Archive for Setembro 10th, 2012

10/09/2012

Sejam mais criativos!

Primeira semana como ombudsman do blog desafia a acompanhar o trabalho dos outros colegas nesta categoria e muitos dos apontamentos já feitos são legítimos e convenientes, mas parece que ainda falta um quê a mais nas críticas.

Onde estão as aberturas irreverentes e criativas? Para onde foram as frases de efeito e os jogos de palavra que tanto seduzem o leitor? Os títulos parecem estar melhores, mas ainda há muito que apreender quando se trata de estratégias textuais. Então, aos erros e acertos da última semana.

A crítica da editoria Entre Linhas fica muito focada nos aspectos visuais e pouco diz sobre o conteúdo da revista. Além disso, em alguns momentos, o texto parece confuso e no fim não diz ao que veio. Vale lembrar, que esta editoria não diz respeito apenas aos aspectos gráficos de uma publicação, mas também ao conteúdo, nessa edição, pouco comentado. Destaque para crítica “Você não está em casa, mas bem-vindo à nossa”, a “simplória analogia”, como descreve o autor, foi muito bem utilizada e a abertura do texto surpreende. Em Vitrola, falta um pouco de argumentação: o leitor pode se sentir em uma aula sobre rádio, mas pouco vai entender sobre o produto analisado, já que a verdadeira crítica fica mesmo nas últimas 12 linhas. A editoria Livro aberto também merece destaque por apresentar traços específicos da obra. A autora consegue apresentar diferentes ângulos do livro em questão, apesar do texto ter um começo morno.

Caros críticos, um aviso: lembrem-se de buscar novidades para o blog, procurem não criticar produtos que já passaram pelas editorias doCrítica de Ponta, como que aconteceu em Pratos e Drinks esta semana. Mesmo diferenciando o enfoque, o texto sobre o RU já está batido, em geral tem todo ano, além disso, a crítica parece destinada somente aos frequentadores assíduos do Restaurante Universitário, deixando de contemplar aqueles que não vão ao local.

Há uma melhora nos textos, mas ainda falta argumentar mais, destrinchar os assuntos, analisar o comum e o incomum, pensar se realmente vale discutir determinado produto. Parece que muitos textos estão ali pura e simplesmente para ‘cumprir tabela’, e não se configuram como um exercício de crítica.

Em meados do segundo semestre de 2012, já passou da hora de aprofundar os assuntos, trazer textos com argumentação mais forte e ao mesmo tempo, seduzir o leitor. Para as próximas semanas, o desafio é se destacar, seja pelo produto, pela pauta ou enfoque.

Marina Alves