Archive for Setembro 9th, 2011

09/09/2011

Agenda Cultural

9 de Setembro- Sexta-feira

Projeto “ SEXTA AS SEIS”

Local: Complexo Ambiental

Horário: 18h- Atividade Livre

Atividade: Concerto do Coro Cidade de Ponta Grossa “La Bamba e outros Cha Cha Cha’s” – Música Latino-Americana

Local: Cine-Teatro Ópera

Horário: 20h

Ingressos: R$ 6,00 ( inteira) e R$ 3,00 ( meia-entrada)

10 de Setembro- Sábado

Atividade: Projeto 10° Setembro em Dança- Apresentação de academias e grupos de danças inscritos

Local: Programa Social Transformando Gerações – Av. Visconde de Taunay, lado no 2760

Horário: 15h

Ingressos: Atividade Direcionada

Atividade: Concerto do Coro Cidade de Ponta Grossa “La Bamba e outros Cha Cha Cha’s” – Música Latino-Americana

Promoção: Secretaria Municipal de Cultura e Turismo e Conservatório Artístico Musical Maestro Paulino Martins Alves

Local: Cine-Teatro PAX

Horário: 20h

Ingressos: R$ 6,00 ( inteira) e R$ 3,00 ( meia-entrada)

Atividade: Projeto Cine-Arte – Exibição do Filme “Amante Latino”

Direção: Pedro Carlos Rovai- Brasil- 1979- Drama Musical- 103 Min.

Local: Cine-Teatro Ópera – Auditório B

Horário: 17h

Ingressos: Entrada Franca-

Classificação: 14 Anos

Atividade: Concerto do Coro Cidade de Ponta Grossa “La Bamba e outros Cha Cha Cha’s” – Música Latino-Americana

Local: Cine-Teatro PAX

Horário: 20h

Ingressos: R$ 6,00 ( inteira) e R$ 3,00 ( meia-entrada)

12 de Setembro- Segunda-feira

Programação Semana Literária SESC

Atividade: O Fabuloso Circo de Coisas. De Danilo Furlan

Local: Sesc Ponta Grossa – Espaço Cultural Chic-chic

Horários:9h às 10h – 13h30 às 14h30 – 15h30 às 16h30

Entrada Franca

Atividade: CAFÉ LITERÁRIO, LANÇAMENTO DE LIVRO E SESSÃO DE AUTÓGRAFOS

Lançamento do livro: Poesia de Segunda
Horário:19h às 19h30
Autores : Egerson Soares Pavão, Geni Martins Fazio, José C. Ligeski, Mario Sérgio de Melo, Mariza Boscacci Marques, Ricardo Letenski, Rilka Lucia de Jesus Bandeira.

Local: Salão Social Sesc Ponta Grossa

Entrada Franca

Atividade: MESA REDONDA

Tema: Literatura e Sedução

Local: Salão Social Sesc Ponta Grossa

Horário : 19h30.

Entrada Franca

Obs: Encontre outras atividades pela agenda do SESC – Ponta Grossa – http://www.sescpr.com.br/curso.php?getCurso=13165

Atividade: Projeto 10° Setembro em Dança- Apresentação Cia. Dança Masculina “Jair Moraes”

Local: Cine-Teatro Ópera – Auditório A

Horário: 20h

Ingressos: Entrada Franca

13 de Setembro –Terça-feira

Programação Semana Literária SESC

Atividade: O Fabuloso Circo de Coisas. De Danilo Furlan

Local: Sesc Ponta Grossa – Espaço Cultural Chic-chic

Horários:9h às 10h – 13h30 às 14h30 – 15h30 às 16h30

Entrada Franca

Atividade: MESA REDONDA

Tema: Literatura e Cidades

Local: Salão Social Sesc Ponta Grossa

Horário : 19h30.

Entrada Franca

Obs: Encontre outras atividades pela agenda do SESC – Ponta Grossa – http://www.sescpr.com.br/curso.php?getCurso=13165

Atividade: Projeto Tela Alternativa – Exibição do Filme: “A montanha dos sete abutres (Ace in the hole). Direção: Billy Wilder- 1951, 111 min

Local: Cine-Teatro Ópera – Auditório B

Horário: 19h30

Ingressos: Entrada Franca

Classificação: 16 anos

Atividade: “ IV Mostra de Talentos da 3a Idade Ruth Cardoso”

Local: Cine-Teatro Ópera- Auditório A

Horário: 19h

Ingressos: Entrada Franca

Mais Informações: Fone 3225 1398

Atividade: Abertura da Exposição de artes plásticas: “ Vaso com Flores” – do CACEV- Atelier de Arte Contemporânea Edilson Viriato ( Curitiba)

Local: Centro de Cultura Cidade de Ponta Grossa- Galeria João Pilarski

Horário de Abertura: 20h – direcionada a convidados

A exposição permanece aberta até o dia 13 de outubro. Visitação a partir de 14 de setembro, das 13h às 18h

14 de Setembro- Quarta-Feira

Programação Semana Literária SESC

Atividade: O Fabuloso Circo de Coisas. De Danilo Furlan

Local: Sesc Ponta Grossa – Espaço Cultural Chic-chic

Horários:9h às 10h – 13h30 às 14h30 – 15h30 às 16h30

Atividade: MESA REDONDA

Tema: Literatura e Cidades

Local: Salão Social Sesc Ponta Grossa

Horário : 19h30.

Entrada Franca

Obs: Encontre outras atividades pela agenda do SESC – Ponta Grossa – http://www.sescpr.com.br/curso.php?getCurso=13165

Atividade : Sessão Solene da Câmara Municipal- “Outorga de 15 Títulos de Cidadania Honorária de Ponta Grossa ”

Local: Cine-Teatro Ópera – Auditório A

Horário: 20h

Ingressos: Entrada Franca

Atividade: Espetáculo Musical “ Contos de Fada” – Com Coral Infantil do Conservatório Artístico Musical Maestro Paulino Martins Alves Martins Alves

Local: Centro de Cultura Cidade de Ponta Grossa

Horário: 19h

Ingressos: R$ 6,00 ( inteira) e R$ 3,00 ( meia-entrada)

Atividade: Curso “ Iniciação ao Teatro”- Com Emerson Rechenberg

O Curso será realizado todas as quartas-feiras, com duas turmas sendo: Turma A- 15h e Turma B-19h,

direcionado para maiores de 13 anos

Inscrições: Mensalidades R$ 60,00, no Cine-Teatro Ópera

Local: Cine-Teatro Ópera

Mais Informações: Osmar- fone 3901 1591

15 de Setembro- Quinta-Feira

Atividade: Desfile Comemorativo de Aniversário da Cidade “ Ponta Grossa: 188 Anos – Educação e Relevância Social”

Local: Av. Vicente Machado

Horário: 8h

Atividade: Abertura do “ VIII Salão de Artes Unimed Ponta Grossa”- Homenagem ao aniversário da cidade

Local: Shopping Palladium

Horário de Abertura: 20h

De 15 à 18 de Setembro

Atividade: Festival de Bandas “ Geração Easy Rock” – Com participação de 12 Bandas

Local: Complexo Ambiental – ao lado da Estação Saudade

Programação:

15/09-15h- Apresentação de 6 Bandas

16/09-19h- Apresentação de 6 Bandas ( Inserido no evento Easy Road)

17/09-16h- Show com as Bandas que obtiveram as 3 primeiras colocações ( Inserido no evento Easy Road)

18/09-14h – Show com as Bandas que conquistaram o 4°, 5° e 6° lugares ( Inserido no evento Easy Road)

16 de Setembro- Sexta-Feira

Atividade: Projeto Arte na Câmara- Abertura da Exposição de Fotografias “Rodrigo Covolan” em comemoração ao aniversário de Ponta Grossa

Horário: 20h

Local: Espaço Cultural da Câmara Municipal de Ponta Grossa – Abertura direcionada a convidados

Obs: A exposição permanece aberta à visitação até 10 de outubro, em horário de funcionamento das 13h às 19h.

09/09/2011

Cobertura esportiva de Ponta Grossa

Acadêmicos da UEPG disponibilizam a cobertura dos esportes dos Campos Gerais via internet

O FutsalDaqui é um novo podcast de rádio esportivo produzido em Ponta Grossa. O programa é disponibilizado no blog http://www.futsaldaqui.blogspot.com e aborda o futebol de salão nos Campos Gerais e região. A iniciativa é um tanto pertinente, por não existir nenhum veículo especializado nesta cobertura. O podcast é produzido por Sebastião Neto e Felipe Gustavo e gravado nos estúdios de rádio da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).

A edição número cinco do programa cobriu a Copa Cidade (campeonato de Futsal Ponta Grossense realizado pela Liga de Futsal dos Campos Gerais). Manta, capitão e jogador do time de Ivaí, foi convidado para discutir o jogo entre Ampére e Ivaí que causou polêmica.

O programa foi dividido em dois blocos, mas sem um real intervalo entre os dois. A sonoplastia foi um recurso de áudio pouco explorado pelo produtor do programa, não há um “break” com música e nem mesmo um fundo sonoro nas explanações, devido a esta falha o Futsaldaqui torna-se maçante com seus 50 min de duração.

A locução de Sebastião e de Felipe não deixa a desejar: é clara, simples e bem articulada. Além da locução apropriada, o programa também tem algumas sonoras, o que facilita a compreensão das matérias para os ouvintes.

O principal problema técnico da programação é que o áudio está disponível apenas em Flash, o que torna o programa inacessível para navegadores que não suportam este formato. A solução seria disponibilizar um link para baixar o programa e ouvir em qualquer reprodutor de mp3.

André Henrique de Paula

Serviço:

http://www.futsaldaqui.blogspot.com

09/09/2011

Progresso urbano, retrocesso cultural

Apenas a chaminé das Indústrias Wagner, na região central da Cidade, resistiu aos planos da Prefeitura de Ponta Grossa

Para quem passa pelo Parque Ambiental, no sentido Vila Oficinas, se vê despontar no horizonte o topo de uma chaminé. Conforme se torna mais próxima, observam-se os tijolos alaranjados e a escadinha de ferro que leva ao alto. Na base, a surpresa. Visivelmente antiga, a chaminé divide espaço com construções. Em um terreno de 47 000 m ², que sediava as Indústrias Wagner – laminadora de madeira em Ponta Grossa – a Prefeitura de PG está construindo prédios que, entre outras funções, deve sediar a Biblioteca Municipal, a Pinacoteca, uma escola de música e Centros Municipais de Educação Infantil (CMEI).

A decisão do Conselho Municipal de Patrimônio Artístico e Cultural (COMPAC) de tombar apenas a chaminé e não o prédio causou divergências na época. Entre os vereadores apenas Ana Maria de Holleben foi contra, apesar da votação dos vereadores não ser decisiva.

A discussão ganha força a partir do momento que se pensa a necessidade de demolir o local para efetivar as obras da prefeitura. Não existem outros lugares propícios? Para atingir o progresso é preciso acabar com antigas construções e lembranças? O fato é que a população sendo contra ou não, a sede da extinta Indústria Wagner foi demolida e as obras foram iniciadas. Empregos temporários surgiram. Ponto positivo.

Os barracões onde ficava a madeireira guardavam lembranças de um período da história da cidade. A indústria não funcionava mais, e em 2009 o prédio foi demolido. Só foi poupada a chaminé, tombada como patrimônio da cidade. Para o crescimento e desenvolvimento da cidade, foi necessário sacrificar um antigo ponto de referência ponta-grossensse

O lugar, que antes abrigava a fonte de renda de até 600 trabalhadores na época de maior produção, era um ponto nostálgico no bairro que originava a maioria dos trabalhadores, o Olarias. Hoje um local que apenas tornou-se um canteiro de obras.


Texto e foto: Marrara Tayane Laurindo

Serviço:

Local: Rua Ricardo Wagner, número 2. Bairro Olarias.

Ponta Grossa/PR

09/09/2011

Quem dança seus males espanta

Projeto Setembro em Dança dá oportunidade para grupos da região se apresentarem em Ponta Grossa

Em comemoração ao 188º aniversário da cidade ocorre em Ponta Grossa a 10ª edição do Setembro em Dança, projeto promovido pela Prefeitura Municipal de Ponta Grossa. O evento dá oportunidade para que grupos e academias de dança da região se apresentem em palcos, e locais variados da cidade. De 1º a 30 de setembro serão apresentados diferentes estilos de dança, por grupos de diversas faixas etárias.

O Crítica de Ponta acompanhou as apresentações do Setembro em Dança da segunda-feira (05/09/11). De grupos amadores às academias profissionais, a mostra contou com dançarinos de todas as idades, desde crianças até adultos. Ritmos ecléticos são uma característica da exibição, com apresentações de ballet clássico, dança de rua.

Um ponto que chama atenção é a oscilação de humor da plateia. Algumas apresentações prendiam a atenção dos presentes, outras os deixavam distraídos, e desatentos. Muitos dos grupos foram acompanhados de torcidas ao Cine Teatro Ópera. Assim que as respectivas apresentações acabavam, havia conversas e movimentações nos corredores do Teatro, marcando a falta de educação do público presente. O que pode ter ocasionado a dispersão é o fato do conteúdo da mostra ser bastante eclético, não agradando sempre a toda a plateia.

A exibição começou pontualmente às 20 horas e terminou às 21h10. O interessante do projeto foi o respeito com os dançarinos. A oportunidade foi dada a diversos grupos, inclusive aos grupos religiosos, que foram maioria na apresentação do dia 05. O projeto dura até o final do mês e a programação pode ser encontrada no site da prefeitura (WWW.pontagrossa.pr.gov.br)

Nayra Gazafi

09/09/2011

O agronegócio para um agropúblico

Matérias que abordam os negócios agrários nos Campos Gerais do Paraná marcam a primeira edição da revista Mais Rural

A proposta da recém-lançada revista Mais Rural é informar os empresários do agronegócio. O foco está nos Campos Gerais do Paraná. Na primeira edição, a revista conta com pelo menos 12 editorias e 34 páginas. Assuntos que vão desde uma entrevista com o governador Beto Richa até a receita culinária da Cabriúva.

A linguagem é simples e direta em todas as matérias. Os jornalistas têm o cuidado de situar o leitor nas condições atuais do assunto para depois acrescentar informações novas. Além de reportagens de investimentos no agronegócio dos Campos Gerais e do Estado, a revista também apresenta leituras lights, como na editoria Turismo. A narração do passeio pelo Canyon Guartelá, por exemplo, envolve tanto pela riqueza de detalhes, quanto pela maneira como a autora prende a curiosidade do leitor. Ao ler a 1ª edição da Mais Rural, é possível sair informado sobre agrobusiness, mas também sobre outros setores importantes que movem o interior do Estado.

A região dos Campos Gerais, movida essencialmente pelo agronegócio, é carente de publicações que abordem os assuntos trazidos pela Mais Rural. O conteúdo realmente não deixa a desejar. No entanto, é preciso atentar para características gráficas que podem tornar a aparência da publicação mais atrativa. A capa, por exemplo, pode apresentar mais informações e fotos com cores vivas, como acontece nas matérias internas. A fonte das reportagens também pode ser maior ou talvez mais grossa, pois dificulta a leitura em um fundo que é, geralmente, branco.

