Archive for Março 15th, 2013

15/03/2013

Não vamos passear no parque

Imagem

Há sete anos abandonado Parque Margherita Masini continua sendo um espaço nada convidativo para dar um passeio

Inaugurado em 1999 o Parque Municipal Margherita Sannini Masini, localizado na Rua Estanislau Anastácio Piekarski, ao lado do Hospital da Criança João Vargas de Oliveira, na Vila Estrela, tornou-se uma opção de lazer para a população pontagrossense da época. Contudo, hoje o cenário é outro.
Construído durante a gestão do prefeito Jocelito Canto (1997-2000) e abandonado no mandato do prefeito Pedro Wosgrau Filho, em 2006, o parque passou por todo tipo de roubo, vandalismo e depredação, a ponto de atualmente não ser um espaço aconselhável para um passeio em família.

Imagem
Quando inaugurado e durante boa parte de sua atividade, o parque trouxe diversão para crianças com os tradicionais brinquedos de parquinho, mais equipamentos de musculação, também conhecidos como academia da melhor idade, que hoje se espalham por várias praças e calçadas de Ponta Grossa, mas que na época eram privilégios de poucos locais públicos. Havia, ainda, no local uma sala com aves empalhadas, vidros com insetos, cobras e peixes em exposição permanente, além de escritório e banheiros.
Tudo foi saqueado quando a segurança pública deixou o local. Em pouco tempo as estruturas metálicas, portões, portas, louças do banheiro e até mesmo a areia do parquinho virou objeto de negócio, e o local de sociabilidade deu lugar para a criminalidade. Uma grande quantidade de latinhas amassadas atesta a frequência de usuários de crack, garrafas de bebida e outros lixos tomam conta, principalmente na fonte localizada perto da entrada do parque.
O que restou foi apenas o asfalto da trilha acidentada, agora tomado pelo mato e o crescimento das plantas. A natureza faz o seu trabalho e em alguns momentos até traz a esperança de que o parque ganhe melhores dias. Por enquanto, qualquer visita é um risco.

Marcelo Mara

Serviço:
Parque Margherita Sannini Masini
Rua Estanislau Anastácio Piekarski s/nº – Vila Estrela – Ponta Grossa/PR.
(Espaço abandonado e se encontra aberto em qualquer dia ou horário)

15/03/2013

Criatividade no cardápio e sabor no prato

pratos2

 

Petiscaria e Boteco, inaugurada há 10 meses em Ponta Grossa, oferece porções para todos os gostos

Para quem gosta de aguçar o paladar, a Petiscaria e Boteco Hora Certa é uma opção que não pode sair da agenda. O estabelecimento possui dois ambientes para seus clientes: o deck e o salão interno. A decoração é interessante, em harmonia com o nome do boteco. Nas paredes vários relógios fixados, assim como adesivos e também propagandas antigas. A entrada possui uma elevação de aproximadamente 30 centímetros e impossibilita o acesso por deficientes físicos. No estacionamento do local há uma entrada pelos fundos, porém as portas de todo o lugar são estreitas, e no banheiro há cadeiras de madeira empilhadas, dificultando a movimentação. O local possui sistema de alarme, câmeras de segurança, luz de incêndio e placas sinalizando as saídas.

DSC_0066 (2)

Foto: Rafaela Oliveira

No cardápio existem diversas opções de bebidas com ou sem álcool. As porções têm nomes criativos como o “porquinho embriagado”. No Hora Certa ouve-se músicas do pop nacional, como Kid Abelha e Roupa Nova, enquanto se aguarda o pedido. O atendimento é atencioso e os petiscos não demoram a ficar prontos. Com exceção das empadinhas, que são assadas, a espera é de aproximadamente 10 minutos pelo pedido. Um detalhe que pode ser incomodo é que, o suco já vem adoçado com açúcar, mesmo que o cliente não peça.
O bolinho de camarão, acompanha quatro tipos de molho. Apesar de bem temperado, da casca crocante e do interior macio e quente, dificilmente se encontra pedaços de camarão no recheio. A “empadinha da rainha” merece um trato especial. Feita com queijo gratinado, não apresenta a tradicional “tampinha” da empada. Ao invés da massa comum de empadinhas, a massa folhada oferece uma textura crocante e leve. O queijo gratinado da parte superior da empada é dourado no forno, e por dentro macio. A cada mordida, é possível sentir o calor do queijo quente derretendo no interior da boca. O sabor se assemelha ao catupiry, porém com um aroma marcante e irresistível.

DSC_0057 (2)

Rafaela Oliveira

Serviço:
Petiscaria e Boteco Hora Certa: Rua Penteado de Almeida, 455 – Centro.

Fone: (42) 8805-6407. Horário de funcionamento: de terça a domingo, a partir das 18h.

Bolinho de camarão (12 unidades): R$ 17,00. Empadinha da rainha com 12 unidades: R$ 12,00. Sucos: R$ 2,50 e 3,00

15/03/2013

Faltam atrevidos

Imagem

Os comentários sobre a edição passada do blog já tiveram efeito. Positivos, aliás. A revisão, agora bem feita, garantiu textos organizados, com pouquíssimos erros que nem merecem ser mencionados. Visualmente o Crítica de Ponta também está melhor, os textos justificados caíram bem ao blog que parece mais organizado esta semana.
Quanto às críticas alguns vícios persistem. Novamente a descrição supera a argumentação na maioria das editorias, palavras repetidas deixam alguns textos enfadonhos com a impressão de que foram escritos às pressas e no caso das fotos, o mesmo cenário: apenas três das dez editorias trazem imagens.
Os títulos, que podem ser mais ousados e criativos, estão um tanto ‘quadrados’. É preciso lembrar que é pelo título que se conquista o leitor, afinal se ‘a imagem é a alma do negócio’, o título é a vitrine do texto. No caso da editoria ‘Em cena’ tal comentário não se aplica. Bem feita, simples e leve, a crítica orna com o título – ‘Era uma vez, o dia que durou seis anos’.
‘Moda & Estilo’ quase escorrega outra vez no problema da propaganda não intencional e peca em alguns comentários que podem incomodar àqueles que gostam de cases ‘como um carro alegórico, com formato de animais, lembrando um soco inglês, muito strass, brilho e pompons’. Nesse aspecto vale lembrar que criticar é permitido, mas respeitar é necessário.
E como existe a obrigação (ou costume) social de se elogiar algo quando está muito bom, nesta semana, as críticas de ‘Antena’ e da já mencionada ‘Em cena’, merecem. De todo modo, escapa à memória que o blog é um espaço de experimentação, falta atrever-se mais, buscar mais, criticar mais.

Hellen Bizerra

15/03/2013

Agenda

Imagem

 

11 a 23 de Março

Atividade: Exposição de fotos “Lente Quente”, de Rafael Schoenherr
Data: de 11 a 19 de Março.
Local: Biblioteca Pública Municipal Professor Bruno Enei, Rua dos Operários, s/n – Olarias, situa-se próximo ao Supermercado Muffato
Horário: Horário de funcionamento da Biblioteca de segunda a sexta-feira das 8h às 19h e aos
sábados das 8h às 13h
Ingressos: Entrada Franca

Atividade: Dia de São Patrick (St. Patrick’s Day)
Local: LEADS, Rua Dr. Paula Xavier, 1070 – Centro, Ponta Grossa
Quando: 16 de Março
Apresentação: Banda Rockin Hollics (Curitiba/PR)
Reservas e Informações: 42 3301 9939
Horário: A partir das 19h
É obrigatório portar documento oficial com foto para check in na casa. Menores de 18 anos entram somente acompanhados do pai, mãe ou responsável legal.

Atividade: Reunião para Organização da 2° Marcha das Vadias
Quando: 17/03
Aberto a todos e todas
Horário: às 19h
Local: DCE UEPG, Rua Bonifácio Vilela, ao lado da Livraria Universo da Leitura.

Atividade: Semana do Teatro e do Circo “ Teatro e Circo em Festa – Ano 4” Espetáculo “Rei do Mundo”- Casa da Arte/Fora do Sério | Ribeirão Preto – SP
Data: 19 de março.
Promoção: SESC PG e FMCPG
Local: Cine-Teatro Ópera- Auditório A, rua XV de Novembro, 452/468, Centro, Ponta Grossa
Horário: 20h
Ingressos: Entrada Franca- ( retirar ingressos no SESC)
Classificação: Livre

Atividade: Projeto Tela Alternativa- Exibição do Filme: “Pecados Íntimos (Little Children)”
Direção: Todd Field- 2006- 130 min
Promoção: UEPG- Departamento de Línguas Estrangeiras Modernas e FMCPG
Local: Cine-Teatro Ópera – Auditório , rua XV de Novembro, 452/468, Centro, Ponta Grossa
Horário: 19h30
Ingressos: Entrada Franca
Classificação: 16 anos
Data: 19 de março

Atividade: Semana do Teatro e do Circo “ Teatro e Circo em Festa – Ano 4” Espetáculo “Mnemônicos”- Grupo Epíteto / Ponta Grossa – PR
Promoção: SESC PG
Data: 19 de Março.
Apoio Cultural: FMCPG- Fundação Municipal de Cultura de Ponta Grossa
Local: Casa da Dança – Rua Sete de Setembro, 510, esquina com a Rua Padre João Lux.
Horário: 19h às 21h
Ingressos: Entrada Franca
Classificação: 16 anos

Atividade: Semana do Teatro e do Circo “ Teatro e Circo em Festa – Ano 4” Espetáculo “Mente a sua mente”- Grupo Asterisco Cênico / Ponta Grossa – PR
Promoção: SESC PG
Apoio Cultural: FMCPG- Fundação Municipal de Cultura de Ponta Grossa
Local: Cine- Teatro Opera – Auditório B, rua XV de Novembro, 452/468, Centro, Ponta Grossa
Data: 20 de Março
Horário: 20h
Ingressos: Entrada Franca
Classificação: 14 anos

Atividade: Semana do Teatro e do Circo “ Teatro e Circo em Festa – Ano 4” Espetáculo “Shakespearience- Casa de Artes Helena Kolody | Curitiba – PR- Uma Opera Rock Shakespeariana
Promoção: SESC PG
Apoio Cultural: FMCPG- Fundação Municipal de Cultura de Ponta Grossa
Local: Cine- Teatro Opera – Auditório B, rua XV de Novembro, 452/468, Centro, Ponta Grossa
Data: 21 de Março
Horários: 15h e 20h
Ingressos: Entrada Franca
Classificação: 16 anos

Atividade: Ato Educativo sobre a comercialização de animais domésticos
Data: 23 de Março
Horário: 08:00 até as 13:00
Local: Concentração ao lado do Terminal Central de Ônibus
Promoção: grupo AVEG (Abolicionistas Veganos) e o Grupo Fauna

15/03/2013

Presente rimado em três versos

Imagem

Kleber Bordinhão é um dos poetas de Ponta Grossa que aderiu ao estilo japonês de poetizar

