Renato Russo, abandono e tédio

projetor322Somos tão Jovens, assim como diversas cinebiografias, traz falhas e acertos, com destaque para o protagonista

     Final da ditadura militar em Brasília. É esse o contexto do filme Somos tão jovens. O longa retrata o período de 1976 a 1982, no qual Renato Manfredini Jr., o garoto estranho e solitário, se torna um dos nomes de referência da música brasileira. A história começa com a descoberta da doença que obriga Renato a ficar em cadeira de rodas por um tempo, época em que ele idealiza se tornar um astro do rock. O roteiro passa pela fundação do grupo Aborto Elétrico, mostra a fase como o ‘Trovador Solitário’ e vai até a formação da banda Legião Urbana.

      O ator Thiago Mendonça encarna Renato Russo de tal forma, que em momentos há a impressão de que é o próprio cantor quem está no filme. Isso se dá pelos trejeitos e traços da personalidade de Renato interpretados por Thiago. O ator também consegue captar as dúvidas e angústia da personagem de forma impecável.

projetor

Foto: divulgação

     Trechos das músicas de Renato são usados em alguns diálogos do documentário, quando se percebe que a inspiração para escrever as canções surgiu de conversas do cantor com pessoas próximas. Mas a tentativa acaba por deixar os diálogos sem sentido. As técnicas de gravação do filme, em alguns momentos, incomodam quando se usa uma câmera irrequieta, que em alguns casos fecha (closes) nos rostos dos atores.

     Alguns dos personagens importantes na vida de Renato interpretados no filme somem ou aparecem de forma confusa aos espectadores, o que mostra uma abordagem rasa das relações do cantor, como um dos casos amorosos de Renato, que é retratado no filme apenas para indicar a homossexualidade do cantor, sem debater o tema.

Nábila Fernanda

 Serviço:
Somos tão jovens (2013)
Censura: 14 anos. Gênero: Drama
Duração: 104 minutos. Direção: Antonio Carlos da Fontoura
Programação:  Multiplex Palladium: Segunda, Quarta, Sexta, Sábado e Domingo: 15:30 17:30 19:30 21:30h. Terça e Quinta: 17:30 19:30 21:30
Shopping Total: Todos os dias:14:00 16:10 18:20 20:40

Anúncios

3 comentários to “Renato Russo, abandono e tédio”

  1. Discordo com a crítica, o filme é patético, enquadramentos comuns, atores ruins, fotografia nada interessante. Achei a atuação do protagonista caricata demais, trejeitos exagerados… Acho que o filme não se aprofunda em algumas questões por que não é uma biografia do Renato Russo, e sim um filme de ficção, baseado em sua vida, e acho que principalmente nas músicas dele. Acho que a crítica pode ir além do roteiro e da atuação,

  2. Desculpe Larissa, mas não acredito que alguém que inicie três frases seguidas com o verbo achar tenha gabarito para comentar todas as críticas da maneira como você está fazendo,

  3. Não fiz critícas as pessoas que escreveram os textos, os comentários não devem entrar nesse mérito. Considero o blog, crítica de ponta um meio valioso no qual os estudantes de jornalismo aprimoram a escrita, e principalmente expõe seu trabalho. Quando escrevi queria apenas ajudar, mostrando meu ponto de vista sobre o filme , se não agradou, sinto muito. Não tenho gabarito, mas posso me considerar uma leitora do blog, me senti no direito de comentar. Posso não ser uma exímia escritora, com vícios de linguagem, e é claro ninguém precisa aceitar meus comentários, mas eu esperava mais abertura dos alunos de jornalismo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: