Archive for Setembro 16th, 2011

16/09/2011

O que é rock aqui pode não ser aí, mas ainda é rock

Nos últimos anos bandas que ganham destaque na noite de PG e região dizem ser de vários estilos e de rock”

As bandas que tocam nas noites de Ponta Grossa e dos Campos Gerais do Paraná, nestes últimos tempos, se intitulam entre uma grande variação de gêneros. Pode-se pegar como exemplo alguns dos grupos em destaque, como a banda Cadillac Dinossauros, que tem em seu repertório principalmente músicas do rock internacional, mas se aventuram no reggae. Outra banda, a Mandau, que se destaca no cenário regional e também na grande São Paulo, mescla em suas composições Black music, soul, reggae e rock. E um dos grupos mais novos nos palcos da cidade, porém com visibilidade crescente, The Wonderboys canta suas músicas, todas compostas por integrantes da banda, em estilos como o rock alternativo, ou seja, um modo diferente de fazer rock que varia de banda para banda.

O Rock’n’roll surgiu na década de 1950 nos Estados Unidos, e já nasceu de uma mistura de estilos (blues e country music). Se este é um gênero que começou de uma mescla e depois disso foi cada vez se segmentando mais, não se pode criticar as composições diferenciadas que cada banda faz e as misturas que elas fazem do rock com outros gêneros variados.

O que as bandas locais fazem é misturar o rock com vários outros arranjos, o que em alguns casos dá muito certo, o rock com o reggae, com o blues, com o country, e o rock alternativo são misturas que as bandas da cidade fazem e que chamam a atenção do público. Na hora de reinventar ou misturar (quase) tudo é válido, o que as bandas não podem é apenas copiar o que já existe. Covers e repetições existem bastante nos palcos princesinos, a música da vez é a inovadora.

Adrian Delponte

Serviço:
Banda Cadillac Dinossauros – http://www.myspace.com/cadillacdinoss
Banda Mandau – http://www.bandamandau.com
Banda The Wonderboys – http://www.myspace.com/thewonderboyss
E para quem quer curtir o rock das bandas locais – Festival Geração Easy Rock, nos dias 15, 16, 17 e 18 de setembro no parque ambiental
Foto: Alucinados.net

16/09/2011

Entre a Vanguarda e a Massa

A Semana Literária do SESC Ponta Grossa demonstra a importância em aprender e discutir sobre a literatura

O que é uma literatura? A semana literária do SESC Ponta Grossa busca responder a pergunta em forma de palestras, oficinas, lançamento de livros e exposições. A Semana literária teve como tema, em 2011, a literatura e sociedade. A abertura ocorreu na segunda, 12/09, com a palestra sobre literatura e sedução com o Prof. Victor Manoel Folquening. E junto a palestra houve um café cultural para o lançamento do livro “Poesia de Segunda”, desenvolvido por sete autores ponta-grossenses.

A Semana Literária desse ano fez também uma homenagem ao critico literário, Antonio Cândido, com uma minibiografia exposta no salão principal do SESC Ponta Grossa. Apesar do aniversário da cidade causar uma interrupção na Semana Literária, foi um acerto para a Semana terminar com a palestra do Prof. Caetano Waldrigues Galindo, sobre a literatura e perigo. As palestras são interessantes como um conhecimento sobre e literatura formando um jogo de conversas com os palestrantes e o público.

Para o público de pouco conhecimento em literatura, estar na “Semana Literária” parece ser algo irrelevante para adquirir conhecimento, mas na realidade discutir sobre o futuro da atividade literária é dever de todos os públicos. Pode parecer arrogante, mas a “Semana Literária” realmente se encaixa ao público que procura conhecer mais sobre literatura e para aquele que já está inserido nesse ramo. A venda dos livros fica a encargo de livrarias da cidade que expõem em frente ao SESC PG.

Todas as palestras, apesar de adotarem temas sérios, foram atividades bem humoradas e que possibilitaram identificar-se com experiências dos palestrantes sobre os serviços que a literatura nos oferece, dramatizando e interagindo com o público presente. No entanto, às 21h 38 do dia 14 de setembro de 2011 encerraram a 30º edição da “Semana Literária” e com o Prof. Caetano W. Galindo, agradecendo ao público com uma sessão de aplausos sobre o comentário do trabalho invisível que os escritores sofrem na sociedade do séc. XXI.

Gildo Antonio

Serviço

Semana Literária – SESC Ponta Grossa. – De 12 a 14 de setembro.

Local: SESC Ponta Grossa, Rua Theodoro Rosas, 1247, Centro.