Rimas que remetem a sensações e subjetivismo no presente, apenas em três versos. Essas são algumas das características dos haicais de Kleber Bordinhão, ou, como ele assina os poemas, “Kabs”. Haicais são poesias de origem japonesa (haiku, no Japão) que são feitos em três versos, normalmente fazem referência à natureza, remetem a um evento particular e não a uma generalização e são escritos no tempo presente.
Em seus haicais, Bordinhão trata dos mais variados temas, passando por vida, amores, fatos cotidianos e outras variações. O autor brinca com as palavras de forma natural, utiliza rimas na maioria das poesias e relaciona de maneira harmoniosa palavras parecidas com significados diferentes.
Assim como varia o tema das poesias, Kabs tem alguns haicais descrevendo e dando sentido ao próprio termo “haicai”. Em alguns, utiliza palavras estrangeiras para trazer mais ênfase à arte.
Para os pontagrossenses apreciadores da arte poética japonesa, Bordinhão também escreve haicais sobre temas e lugares da cidade. Um dos últimos escritos lembra a Estação Saudade.
Os haicais ganharam espaço no Brasil nas últimas décadas. Em Ponta Grossa, também é possível encontrar outros poetas que seguem a forma japonesa de escrever poesias. Entretanto, Kabs é um dos poucos a divulgar seu trabalho em espaços públicos de cultura da cidade. Bordinhão expôs 107 poemas na Biblioteca Pública de Ponta Grossa. A exposição aconteceu de 4 a 8 de fevereiro, mas os poemas podem ser encontrados no blog do escritor.

Bianca Machado

Serviço:
http://www.kleberbordinhao.com.br
A exposição das poesias foi realizada na Biblioteca Pública Municipal de Ponta Grossa entre 4 e 8 de fevereiro de 2013.

15/03/2013

Em cima do jornal impresso

644456_474440085937338_1217892293_n

Noticiário que promete reportagens investigativas fica na leitura de diários impressos

O Programa Em cima da hora, conduzido por Dom Sebastian, é anunciado na programação na emissora como informante de acontecimentos do “Brasil e região com uma linguagem simples e objetiva”. No entanto, o apresentador prioriza as matérias locais.

A edição que rodou na quarta-feira, 13/03/2013, começou com a leitura da previsão do tempo e das manchetes dos jornais da cidade. A vinheta do programa promete notícias de última hora, fatos marcantes e reportagens investigativas. Porém, a investigação se restringe às páginas dos diários locais.

Munido dos impressos sobre a bancada, Sebastian lê as manchetes e faz comentários como “é o fim do mundo”, “muito dez” e “eu estou decepcionado”. O primeiro bloco do programa se resume em reprodução de manchetes dos jornais e comentários improvisados.

Os outros três blocos iniciam com propagandas de churrascarias, lanchonetes e lojas, que tomam metade do tempo de cada bloco. O apresentador checa o relógio com frequência, o que pode incomodar o telespectador.

No início do terceiro bloco, problemas técnicos são visíveis. O computador não funciona e obriga Sebastian a recorrer às páginas internas dos jornais. A mudança de câmeras é utilizada apenas uma vez, pois a edição não consegue acompanhar a troca.

Enfim, no quarto e último bloco, reportagens da revista Veja são comentadas. O computador volta a funcionar nos últimos minutos do programa e o anúncio do novo papa chega com a observação “achei meio idoso para o cargo”.

Para apostar em fatos marcantes e reportagens investigativas, a equipe do Em cima da hora precisa pensar em produções autorais. Montar o programa e planejar os temas a serem abordados é fundamental para transmitir informação. O programa deve refazer estratégias para solucionar problemas que vão além do computador que não funciona.

André Jonsson

Serviço:

Programa Em cima da hora

TV Vila Velha – Canal 16 Net cabo Ponta Grossa

Exibido nas segundas, quartas e sextas às 16h45.