Reformas gráficas são melhoradas de acordo com as publicações e com o que chama a atenção do leitor. A revista consegue cumprir o papel de informar os agricultores e pecuaristas de maneira completa e fácil de entender. Mas é preciso tomar cuidado para que a publicidade não invada, como acontece em outras publicações da cidade, e tome conta da revista, deixando o conteúdo e a informação de lado.

Texto e foto: Alana Fonseca

Serviço:

Revista Mais Rural

Edição 1 – Agosto/2011

3.500 exemplares, distribuição gratuita.

http://www.revistamaisrural.com.br

09/09/2011

De boa na lagoa dourada ou, deveria dizer, suave na nave?

Segundo álbum da banda Mandau, “Suave na Nave” aparece 4 anos após o lançamento do primeiro, e a música que dá nome ao disco indica mudanças de rumo seguidas pelo conjunto

 

Se a idéia era não deixar o ouvinte com os pés no chão, a banda Mandau se superou. O novo hit da banda permite ao ouvinte esquecer do horário por três minutos e cinquenta segundos e fica, de certo modo, “suave na nave”. Isso reflete algumas mudanças que a banda adotou na nova composição: a influência do reggae, tão presente em músicas como “Vou Nadar Na Lagoa Dourada” permanece, porém cedeu boa parte do espaço para um estilo semelhante ao pop rock nacional.

Nesse modelo, coube ao baixo de Felipe Lelis e à voz de Scilas de Oliveira tomar a dianteira. O baixista mostrou como segurar o ritmo da música, além de amparar a bateria e a guitarra. O vocalista se adaptou bem ao estilo e provou a versatilidade da voz com o novo álbum. E, por falar em mudanças, cabe citar a troca de foco na letra. Aqui, os temas princesinos deram lugar a uma famosa gíria paulistana. O próprio vocabulário da letra transmite os ares aspirados em São Paulo pelos integrantes da banda, cidade onde residem atualmente.

Para o lançamento do novo álbum, “Suave na Nave”, com produção de André Kbelo, a banda veio até Ponta Grossa trazer à cidade natal um gostinho do que o grupo preparou em terras não-tão-distantes. Apesar da qualidade de som do local ter deixado a desejar, quem foi assistir ao show dia 3 de Setembro no Empório Avenida teve a chance de adquirir CDs e acessórios do grupo. Além, é claro, de matar a saudade da tradicional banda ponta-grossense, que já retornou para apresentar o novo álbum aos palcos paulistas.

André Luiz Moura

Serviço:

Para aquisição dos CDs, entre no site e preencha o formulário de compra. (R$10,00)

Música: Suave Na Nave (para ouvir: http://www.youtube.com/watch?v=NFtUvEmVvt4)

Disco: Suave Na Nave

Site: bandamandau.com

09/09/2011

Uma constante falta de opção

Pouca variedade de programação e filmes dublados são alguns dos problemas verificados nos cinemas da cidade

Hoje, a crítica de cinema é diferente. Não é dirigida a um filme específico. Mas aos cinemas de Ponta Grossa. Não há qualquer estímulo para as pessoas freqüentarem as salas de projeção, talvez com exceção do dia destinado à meia-entrada. O preço não é nada acessível e, infelizmente, a qualidade não condiz com o valor dos ingressos.

A programação deixa muito a desejar. Há pouca variedade de filmes que, normalmente, são direcionados a um público específico, o infanto-juvenil, mais precisamente. Nas férias escolares isso é mais frequente e até admissível. Durante o restante do ano, porém, os amantes da sétima arte muitas vezes desistem de ir ao cinema por falta de opções. Os mais aficionados, por sua vez, acabam tendo que assistir o que está passando mesmo, e aguardar meses pelas principais estreias.