Foto: Gildo Antonio

 

 

16/09/2011

Poesia e bom humor garantem show

Gari comanda programa de rádio com simplicidade e diversão em Ponta Grossa

O programa “Show do Poeta” é transmitido pela Rádio Central AM, em Ponta Grossa, todos os sábados das 16 a 18 horas. Apresentado por Marcelo Vieira, conhecido popularmente como “Gari Poeta”, o programa está no ar desde 2008, por uma iniciativa de Marcelo, que procurou a rádio para realizar um sonho antigo, o de ser locutor e divulgar seu trabalho como poeta. Marcelo já lançou um livro de poesias em 2009.

O Show do Poeta leva aos ouvintes bom humor, músicas e poesias. A abertura do programa começa com uma mensagem de reflexão e logo depois um hino religioso. Cada semana é um hino de uma religião diferente. Para atrair os ouvintes, também há o sorteio de vários brindes dos anunciantes, assim também estimulando a participação ao vivo na rádio.

Para garantir o bom humor, outros dois personagens participam do programa. A Velha Genoveva, interpretada por Ivo Senhori Junior e o Menino Leco, feito pelo sobrinho de Marcelo, que tem apenas 12 anos. A junção desses personagens traz mais familiaridade com os ponta-grossenses, contando histórias da cidade e com sotaque típico da região dos Campos Gerais, deixando o Show mais descontraído.

O Gari Poeta também declama suas poesias durante o programa, tentando divulgar seu trabalho na cidade, que ainda não é muito conhecido. Também declama poesias de outros poetas da cidade e nacionalmente conhecidos, como Vinícius de Moraes. A programação musical fica por conta da participação dos ouvintes, que ligam na rádio para pedir músicas de sua preferência e através da internet. Marcelo que trabalha de gari durante a semana, parece bem à vontade ao comandar um programa de rádio, aproximando o público com sua linguagem simples e carisma.

 Melissa Eichelbaun

 Serviço

Programa: Show do Poeta

Horário: 16 a 18 horas

Emissora: Rádio Central do Paraná – AM 1460

Apresentador: Marcelo Vieira

Foto: Divulgação

16/09/2011

Ironicamente reflexivo

Com ironia e senso de humor, o documentário Fahrenheit 9/11 faz duras críticas ao governo de Jorge W. Bush

Dois aviões a jato atacaram as Torres Gêmeas do World Trade Center, nos Estados Unidos. O atentado comandado pela Al-Qaeda (organização terrorista internacional), no dia 11 de setembro de 2001, deixou quase três mil mortos. Esse é o tema do documentário Farenhite 9/11, de Michael Moore, produzido três anos após o ataque terrorista. O documentário também aborda a possível fraude que ocorreu nas eleições presidênciais dos EUA em 2000 e insinua que o então presidente na época, Jorge W Bush, teve envolvimento financeiro com a tragédia e com a Guerra do Iraque.

O nome Farenhite é inspirado no livro de Ray Bradbury, Farenhite 451, serve também de trocadilho, pois 451 graus Farenhite é a temperatura de combustão. Moore quer deixar claro o clima de tensão que os norte-americanos passavam no dia e meses depois do atentado. Além dos trocadilhos, a ironia tem uma forte presença no documentário, como na frase dita pelo diretor: “com tudo dando errado, ele [Bush] fez o que qualquer um de nós faria: tirou férias!”.

A sonoplastia deixa os 116 minutos menos maçantes. As músicas e os efeitos sonoros inusitados reforçam o tom irônico que o diretor quer passar. Outro recurso que Moore utiliza é a contraposição de cenas, que deixa mais impactante, como quando aparece Bush lendo um livro e em seguida pessoas aterrorizadas pelo ataque.

Moore peca ao não apresentar, de nenhuma forma, os entrevistados, e os depoimentos ao longo do documentário podem confundir o telespectador. Não se sabe ao certo se as pessoas que falam são jornalistas, políticos ou testemunhas oculares do atentado. Outro ponto a ser questionado é o exagero que, muitas vezes, o diretor comete. Como na montagem feita de Bush no Texas, ou quando descreve o que o ex-presidente poderia estar pensando no momento da cena.

parcialidade de Moore é evidente, analisando o contexto pode-se dizer que o documentário foi produzido para a não reeleição de Bush. Porém, mesmo anos depois, a crítica social que envolve o documentário serve para reflexão deste emaranhado de fatos do mundo contemporâneo. A partir daí cada telespectador tira suas próprias conclusões.

Luana Stadler

Serviço

Documentário: ‘Farenhite 9/11’ (11 de setembro se escreve 9/11 nos países de língua inglesa).

Diretor: Michael Moore

Ano: 2004

Duração: 116 minutos

Prêmio: ‘Palma de Ouro’ no Festival de Cannes(2004).

16/09/2011

Um novo jeito de aprender

TVM acerta na medida, entre informação e serviço em programa destinado a melhor idade

 A população ponta-grossense considerada idosa, ou seja, com mais de 65 anos é de 21.463 pessoas, segundo o censo 2010 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia Estatística). Os idosos representam 10,8% da população brasileira. Pensando na melhor idade, a mídia passou a implantar horários específicos destinados a esse público.

A TVM, canal a cabo de Ponta Grossa, tem em sua grade o programa “Vivendo e Aprendendo”, apresentado aos sábados pela gereontóloga (Médico que cuida de idosos) Célia Shell. O programa traz eventos, dicas de saúde e entrevistas com especialistas falando sobre a qualidade de vida da melhor idade. Mas quem pensa que a atração destina-se somente ao público da terceira idade se engana, pois cada vez mais o tema ganha espaço para profissionais da área da saúde, educação física e serviço social que buscam entender as mudanças físicas e comportamentais que ocorrem ao longo da vida. Além de informar o idoso, o programa também informa a população sobre o processo de envelhecimento.

A abertura do programa tem duração de 46 segundos, mas não utiliza uma trilha originalmente criada para atração. A música utilizada é de composição de Roberto Carlos e Erasmo Carlos, “é preciso saber viver” na interpretação do grupo Titãs. Os formatos utilizados no programa variam de reportagens a entrevistas, mas o tema abordado sempre é qualidade de vida da melhor idade. A linguagem utilizada é acessível ao público, pois apesar da apresentadora ser uma profissional da área de saúde especializada em atendimento de idosos, não faz uso de termos de difícil compreensão.

A mídia, principalmente a TV, foi uma das principais responsáveis pela transformação na mentalidade da sociedade, quando essa passou a verificar que o processo de envelhecimento não deve ser visto como algo negativo.

Marina Alves

Serviço

Programa: Vivendo e aprendendo

Apresentação: Célia Shell

Horário: Sábado 15h, com reprise no domingo, 9h

Canal: TVM- canal 14 – canal a cabo

Site: http://www.redtvm.com.br

Foto: Divulgação

16/09/2011

Movimentos para todos os gostos

Noite de apresentações reúne desde roda de capoeira até dança gaúcha

No programa de atividades da 10ª edição do Projeto Setembro em Dança, realizado em Ponta Grossa, a Cia. de dança masculina Jair Moraes, de Curitiba, se apresentou na segunda-feira, 12/09, no Cine-Teatro Ópera, com outras academias inscritas. O evento, que comemora o 188º aniversário da cidade, objetiva divulgar a diversidade cultural existente no município e atrair a atenção de diferentes grupos para a importância da dança.

Às 20 horas de segunda-feira o auditório “A” do Ópera já estava lotado, quando as apresentações começaram. Treze grupos diferentes se apresentaram. A abertura do espetáculo ficou por conta das danças da Cia de dança masculina Jair Moraes, que apresentou o projeto Tubo de Ensaio, com músicas de Elis Regina e Gilberto Gil. O grupo, com cerca de 20 rapazes, demonstrou uma sincronia resultante de muita prática a fim de alcançar um resultado visualmente belíssimo.

Mas a atração foi apenas o começo. Nas duas horas que sucederam o início do espetáculo, passaram pelo palco do Ópera os mais variados estilos e movimentos. A plateia se manteve atenta a todas as apresentações. Todas as academias que se apresentaram mostraram organização, dedicação e talento para a dança, independente do estilo.

Merecem destaque a roda de capoeira do grupo pontagrossense Muzenza, o grupo de dança flamenca Débora Wolf, o grupo de dança gaúcha de salão Galpão Estância Serrana e a academia de dança Pró Arte. Além das academias, várias apresentações de grupos de escolas da cidade participaram, como o Marista Santa Mônica, o Colégio Sagrada Familia. Houve ainda a participação de Companhias de dança de teor religioso, como o Ministério da Dança, da Comunidade Quadrangular.

O evento ainda conta com várias apresentações de outras companhias de Ponta Grossa durante todo o mês de setembro. Os espetáculos também ocupam espaços abertos, e a entrada para todos é gratuita.

 Patrick Inada

Serviço

Peça: Projeto 10º Setembro em Dança

Próximas apresentações:

18 de Setembro – Domingo:

Local: Complexo Ambiental

Horário: 15h

24 de Setembro- Sábado:

Local: Shopping Antártica

Horário: 15h

 

25 de Setembro- Domingo:

Local: Shopping Antártica

Horário: 15h

 

24 e 25 de Setembro:

Oficina: “ Expressão Corporal”

Local: Casa da Dança

Inscrições: 1 rolo de fita adesiva ( para linóleo) para demarcação de solo, cor preta 5cmx30m

OBS: A oficina é direcionada a comunidade em geral

Informações: Fone 3223 37 09 ou 3223 82 04

 

29 e 30 de Setembro:

Oficina: “Dança Contemporânea”

Local: Diversos Locais

Inscrições: Público Direcionado

Informações: Fone 3223 37 09 ou 3223 82 04

 

30 de Setembro- Sexta-feira:

Encerramento do Projeto 10º Setembro em Dança- Espetáculo “Teu Corpo que me Toca”

com Eliane Fetzer

Local: Cine-Teatro Ópera – Auditório A

Horário: 20h

Ingressos: 1 Brinquedo ( A arrecadação será destinada a entidades assistenciais por ocasião do Dia da Criança)

Foto: Patrick Inada

16/09/2011

“E ééé touchdown!”

Olinda Esporte Clube é a casa do Ponta Grossa Phantoms, clube local de futebol americano

Tackle, field goal, sack, end zone… O Olinda Esporte Clube é palco do “Torneio Touchdown”, o campeonato brasileiro de futebol americano. Lá joga o Ponta Grossa Phantoms, time que representa a cidade na competição. Apesar da ‘cultura americana’ – pouco conhecida pelo brasileiro – em torno do esporte, as pessoas que organizam os jogos conseguem transmiti-los com certa facilidade.

Durante o jogo existe um narrador, que explica cada jogada e diz o significado dos termos técnicos, o que facilita para quem não sabe muita coisa do esporte. Apesar de ser uma narração com caráter amador, existe só para explicar aos leigos o que está acontecendo, não é uma narração parecida com a da televisão (no caso do futebol), ela consegue cumprir o papel de auxílio ao público, o que acaba atraindo pessoas.

O clima na arquibancada é tranquilo, quase não há gritarias e muito menos torcedores organizados (o que ajuda consideravelmente para se ouvir a locução). No entanto, ela é pequena, feita de madeira, pois o estádio não possui uma arquibancada própria, e não é coberta. Isso acaba afastando o público em jogos chuvosos ou com sol muito forte. Os banheiros são limpos (o que dificilmente é encontrado em estádios de futebol) e existe uma banca montada no local com algumas coisas para se comprar como salgadinhos e refrigerantes.

Além dos amantes do esporte, os jogos do Ponta Grossa Phantoms também são frequentados por familiares dos atletas, já que a divulgação das partidas é pequena. O ambiente familiar consegue “segurar” os curiosos que acompanham pela primeira vez o futebol americano.

Rodrigo de Souza

Serviço

Local: Olinda Esporte Clube: Rua dos Operários, nº 1423 – Bairro: Olarias

Próximo jogo: Domingo (18/09), às 14h – Ponta Grossa Phantoms x Santos Tsunami

Ingressos: R$5,00

Linha de ônibus para o local: São Gabriel Mais informações: http://phantoms.esporteblog.com.br

Foto: Rodrigo de Souza

16/09/2011

Representação incompleta

União de representantes do Bairro Santa Paula ganha informativo impresso

Um ano depois de sua fundação, o Movimento UNESPAR (União dos Empresários do Santa Paula e Região), que visa o progresso do bairro, ganha um informativo comunitário, que é um veículo de divulgação sobre uma entidade específica com circulação limitada.

Logo no primeiro texto uma frase destoa do resatnte do jornal: “a manifestação popular é uma das formas mais bonitas de se fazer política e prestigiar a democracia”. É certo que o movimento tem se mostrado um órgão eficiente de representação popular, conseguindo melhorias para o bairro através de parceria com lideranças políticas. Mas não é só disso que se trata a representação popular. O povo, propriamente dito, parece pouco (ou nada) visível no meio de comunicação.

Talvez por estar em fase de construção, parece que o Informativo foi integralmente produzido pela chefia da organização. Se a intenção do informativo é promover o Movimento UNESPAR está no caminho certo! No entanto, se a expectativa é integrar os moradores do bairro, o jornal terá que pensar numa forma de introduzi-los nas publicações. Por enquanto, na página “2” são apresentadas benfeitorias que os dirigentes do movimento conseguiram. Talvez, mais pra frente haja algumas divisões em pequenas editorias para diversificar a temática dos textos.

A parte visual acerta na montagem do cabeçalho e do rodapé, sintetizando a ideia do informativo e o expediente. Ponto positivo também para a distribuição dos textos e fotos nas duas páginas. Flechas em azul que ligam fotos em quadros da mesma cor à sua legenda formam continuidade entre eles. Boa escolha para o amarelo creme nos boxes, cor complementar ao azul marinho predominante no jornal, ajuda a destacar os assuntos e fotos correlacionados.

 Maria Fernanda Teixeira

Serviço

Produto: Informativo Comunitário UNESPAR

Publicação: Ano 1- No 1- Unvespar- Ago/11

Tiragem: 30.000

Distribuição: Gratuita