15/03/2013

“Sim… o programa Coqueluche está no ar”

Imagem

Música, irreverência e bom humor em produção de rádio web regional

O programa Coqueluche resulta de parceria entre a rádio Web Chiva e a Casa de Artes Helena Kolody. De caráter humorístico, apresenta-se no formato de diálogo entre os locutores. A duração dos blocos varia de 15 a 20 minutos, entre cada bloco há músicas de rock nacional e internacional.
A interação entre locutores e ouvintes se dá através do Facebook, na página da Casa de Artes Helena Kolody, o que facilita para o público e funciona como divulgação. O fluxo de comentários foi pequeno durante a edição acompanhada (14/03), o que não parece incomodar, sendo ironizado por Julio Coco, um dos apresentadores.
O ar de improviso do programa é reforçado pela entrada ao vivo de um antigo participante (que volta ao quadro de locutores) via telefone, havendo dificuldade de compreensão das falas do convidado. Todas as músicas tocadas são citadas, no início de cada bloco, facilitando para a audiência. O programa foge do convencional, não possui tema específico ou quadros aparentemente fixos.
O website da rádio Web Chiva, onde o programa é apresentado, está em manutenção, tendo como único elemento a barra do player da rádio. Não há possibilidade de consultar a programação da rádio ou formas de contato e chat. A transmissão direta pela barra de streaming da rádio no site é falha e cai constantemente, problema que é resolvido se o programa for ouvido usando um player externo ao navegador.
Ao Coqueluche falta qualidade técnica, mas o problema é contornado pelo bom humor dos locutores e repertório musical. A desenvoltura é a peça chave do programa, onde o assunto inicial provocas risos e minutos de conversa entre os apresentadores, sem exagerar nos palavrões ou agressões, como é comum no gênero humorístico, principalmente em programas veiculados na internet. Despretensioso, na avaliação do locutor: “o programa é ruim, estamos tentando piorá-lo, mas a música é boa”.

Ozires Kelvin Vieira

Serviço:
Programa Coqueluche
Apresentação: Quarta-feira 23:00h. Reprise: Sábado 19:00h
Endereço: http://www.radiowebchiva.com

15/03/2013

Cantores gospel são reverenciados pelo público ou cachês?

vitrola1

Sucesso da música gospel no país indica interesses financeiros em shows e apresentações públicas

No próximo dia 28 de Março, o cantor e compositor gospel, Thalles Roberto, se apresenta no Centro de Eventos de Ponta Grossa. Para o show, estão previstas mais de 10 mil pessoas. Os ingressos já estão disponíveis ao preço de R$25,00. A apresentação tem uma média de duas horas de duração e é muito provável que a grande maioria do público seja de pessoas evangélicas.

Não é de hoje que empresários e gravadoras do meio artístico aumentaram o olho neste segmento de mercado, antes criticado e agora visto com outros olhares. Isso foi possível graças à abertura que a música gospel contemporânea conseguiu dentro das igrejas, e pelo fato dos jovens que frequentam os templos estarem expostos aos mais variados gêneros musicais existentes.

Outro fator relevante é que muitos artistas reconhecidos no meio gospel participam e são convidados a se apresentarem nos mais variados programas televisivos. O mais curioso é que, aquelas pessoas que criticavam esse tipo de música, hoje escutam, cantam e gostam. Quem diria que cantores como Ana Paula Valadão, Aline Barros, Ludmila Ferber, Fernanda Brum e tantos outros participariam de programas na Rede Globo? Bom por um lado e, talvez, nem tão bom assim por outro!

De cantores a artistas, toda esta bajulação recebida por parte das igrejas faz desses cantores, antes abençoadores de vidas, amparados pelos altos cachês cobrados em cada apresentação feita, ou dentro de uma igreja, ou num espaço preparado para a ocasião. Há aqueles que, além de cobrar (bastante), também exigem hotel 5 estrelas, transporte em vans luxuosas e querem que a igreja pague tudo. E, se cobram o que querem, é porque tem igreja que paga.

Não se sabe se quem exige são as gravadoras ou empresários da banda, mas é preciso ter bom senso. É certo que cantores gospel têm despesas, mas precisam cobrar um preço justo, pois muitos que estão na estrada hoje tem sua motivação no resultado que cresce em contas bancárias.

