projetor322

Um mocinho atrapalhado, mas leal, um vilão bem malvado que quer tirar proveito de todas as situações, outro vilão que se converte no final e passa para o “lado do bem”, um amigo chato que sempre tem piadas bobas, um objeto, bicho ou criança fofo, de olhos grandes que é engraçado e tem falas marcantes, um problema a ser resolvido, um clímax, um final feliz e muita música. Essa parece ser a receita para um filme de animação hoje.

Isso não muda no filme Tá chovendo hambúrguer 2, que segue com temas centrais como a  amizade, o dilema de achar o eu verdadeiro e a luta do bem e o mal, além de algumas discussões sobre família. O primeiro filme também têm seus clichês mas conseguiu escapar melhor ao incluir tecnologia, ciência e uma insinuação ao tema da cultura de aparência, visto que não se aprofunda na discussão.

divulgaçãoFoto: Divulgação

O segundo filme também toca em alguns temas sem aprofundar, como meio ambiente e a falta de escrúpulos de empresas ao lidar com natureza e principalmente animais. O filme também faz uma crítica, mesmo que quase subliminar, ao progresso científico e deixa os adultos que saem do cinema com o questionamento do poder da ciência e até onde podemos avançar, sem ferir e prejudicar outros seres que não são racionais do mesmo modo que os seres humanos mas, como o filme sugere, possuem família e uma vida a qual não temos direito de atrapalhar.

O filme estreia na semana do dia das crianças, com o propósito de atrair, principalmente pelo feriado, famílias que procurem lazer e um filme com lições de moral e final feliz.

Maria Luísa Cerri

Serviço:

O filme está disponível no shopping Palladium e no shopping Total. A programação completa do cinema nos sites:

Palladium: http://cinearaujo.com.br/

Total: http://www.cinemaslumiere.com.br/

12/10/2013

Operário se mantém na mídia através de torcedores

Programa semanal tem enfoque voltado ao clube princesino e conta com um convidado diferente a cada edição

na-tela

Com a intenção de manter o Operário Ferroviário (OFEC) ativo nas rodas de discussões quando o assunto é futebol, a Associação Avante Fantasma (AAFA) lançou no segundo semestre de 2013 em seu canal na YouTube, o programa Papo de Boteco. Apresentado por Dyego Marçal e Thiago Moro, a atração possui 30 minutos de duração.

O programa já recebeu a presença de Piska Rodrigues, o ex-técnico do clube ponta-grossense, Jair Palowski ex-jogador e o comentarista esportivo local Altair Bail, além de integrantes da diretoria do Operário. As entrevistas são realizadas de modo descontraído em um cenário que lembra aos bares onde torcedores acompanham jogos de futebol e discutem sobre a atuação do clube. Esse aspecto faz com que o convidado se sinta mais ambientado e a conversa decorra com maior naturalidade.

Foto André Bida

A atração disponível no YouTube conta com 9 edições realizadas até o momento, e foram gravadas na sede da AAFA, porém ouve uma exceção quando no quinto programa os dirigentes do Operário tiveram um ‘bate-papo’ com os apresentadores na sala de imprensa do estádio Germano Krüger, em Vila Oficinas, PG.

O Papo de Boteco não pode ser considerado um programa esportivo, e sim de futebol, pois outros assuntos que não sejam sobre o Operário não estão presentes na pauta. Este modelo de entretenimento traz uma relação mais próxima, entre o telespectador que na maior parte é formada por torcedores do time e os apresentadores, pois dificilmente se vai ouvir falar mal do seu time. E, a partir do início de outubro, o programa passa a ser transmitido também na TV Comunitária, canal 17 do sistema a cabo local.

André Bida

Serviço:

Papo de Boteco está disponível no Youtube:  http://www.youtube.com/user/avantefantasma/videos e na TVCOMPG: às quartas-feiras às 21h30, reprise aos sábados no mesmo horário.

12/10/2013

Voz e bombardeio de reivindicações no ‘Canhão Informativo’

Jornal mensal produzido pelos servidores públicos de PG mostra a falta de estrutura no cotidiano de funcionários municipais

 entre-linhas12

Se a vida do servidor municipal de Ponta Grossa não vai bem, o Canhão Informativo denuncia. O jornal, de distribuição mensal, com tiragem de 6.000 exemplares, aborda problemas que os funcionários enfrentam nas mais diversas áreas de trabalho. Na edição de setembro de 2013, o Canhão traz como manchete o atraso no pagamento dos professores da rede municipal e diversas reivindicações referentes ao cotidiano de trabalho dos servidores.

Impresso no formato tabloide, o tom de denúncia ecoa pelas oito páginas. Por isso, o jornal se torna um dos principais meios de comunicação entre sindicato, servidores públicos municipais e governo local. No espaço denominado “Na mira do Canhão”, existem textos e fotos que mostram um exemplo real de obstáculo à vida dos servidores. O alvo do Canhão, na última tiragem, foi o banheiro feminino do 4º andar do Paço Municipal, que estava interditado.

IMG_0480

Foto: Keren Bonfim

Não há um jornalista responsável para as matérias publicadas. No expediente, é possível encontrar apenas os nomes dos responsáveis pela Secretaria de Imprensa e Divulgação, mas o leitor não possui certeza sobre a autoria dos textos. A falta de autoria se repete também em relação ao conteúdo fotográfico. Se por um lado isso representa um ponto negativo, por outro, demonstra um outro formato jornalístico: o sindicalismo dos jornais.

O jornal dos servidores pretende, com breves palavras, noticiar as condições de trabalho dos funcionários. Contudo, matérias mais aprofundadas a respeito do dia a dia do trabalho municipal seriam mais um estampido sonoro nos 24 anos do Canhão Informativo.

                                                                                                            Keren Bonfim

Serviço:
Tiragem: 6000 exemplares
Distribuição gratuita no SindservPG.

Rua Santos Dumont 1234, Centro – Ponta Grossa/PR