Esse tipo de relato é comum em cinemas de cidades pequenas, mas não pode ocorrer em uma cidade do tamanho de Ponta Grossa. Não significa tentar comparar PG a uma capital, mas valorizar o potencial cultural de uma cidade com mais de 315 mil habitantes.

As grandes estreias levam, às vezes, meses para chegar na Cidade, quando chegam. Há filmes em que é preciso muita paciência para esperar pela estreia em DVD. Outros permanecem apenas uma semana em cartaz e logo são substituídos por mais um longa-metragem de super-heróis. Nada contra os filmes de super-heróis, muito pelo contrário. Mas, o que falta é a possibilidade de escolha.

E, por falar nisso, outro problema dos cinemas de Ponta Grossa, atualmente, é a quase extinção dos filmes com legendas. Já existe, inclusive, uma mobilização virtual no Facebook reivindicando sessões legendadas nos cinemas da cidade (Cinemas de PG – por uma sessão legendada). A página recebeu até o momento 1905 “assinaturas”.

Há muita gente que não suporta assistir a filmes dublados. Além disso, há ainda a necessidade de legenda para acessibilidade das pessoas surdas. Os cinemas vão simplesmente desprezar a opinião de grande parte dos seus consumidores?

Isso sem falar da completa inexistência de filmes alternativos, independentes ou fora do cenário norte-americano. Será que a cidade não tem público pra isso? Seria pedir demais?

Texto e foto: Fernanda Rosas

09/09/2011

A vida através da ótica dos trabalhadores

Livro retrata a vida dos operários ponta-grossenses do início do século XX. História é contada través do trabalho, da cultura e do lazer dos trabalhadores

O concurso municipal de pesquisa histórica de Ponta Grossa homenageou, em 2010, o escritor Augusto Canto. A obra premiada foi ‘Nos bastidores do proletariado: trabalho, cotidiano e lazer. A experiência dos trabalhadores princesinos durante a República Velha (1889-1930)’, de autoria de Roberto Luiz Pocai Filho.

O livro conta a experiência dos operários de Ponta Grossa durante o período da República Velha (1889-1930). A obra une elementos da pesquisa histórica, com uma escrita permeada de críticas sociais e observações do autor sobre aquela sociedade observada.

Já na introdução da obra, Roberto faz uma severa crítica a péssima conservação dos lugares reservados a guardar a história da cidade, por exemplo, a Casa da Memória. Logo adiante o autor usa argumentos válidos para criticar o fato de a história ser contata, geralmente, através da vida dos “grandes homens”, ou seja, de pessoas de posse financeira e possuidoras de status social.

Roberto se propõe (e consegue) fazer um percurso diferente. O livro é, antes de tudo, um relato preciso de uma sociedade em mudança, que deixa de ser basicamente agrária e começa o processo de industrialização. O que deixa o texto ainda mais rico é o fato dele ser arquitetado através da vida (trabalho, cotidiano e lazer) de operários da cidade nascente e não pela ótica de vida dos barões ponta-grossenses.

O livro é enriquecido por imagens raras da cidade. No entanto, uma imagem, que está na capa do livro e serve de marca d’água em todas as páginas, prejudica, em alguns momentos, a leitura e o entendimento do que está escrito. Em outros momentos do texto aparecem alguns erros de digitação e frases mal construídas, mas que não comprometem o resultado final da obra.

Afonso Werner

Serviço:

Nome do Livro: ‘Nos bastidores do proletariado: trabalho, cotidiano e lazer. A experiência dos trabalhadores princesinos durante a República Velha (1889-1930)’

Autor: Roberto Luiz Pocai Filho

Número de páginas: 106

O livro pode ser encontrado na Biblioteca Municipal de PG

Em 2011 o concurso municipal de Pesquisa Histórica homenageou a professora e historiadora Guísela Velêda Frey Chamma. As inscrições foram encerradas no mês de julho. A premiação deve acontecer ainda esse ano.