Imagem

Sidnei Sassaki

Serviço:

Local de Apresentação: Centro de Eventos, sn – Santa Terezinha

Data: 28|03|2013, às 21h. Valor do Ingresso: R$25,00

15/03/2013

Moda & Estilo: “Inovação e proteção num só produto”

Insatisfeito com o visual do seu celular? É possível investir com bom senso numa case

Imagem

As capas para celulares oferecem proteção há muito tempo aos aparelhos. Mas com o lançamento do iPhone e do Samsung Galaxy elas alcançaram um novo patamar em questões como requinte e design. Feitas de materiais sintéticos transparentes, elásticos e resistentes, as cases (como as capas são chamadas) tornaram-se um acessório indispensável para muitos usuários de aparelho celular.
Os modelos variam e podem dividir-se em três categorias: as simples, que são apenas coloridas ou transparentes; as intermediárias, que são coloridas e possuem desenhos; e as exageradas, que são aquelas que deixam o celular como um carro alegórico, com formato de animais, lembrando um soco inglês, muito strass, brilho e pompons. O exagero toma conta e algumas capas possuem designs fora do comum, como formato de pedra e de aparelhos de telefone antigo.
Por se tratar de um acessório com características e marcas pessoais, a capinha depende de cada personalidade e estilo. Há cases mais discretas e outras que chamam mais atenção. É importante não errar na escolha, pois existem modelos maiores que não cabem no bolso da calça jeans, por exemplo. E é preciso tomar outro cuidado, ao não exagerar, pois muitos brilhos e cores tornam o produto muito chamativo.
Quem optar pelo acessório mais criativo, exótico, resistente e original desembolsará um valor mais alto comprando em lojas especializadas em celulares. Já quem prefere algo mais simples e barato, também pode recorrer aos camelódromos ou lojas populares da cidade.

Mariele Morski

Serviço:
O preço das cases, em Ponta Grossa, varia de acordo com o modelo de celular, a partir de R$10.

15/03/2013

Imagem, a alma do negócio

Imagem

Com aspecto gráfico diferente dos demais jornais, o Tribuna do Paraná tenta cativar os leitores

O jornal Tribuna do Paraná tem uma característica marcante, que são as capas dos cadernos. Diferente da maioria, que possui um modelo padrão de capa, o Tribuna apresenta os destaques sempre explorando a imagem do assunto relevante do periódico e, algumas vezes, lembra até uma capa de revista. Por ser um jornal de menor influência (e tiragem) no Estado, o jornal não apresenta grandes reportagens nas editorias, na maioria das páginas tem apresenta uma matéria maior, além de breves notas informativas.
O caderno foca o cotidiano da capital paranaense, além de notícias de segurança, política, mundo, editais e atas, turismo, entretenimento e esporte. Um aspecto positivo e que chama a atenção nas edições da Tribuna é o uso da fotografia, explorada não somente na capa, mas também nas matérias.
O enfoque do jornal varia conforme o dia. Por exemplo, na quarta-feira, 13/03, existe um grande número de informações sobre futebol, 13 páginas das 32 da Tribuna são dedicadas a editoria de esporte. O que leva o leitor, que não está habituado a esse periódico, a crer que o conteúdo do jornal, se noticia assuntos relacionadas a cidade em geral ou apenas um jornal esportivo. Outro problema é a questão da publicidade, em todas as páginas do jornal se encontra pelo menos um anúncio, a publicidade cobre metade e até páginas inteiras. Outro fator são os gráficos e tabelas que alguns deles ficam praticamente ilegíveis.Imagem
O jornal, fundado em outubro de 1956, é editado em Curitiba e tem grande circulação na cidade, além de ser distribuído para outras regiões do estado.

Julian Vieira

Serviço:
Jornal: Tribuna do Paraná – http://cacadores.parana-online.com.br/
Preço: R$ 1,00. Contato: caçadores@tribuna.com.br